Crônicas do Isolamento -- Em modo de espera...

Uma semana desde que foi confirmado que eu tinha sido contaminada com o coronavírus.
Hoje fiz um novo teste e continuo positivada:


Está beeeem clarinho, mas o traço que indica o positivo ainda está lá...

Tenho escutado, a cada dias, sobre mais pessoas que ainda não tinham se contaminado positivarem também.
Com a suspensão do uso de máscaras até em ambientes fechados, não me causa tanta estranheza assim. O me deixa um pouco assustada (e bem chateada) é perceber - na prática - que realmente o covid-19 vai se transformando, evoluindo e atingindo mais gente numa velocidade enorme. 

Graças à vacina, no geral as pessoas têm relatado sintomas leves (tosse, uma situação similar à de uma crise alérgica, cansaço). Mas é grande o número de novos infectados diariamente... As notícias voltaram a anunciar os números crescentes, inclusive de internações. 

Por aqui, minhas glicemias seguem na meta (ufa!!). A oxigenação também está boa e sem alterações. A minha voz, que quase foi embora nos primeiros dias, está de volta e a rouquidão praticamente acabou. 

O que mais me chamou atenção nesse período foi a perda de apetite. 
Não costumo ficar sem fome. Gosto de comer. Me alimento bem e tenho prazer em fazer cada uma das refeições.
Não perdi o paladar e nem o olfato, só que o covid me deixou um pouco enjoada e acho que uma coisa levou à outra. 

Daqui há alguns dias vou testar novamente. 
Enquanto isso, sigo com atenção e cuidado, me mantendo quietinha em casa e em modo de espera.

Estou tentando seguir uma rotina mais rígida em relação aos horários de insulina, das refeições e até de trabalho, para deixar o corpo descansar e agir para me curar desse vírus. 

No mais, agora é hora de focar no que eu posso controlar e procurar não ficar pensando nos efeitos futuros que esse coronavírus pode trazer.
Sobre isso, sei que há mais especulações do que certezas (inclusive, fala-se no meio médico sobre um eventual efeito inflamatório no pâncreas que pode desencadear o diabetes em quem não tinha a condição antes), então é preciso ter calma para não entrar nessa de imaginar maiores consequências.  

Haja paciência!! 
É uma chatice estar contaminada e ter que evitar contatos, suspender encontros e me manter isolada. 
De qualquer forma, sei que é isso que precisa ser feito por mim e, principalmente, pelos outros. 
A responsabilidade tem que vir de cada um!
 

 
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quando falta educação, sobra preconceito!

Hipo sem crise!

Fiasp: a insulina turbinada!