Procure saber!

Um pedido de doação de insulina nunca é em vão.
Vindo de uma mãe então, é caso de extrema urgência, pode contar!

Eu não tenho insulina sobrando. 
Compro as minhas e aproveito descontos para abastecer o estoque sempre que posso. Mas a verdade é que eu não tenho faltando. Ela sim.
Uma mãe. O pequeno de 10 anos com 13 unidades de insulina na caneta e nada mais. 
Nas farmácias ela não encontrou. Nem sempre é fácil. Se não é fácil na zona sul, imagine na baixada do Rio de Janeiro... 
E aqui não quero fazer nenhuma ode à melhor ou pior condição de vida, não. Quero somente mostrar a realidade que se repete por bairros e cidades desse Brasil.

Conversei com a mãe - nunca tínhamos nos falado antes - e em poucos minutos vi a grandeza dessa mulher! 
Muito além do próprio filho, ela já se movimentou por entender o quanto falta de tratamento, educação e informação onde moram. 
Chamou um vereador do município, explicou a situação e apresentou a proposta de desenvolvimento de um projeto social que visa ampliar o acesso à tudo isso através de ações junto às escola. 

Eu estou longe, não moramos perto.
Tentei enviar a insulina para ela mas o uber flash não cumpriu sua missão. Confirmou a entrega - que não foi feita - e por três dias sumiu. 
Chorei de raiva!
A saga se resolveu e ele veio me devolver a encomenda (além da insulina, eu havia enviado livros tanto para o Ítalo - o pequeno de 10 anos - quanto para o projeto da Vanuza nas escolas), mas quem precisava do insumo não foi atendido.

Assim como a Vanuza e o Ítalo, existem outros tantos. 
Pessoas sem insulina, sem tiras teste, sem consulta, sem hospital com endocrinologista. 

E se o poder público não faz a sua parte, essa enorme rede de pessoas diabéticas e que tanto sabem das dores, dos riscos e dos medos que vem com a falta de insumos, se movimenta e faz acontecer até o que as vezes é dado como impossível. 

Dessa vez eu não consegui entregar o que havia me comprometido. Mas está tudo aqui, guardadinho, esperando a oportunidade.

Não foi a primera vez que eu me propus a ajudar. 
Não será a última. 

Já pedi para quem eu sei que tem. 
Já apelei para laboratórios e fabricantes.

Já recebi 'sim'.
Já recebi 'não'. 

Não importa...
Somos muitos. 
Somos juntos.
Somos um por todos!

Perguntem.
Conversem.
Descubram.
Ajudem.
Peçam ajuda!

Vale lembrar que o símbolo da campanha mundial de conscientização é o círculo azul, representando a união dos povos pelo diabetes.
Tem muito mais além do horizonte que a gente consegue enxergar. 
Sempre existe a possibilidade de fazermos um pouquinho mais por outras pessoas.
Tem sempre muito mais ao nosso alcance pela saúde, pelo respeito e pelo diabetes. 

Procurem saber!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crônicas do Isolamento -- A vida de viés...

É preciso estar atento e forte!

Crônicas do Isolamento -- A fantasia lá na terra plana...