Mil vezes coragem!

Desde o dia um desse Insulina Portátil escuto títulos que me vão sendo dados e, confesso, ainda tenho dificuldade em aceitar.

Blogueira. 
Influenciadora.
Educadora. 

No fundo, me vejo somente como uma igual. 
Como quem quer dividir o que aprende por acreditar que os outros podem aprender também.
Por acreditar, principalmente, que é preciso mudar esse peso que é dado ao diabetes, ao diabético. 

Não somos um diagnóstico. 
Não somos uma doença.
Não somos as complicações que podem vir pela falta de educação e acesso adequados. 

Somos força! Mais força do que quem não tem a condição pode imaginar.
Uma força que nem sempre desperta com a gente, mas que renasce a cada verificação de glicemia que começa com o 'bom dia'.
Uma força que rege cada decisão, inclusive as erradas.
Porque haja coragem para chutar a quantidade de carboidratos e esperar só mais um pouquinho para ver se a glicemia abaixa sem aplicar mais insulina...

Haja coragem para encarar uma hipoglicemia de queixo erguido enquanto a glicemia não volta para o lugar.

Haja coragem para ajustar a dose de insulina no período menstrual, no meio de uma gripe ou em um dia difícil no trabalho.

Haja coragem para colocar reagir depois de ouvir que injeções de insulina - que não podem ser nem a mais e nem a menos - farão parte da sua vida para sempre.

E é por isso que cada descoberta, cada ajuste no tratamento, cada tecnologia implementada para o controle da doçura do diabetes que me pegou de surpresa há doze anos, eu vejo como uma chance de ser colocada como vivência por aqui. 

Acredito que, seja o que for, pode ajudar a esclarecer, diminuir o medo, aplacar a culpa e acabar com os mitos que são tantas vezes jogados no nosso colo. 

Com essa postagem, são ao todo mil vezes em que eu deixei meu pâncreas preguiçoso de lado e coloquei meu coração como protagonista da história que começou naquele março de 2009.
São mil vezes coragem.

O blog virou caminho. 
E se eu nem imaginava tudo que viria a partir da decisão cheia de coragem em dar um oi nessas redes de alcance infinito e começar a apresentar essa nova vida pelo meu IP, eu nem imaginava quantas pessoas seriam minhas companheiras de jornada, confiando, acompanhando e me apoiando nessa história diabética.

Obrigada!
E sigamos, juntos e cheios de coragem. 
Até quando ela parece falhar… 










Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crônicas do Isolamento -- A vida de viés...

É preciso estar atento e forte!

Crônicas do Isolamento -- A fantasia lá na terra plana...