Crônicas do Isolamento -- "Com quantos reais se faz uma realidade?"


E vacina, rima com propina?
No Brasil parece que sim! 

Se saber da recusa pela oferta de vacinas revolta, revolta ainda mais saber que do outro lado da moeda a motivação passa por doses extras de maldade. 
Em português claro, tudo leva à comprovação do genocídio (já pode falar essa palavra?) pelos governantes.

Se a vacina tivesse chegado logo que nos foi oferecida, não teríamos tantas perdas. 
Se a orientação e os recursos de prevenção tivessem sido oferecidos à população, não teríamos tantas perdas. 

Um dólar. 
1. 
Fazendo a conversão para câmbio do dia, R$ 4,97. 

Sabe quanto custa a insulina?
Sabe quanto custa uma tirinha para medir a glicose?
Sabe quanto custa uma agulha ou uma seringa? 
Custa muito! Custa uma vida.

E sabe quanto custa uma vida?
Quatro reais e noventa e sete centavos foi o que custou a vida de cada uma das quinhentas e dezoito mil e sessenta e seis pessoas desse país tropical que tiveram as vidas interrompidas pela irresponsabilidade e pelo egoísmo desse monte de ladrão. 

No mesmo dia em que se alcançou essa terrível marca, foi denunciada em rede nacional a falta de insulinas nas farmácias do SUS.
Isso significa que, se não for pela solidariedade de outros, quem ficar sem corre risco de morrer. 

COVID mata.
E a falta de tratamento para o diabetes também. 

Não é de hoje que o Ministério da Saúde anda deixando a população na mão. 

A gente grita, denuncia, reclama. 
A gente se junta e age pelo coletivo. É isso que salva quando falta insulina para alguém. 

Só que é difícil lutar contra uma força invisível: é difícil lutar contra roubo. Mais ainda quando o roubo é executado por quem deveria estar garantindo que este tipo de coisa não acontecesse.

Como se não bastassem todos os absurdos que temos visto e que tem deixado o combate à pandemia ainda mais complicado nesse país, a necessidade de brigar contra a propina e o superfaturamento parece jogar a esperança para longe. 

Como bem questionam na canção Rodrigo Maranhão e Pedro Luis, “com quantos reais se faz uma realidade? precisa muito sonho pra sobreviver numa cidade”.

Que não nos falte serenidade e confiança para continuar fazendo o que nos cabe.
Usem máscara. 
Tomem a vacina!!!! 


 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crônicas do Isolamento -- O Bem do Mar

Crônicas do Isolamento -- Do lado de lá do portão...

Crônicas do Isolamento -- Um tanto de quarentena...