Crônicas do Isolamento -- Contra uma pandemia de ignorância, a vacina!

O ano mudou mas o comportamento egoísta e ignorante não ficou para trás. 
Da mesma forma, minha inconformidade segue... 
Não é possível que tantos óbitos e tantas histórias tão tristes não comovam ou façam essas pessoas entenderem que o vírus não escolhe gente, lugar ou horário. O vírus não é parado por paredes ou currais vips de festas sem noção. E também não seleciona ou filtra os que estão em casa se protegendo X os que não ligam e vivem nessa roleta russa de contaminação.

Esse é o maior problema: os que se consideram sem risco - e, na verdade, são só sem noção - propagam e levam para quem está se isolando e se cuidando. 

É duro ver que medidas simples, como máscaras e distanciamento, vem sendo ignoradas. E, com isso, tantos perdendo o direito à vida.

Já houve um tempo em que o diabetes era classificado como doença fatal, sem qualquer possibilidade de tratamento. Com a dedicação de inúmeros cientistas e médicos, muito se evoluiu.

No meu diagnóstico, apesar de todo susto, eu coloquei na cabeça que se existia um tratamento, eu ia fazer! Jamais tinha imaginado que precisaria aplicar injeções na minha barriga, na minha perna ou no meu braço diariamente. O que me levou a aceitar de bom grado que essa seria a minha rotina a partir dali foi entender que era para o meu bem. Além disso, conhecer os meus riscos caso não fizesse o que deveria ter feito e, eventualmente, passar a ter qualquer limitação que me impedisse de fazer tudo que eu gosto também foram fatores motivacionais desde o início. Eu sabia que aquelas injeções iam salvar a minha vida diariamente. 

Com a pandemia, vou pelo mesmo caminho: se ficar longe dos meus, deixar de sair, de dar meus mergulhos, de batucar, de andar por aí respirando e sorrindo sem máscara são as ferramentas que eu tenho para me manter afastada da ameaça invisível, é isso que vou fazer. Não, não é confortável usar máscara. Não, eu não gosto de ficar isolada e sem abraços. Mas sim, essa é a minha escolha, porque é isso que nos protege atualmente.

Não é a primeira vez que eu penso e comparo as ações necessárias dessa pandemia com as ações necessárias para controlar o meu diabetes. Acredito mesmo que o 'racional' por trás das decisões é igualzinho.

E, falando em pandemia, pouco mais de 100 anos atrás o mundo passava por uma outra: a denominada gripe espanhola. Com menos informações, menos acesso, menos recursos. Nesta mesma época, o jejum quase absoluto era a única alternativa aplicável para tentar prorrogar por alguns meses a vida de pacientes de diabetes.
Dois desafios, dois dilemas, duas situações de extrema gravidade em relação à saúde. 
Naquela época, os resultados eram esses: "Até a gripe espanhola tinha um prognóstico mais otimista do que o diabetes juvenil. Enquanto a taxa de mortalidade pela gripe era de 2% a 20%, a taxa de mortalidade pelo diabetes era próxima a 100%" (*fonte: Livro 'Breakthrough - Elizabeth Hughes, the discovery of Insulin and the Making of a Medical Miracle').

Há 1 século, cerca de 3 anos depois desses episódios tão graves na história da saúde, foi descoberta a insulina.

Hoje podemos, em segundos, saber qual é a nossa glicemia e temos conhecimento para aplicar doses de insulina específicas para uma refeição.
Hoje podemos, caso não seja possível ficar em casa, sair usando máscaras e, assim, nos proteger e proteger aos que estão nas ruas porque precisam. 

O diabetes não é contagioso, não coloca em risco que está por perto e, se por acaso eu decidir não tomar uma dose de insulina, eu não prejudico ninguém.
Quando você escolhe não usar uma máscara e/ou se expor por aí sem qualquer necessidade, você está imediatamente se colocando como fator de contaminação por qualquer lugar que passe.

A vacina produzida no Brasil recém anunciada como eficaz, além de dar um orgulho danado, traz uma grande esperança.
Só vale lembrar que vacina contra gente egoísta e ignorante ainda não existe...

Tenha respeito com o próximo.
Seja responsvável!

Vai passar, mas ainda não passou.

(imagem: pngtree.com)
{imagem: pngtree.com}



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crônicas do Isolamento -- E daí?

Crônicas do Isolamento -- 136: alô!

Crônicas do Isolamento -- Entre dias reinventados...