Nostalgia pré-diabetes... Será?

Às vezes eu queria voltar àquele tempo em que não tinha celular. Ou um tempo mais antigo ainda, em que o telefone era o da vizinha, para recados ou notícias rápidas.
Desconectar para conectar. Clichê, né? No mundo do avesso e disparado, de atropelo das horas e dos dias em que a gente está, isso parece tão confortável...

E aí me pego pensando também se queria voltar ao tempo em que eu não tinha diabetes. Nem precisava medir glicemias, aplicar insulina, contar carboidratos.
Contava as respostas naquele caderno de perguntas da escola. Contava as histórias que faziam o coração disparar com a paixonite adolescente... Contava, bem antes, os papéis de carta.

Hoje conto a quantidade de insulina que ainda tem, os dias restantes do sensor aplicado no braço, as agulhas que ainda têm na caixa... Conto as contas! Tem boleto disso, boleto daquilo...
Mas, quer saber, conto amigos e viagens e abraços e realizações. Conto as novas amizades que vieram com a doçura. Conto as oportunidades que vieram também. E mesmo as que virão!!

Conto os momentos com a minha família, com o meu amor.
Conto meus carnavais. Meus mergulhos no mar (hoje tão em falta...). Meus livros que me levam para tantas realidades distintas.
Conto tanto vivido aqui!  E tão bem vivido. Até pela dor, pela tristeza que vem, é assim.
Conto muitos sorrisos, gargalhadas.
Conto o coração disparado...

E isso, pensando bem, nem o diabetes me tirou.
As mãos dadas que eu ganhei compensam cada susto com as hipos da madrugada. A dedicação dos amigos querendo aprender para cuidar. O apoio incondicional de mãe, tias, afilhado, paidrasto.
Daquelas amizades hoje já na caixinha de família também.
O cuidado absoluto do meu Trevo.
Tanto amor, tanta generosidade, tanta parceria.

Dezembro acaba trazendo um balanço do ano, das coisas, da vida.
Eu gosto desse movimento de pensar e repensar. Avaliar, planejar (ou não!). Sorrir, refletir e agradecer!
Altos e baixos. Nostalgia misturada com gratidão. Esquisito? Para mim, simplicidade pura.
Que assim seja. A cada dia, em equilíbrio, todos os dias.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

..."bobeira é não viver a realidade"...

Férias em 'modo peixinha'...

O lixo do cuidado...