Tudo novo de novo...

Volte três casas Jogue o dado novamente Você perdeu uma rodada
Parece jogo de tabuleiro, mas é diabetes mesmo.

A gente define tratamento, aí muda insulina, aí muda dosagem, aí estabiliza tudo, aí a glicemia cai, aí a doçura sobe à beça, aí a insulina parece água, aí, aí, aí...
São muitos fatores todo dia e isso está longe de ser um problema.
A questão é que tudo influencia. E a gente tem que aprender, caminhando com a rotina.




Como minhas glicemias andaram variando bastante - teste com a bomba, mudança na dose da Tresiba, relaxei com horários de algumas refeições - em um intervalo de apenas 1 mês foi preciso refazer os meus exames.

Minha Super Endócrino queria analisar bem direitinho a quantas essa vida doce estava indo.

Pois bem, assim foi feito.

E com os resultados na mão, nova consulta e novos ajustes.

Muda basal, muda bôlus e forma de correção, muda parâmetro de aplicação, muda caneta... muda, muda, muda.

Tudo se adequa!






Lá vamos nós!!

Nos exames, o resultado da glicada acabou sendo melhor do que o anterior, feito um mês atrás: de 7,5% para 6,8%. Mas isso não significa que o resultado seja tão positivo.
Segundo explicado pela minha Super, a glicada é o resultado da glicemia média dos últimos 3 meses  sendo 50% do valor da glicemia correspondente ao último mês, 25 % do penúltimo e 25% do antepenúltimo. O que aconteceu é que eu tive muitos hipoglicemias neste período e foi por isso que a minha hemoglobina glicada baixou.

Em relação às glicemias pós-prandiais (2 horas após as refeições), estou fora da meta e estes resultados também precisam melhorar.
Outro ponto são as glicos registradas antes das refeições principais. Em relação a isso, vamos aumentar em uma unidade a dose da basal.

Sobre a contagem de carboidratos, o chute eventualmente acontece. Então, me comprometi a ser mais criteriosa e fazer a contagem de forma mais certinha. Não adianta seguir estimando e ficar nesse processo de 'achismo', né...

A correção da glicemia e dos carboidratos das refeições também vai sofrer algumas alterações. Há algum tempo eu venho observando que com somente uma unidade de insulina de ação rápida a mais minha glicemia pode despencar!
O que resolvemos agora foi testar a caneta que é, usualmente, recomendada para crianças: Novopen Echo. O diferencial dela é que permite doses de meia unidade, e não somente uma unidade inteira:
Essa caneta não é descartável e a partir de agora passo a usar a NovoRapid em refil:
A Echo tem outro detalhe bacana... ela tem um marcador de doses, que mostra sempre a quantidade de insulina da sua última aplicação:
Para isso, a caneta vem com uma bateria embutida, com duração de 4 a 5 anos. Essa bateria não pode ser trocada, mas quando acabar em nada inviabiliza o uso da caneta. 

[Aliás, vale uma observação: na caixa, a validade apontada é de dois anos, o que acaba indo contra a informação sobre a duração da bateria. Liguei para a NovoNordisk para entender e o que foi explicado é que a data que consta na embalagem é a data limite para venda do produto; a validade da bateria, por sua vez, começa a contar a partir do início do uso da caneta.]

Voltando à consulta e aos ajustes, levei um baita puxão de orelha de novo por causa da lipohipertrofia na pancinha!! 
Além da questão estética - sim, me incomoda - corro o risco de ter uma menor absorção de insulina por causa dessa gordurinha acumulada nos locais de aplicação. Para completar, a absorção quando aplico na perna tem tido um efeito praticamente nulo. Menos uma opção para o rodízio...

Mais uma questão que chamou a atenção da Monique é sobre meus horários de jantar. Como tenho comido bem tarde, não sobra espaço para a ceia. E aí, acabo indo dormir deixando um intervalo maior até o café da manhã e, muitas vezes, com uma dose de insulina de correção agindo no organismo. Esta é uma das razões para os episódios de hipoglicemia que vinham acontecendo na madrugada. Acertando o reloginho e fazendo o balanço das horas para que fique tudo organizando de novo!

Diabetes é assim.
Organiza, tumultua, desajusta, ajusta de novo e a vida segue.
Por isso a importância da gente entender cada passo do tratamento e prestar atenção às respostas do nosso organismo, nos dias da vida doce.

Tudo novo de novo!

"Vamos nos jogar onde já caímos
Tudo novo de novo
Vamos mergulhar do alto onde subimos"

E isso está longe de ser um problema...

"Vamos celebrar
Nossa própria maneira de ser
Essa luz que acabou de nascer
Quando aquela de trás apagou"

Tudo novo de novo.


Comentários

  1. Ainda tenho muitas dúvidas quanto ao uso da caneta,mais em breve estarei mudando pra ela,e vamos ver no que dá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa sorte, Paulo! Vai dar tudo certo. Eu acho a caneta mais fácil do que a seringa... ;)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MiniMed 640G: Cena 7 - A decisão de parar...

Febre amarela: a gente - doce - pode se vacinar?

MiniMed 640G: Cena 1 - Bombando!