Aqui no IP estão expostos os meus medos, as minhas descobertas, as conquistas, os avanços nas buscas pela cura do diabetes pelo mundo, os passinhos para um melhor controle da glicemia.

O que começou como um espaço de aprendizado e de dividir a minha convivência com o DM1, se transformou em estímulo para um melhor controle da minha doçura e para seguir mostrando que se funciona para mim, pode funcionar também para tantas outras pessoas que tem o diabetes como companheiro.

06 agosto, 2013

"... bota aqui o seu pezinho... "

Uma das maiores atenções de quem tem diabetes, além da alimentação, é com os pés (se não é, deveria...).

Quem tem diabetes pode ter maior dificuldade de cicatrização e de circulação. 
Assim, quando a taxa de glicose permanece alta ou sem controle por um longo tempo, um cortezinho no pé pode ser a porta de entrada para infecções e úlceras... Da mesma forma, a dificuldade de circulação de sangue para os membros inferiores pode causar uma trombose. 

De acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), estas são as maiores complicações causadas pela falta de controle do diabetes. 

Mais: segundo o Ministério da Saúde, esta falta de controle leva a 70% das cirurgias para amputações de membros...

É um dado triste, mas que é real (se jogar no Google uma busca por 'pé diabético', as imagens que aparecem chocam! Não tive coragem de reproduzir aqui, mas para quem não se cuida e acha que os problemas não acontecem, pode ser uma medida extrema para fazer repensar as escolhas...). 

O que fazer para evitar? 
Se cuidar. Todo dia, toda hora! 

O tratamento [medicação + alimentação + exercícios + acompanhamento de médicos especialistas] deve ser prioridade.



1) Fique atento aos sintomas: formigamentos, perda de sensibilidade local, dores, queimação nos pés e pernas, sensação de agulhadas, dormência, fraqueza nas pernas.

2) Sintomas como problemas de diminuição de circulação arterial e de sensibilidade nas pés e nas pernas são mais frequentes com o diabetes mal controlado.

3) A prevenção é a maneira mais eficaz de evitar complicações; exame visual dos pés diariamente é fundamental.

4) Pacientes com diabetes, tipo 1 ou 2, devem passar regularmente por uma avaliação dos pés.

5) O exame dos pés pelos próprios pacientes deve ser feito em lugar iluminado. Deve ser verificada a existência de frieiras, cortes, calos, rachaduras, feridas ou alterações de cor.

6) É preciso manter os pés sempre limpos e preferir água morna, para evitar queimaduras. A pele deve estar hidratada, mas deve-se evitar passar creme entre os dedos e ao redor das unhas.

7) Recomenda-se o uso de meias de algodão ou lã - sintéticos devem ser evitados - e sem costura.

8) Antes de cortas as unhas, o paciente precisa lavá-las e secá-las bem. Para cortar, usar alicate ou tesoura de ponta arredondada. Não se deve tirar cutícula e o corte deve ser quadrado com as pontas levemente arredondadas.

9) Mesmo em piscinas e na praia, o ideal é que os pés estejam sempre protegidos.

10) Os calçados considerados ideais são fechados, macios, confortáveis e com solados rígidos. Recomenda-se evitar sapatos de ponta fina e saltos muito altos.


É claro que eu gosto dos meus saltos e uso de vez em quando. 
Mas o cuidado com meus pezinhos é frequente.

Não faço as unhas do pé em salões convencionais, dei preferência a um especializado em tratamentos para os pés... e mesmo assim, aconteceu uma única vez de ter um corte mínimo (e a profissional sabe que tenho DM). Não acarretou em nada, ela me pediu desculpas e sei que isso pode acontecer. 
Mas isto só reforça a teoria de que todo cuidado é pouco.


Nenhum comentário:

Postar um comentário