Aqui no IP estão expostos os meus medos, as minhas descobertas, as conquistas, os avanços nas buscas pela cura do diabetes pelo mundo, os passinhos para um melhor controle da glicemia.

O que começou como um espaço de aprendizado e de dividir a minha convivência com o DM1, se transformou em estímulo para um melhor controle da minha doçura e para seguir mostrando que se funciona para mim, pode funcionar também para tantas outras pessoas que tem o diabetes como companheiro.

25 junho, 2013

(R)evolução das células...

Uma palestra feita pelo Dr. Carlos Eduardo Barra Couri, em Março deste ano, mostra como está o estudo e a aplicação de células tronco no tratamento de Diabetes tipo 2.

Uma parte da palestra é bem técnica, mas ainda assim é legal assistir e conhecer os resultados vistos até aqui.

O ponto focal é que as células tronco auxiliam as células beta do pâncreas a voltar a produzir insulina.

Dos 10 pacientes que participaram de um dos estudos, 8 tiveram as doses de insulina reduzidas e 2 tiveram as doses suspensas!


Estes gráficos mostram a evolução dos 2 pacientes: no paciente 1, em 7 dias o uso da insulina deixou de ser necessário; no 2, após 45 dias de acompanhamento a insulina também pôde ser suspensa.

Em uma outra pesquisa, foram analisados 118 pacientes, divididos em 2 grupos submetidos a diferentes tratamentos: no primeiro, somente com insulina; no segundo, insulina e células tronco.

Apenas 16% dos pacientes não tiveram alteração nas dosagens de medicamentos:


 Os demais tiveram redução ou a suspensão do uso.

Atualmente está em avaliação a necessidade de novas infusões de células tronco alguns anos após a primeira.

Um ponto importante que o Dr. Carlos Eduardo coloca desde o início é que quando se pensa em células tronco, logo se considera que ela seja embrionária. Mas como já foi até falado por aqui, para o tratamento de diabetes tem-se utilizado a célula tronco Pluripotente Induzida, que é produzida através de células adultas.

Outra coisa que ele faz questão de lembrar é que este é um tratamento terapêutico, mas que de forma alguma substitui os bons hábitos. Então, nada de deixar a responsabilidade de lado: alimentação saudável e exercícios físicos regulares devem continuar como prioridade!

24 junho, 2013

Alerta!!!!

Assunto super sério e de maior relevância: 

Várias reclamações tem sido registradas em Minas Gerais acerca do glicosímetro da marca CEPA GC.

Recebi o link de um post no Facebook sobre a declaração de uma pessoa que recebeu tal glicosímetro e desde então passou a registrar glicemias altíssimas, que quando comparadas com o medidor anteriormente usado, da marca Accu-Chek, mostrava discrepâncias enormes.

Como sempre faço antes de escrever sobre qualquer assunto, pesquiso, leio, procuro...

E dessa vez não foi diferente. 
Só com uma rápida busca no Google foi possível encontrar diversos relatos que de forma geral tinham a mesma reclamação.

Abaixo, matéria do Estado de Minas que foi publicado no Blog Universo Belo Horizonte (o destaque em negrito é meu): 

Uma falha no aparelho que mede a glicemia da marca Cepa GC está pondo em risco a vida dos diabéticos em Minas. A leitura do glicosímetro não é homogênea como nos equipamentos de outras marcas e os resultados são bem mais elevados, o que leva o paciente a injetar mais insulina no sangue e há risco de coma hipoglicêmico. “Pode haver queda da glicemia abruptamente, porque é injetada uma quantidade excessiva de insulina”, alerta o vice-presidente da Sociedade Brasileira de Diabéticos, o médico Levimar Rocha Araújo.
A entidade recebeu 15 reclamações esta semana no estado e houve outras na Faculdade de Ciências Médicas, em BH, onde Araújo é professor, e nas redes sociais. “Tivemos reclamações de médicos de Juiz de Fora, de pacientes de Campo Belo e de outras regiões. Médicos da capital detectaram também o problema no aparelho”, afirmou. “Pais de crianças diabéticas mandam e-mails e cartas e estou encaminhando tudo para a Secretaria de Estado de Saúde e outros órgãos competentes, mas não tivemos resposta”, reclama. Em Minas, a estimativa é de que haja 1,3 milhão de diabéticos com mais de 20 anos, cerca de 10% da população adulta, segundo o governo.
Três associações de diabéticos receberam denúncias também contra o Cepa: a Associação dos Diabéticos de BH, a de Diabéticos Infantis, também na capital, e a Associação dos Diabéticos de Campo Belo. “Uma mãe mediu a glicose do filho de 2 anos com o Cepa GC e deu quase 300. Ela tinha um aparelho antigo, foi conferir e deu 40. Se ela tivesse aplicado insulina, o menino poderia ter entrado em coma”, alertou a presidente e fundadora da Associação de Diabéticos Infantis, Cidinha Campos.
A Secretaria de Saúde de Campo Belo informou ter recebido várias reclamações do Cepa GC e que tem controlado o problema. O farmacêutico responsável testa os equipamentos levados pelas pessoas e os substitui quando necessário.
Os aparelhos Cepa GC foram importados pela Secretaria de Estado de Saúde e distribuídos gratuitamente à população desde outubro do ano passado. Por mês, as pessoas recebem 100 fitas usadas na medição. Segundo Levimar Araújo, a licitação para compra dos equipamentos é anual e o modelo anterior,  Accu-Chek Performa, foi substituído. “O estado compra os aparelhos e as fitinhas com valores mais baixos. O Cepa é de origem chinesa e ninguém o conhecia”, disse. O Accu-Chek Performa é mais eficiente, segundo ele, mas custa mais.
PRECAUÇÃO APÓS ERRO


A relações-públicas Carol Freitas, de 34, que é diabética, deixou de usar o Cepa depois de medir a glicose que chegou a 500. “No aparelho antigo deu 130”, disse Carol, que passou a comprar por conta própria um pacote com 50 fitas do aparelho antigo por R$ 100. “Só que a gente gasta 150 fitas por mês”, protesta Carol, que já recebeu 250 reclamações do Cepa em seu blog, Doces contos de uma vida doce. “Enquanto no aparelho antigo a minha glicose dava 130, nesse dá 400, 500”, reclama.

A presidente da Associação dos Diabéticos de BH, Irma Pires de Oliveira, disse ter informações de que a fábrica do Cepa GC foi fechada e a fita não é encontrada para comprar no Brasil: “Foi uma firma que importou exclusivamente para o estado”. O presidente da Associação dos Diabéticos de Campo Belo, Rodrigo Dias, toma insulina todos os dias. “Quase entrei em coma por causa do resultado alterado do Cepa. O aparelho fez uma leitura para mais e tomei a insulina regular para diminuir a glicose, mas só que diminuiu duas vezes mais. Eu estava passando mal e minha mulher me socorreu aplicando uma glicose de ação rápida”, informou Rodrigo, explicando que a insulina baixa a glicose e que a aplicação aumenta a taxa de açúcar no sangue.
FARMACÊUTICO
A Secretaria de Estado de Saúde (SES) admitu que o aparelho pode apresentar problemas de configuração e informou que cabe ao farmacêutico constatar se  ele está com defeito. “Quando ocorre problema com o aparelho, há um fluxo definido com as unidades para substituição. Mediante as informações apresentadas, pode-se verificar que é necessário encaminhar os pacientes que tenham dúvidas sobre a utilização dos aparelhos aos farmacêuticos municipais, para as devidas orientações e medidas cabíveis”, informou.
A SES disse ainda que adquire e distribui os glicosímetros e tiras reagentes de glicemia atendendo aos critérios de licitações públicas. “A distribuição da marca Cepa começou em outubro de 2012, após processo licitatório. Como o objetivo de orientar os profissionais de saúde no momento da entrega dos novos aparelhos aos pacientes, esta superintendência elaborou informe a todos os municípios. O objetivo é divulgar e uniformizar orientações sobre o uso correto dos novos aparelhos, uma vez que se identificou que o uso inadequado e a falta de configuração foram as principais causas das diferenças de medida”, diz a nota.
Também por meio de nota, a Secretaria de Saúde de BH (SMSA) informou que distribui glicosímetros da marcha Roché. Já o Cepa GC é entregue desde a segunda quinzena de fevereiro e que já registrou 50 reclamações de pacientes sobre divergências na medição. “Nesta semana, a SMSA recebeu da SES a solução padrão que permite a testagem do glicosímetro. Todas as pessoas que encaminharam reclamações serão chamadas para testagem de seus glicosímetros. Caso sejam identificados problemas será solicitada a troca pela SMSA”, diz a nota.
O caso está sendo investigado pela Sociedade Brasileira de Diabetes.

Enquanto isso, olho vivo e muito cuidado!!


21 junho, 2013

Pra ser cotidiano!


Terça-feira, 18/06/13: 
Despertador: 05:15h
Chegada ao aeroporto SDU no Rio: 06h

Check-in já feito, fui tomar café da manhã. A única opção era a lanchonetes Pátio, da 3 Corações (assim eu pensava, já que a loja é toda 'decorada' com esta marca). Como sempre faço, perguntei se eles tinham o capuccino diet e a resposta foi "não". Nadinha diet, só refrigerante.
Fiz meu pedido, comi, tomei meu café expresso (única opção que não vinha adoçada) e embarquei.

Terça-feira, 18/06/13: 
Conexão em Confins/BH para Porto Velho com atraso de 3h. 

Por volta de meio-dia fui até a Casa do Pão de Queijo, que é a única lanchonete que tem na sala de embarque, pedi um sanduíche e uma coca-cola zero (nada de mate por aqui...).
- "Senhora, não temos coca zero."
- Que outro refrigerante diet vocês tem?
- "Senhora, não temos nenhum refrigerante diet.
- Então vocês não tem nenhuma bebida sem açúcar, a não ser café? 
- "Nós temos suco de laranja natural".

E aí?? 
Nem sempre o suco é recomendado para quem tem diabetes... fora o fato de que eu nem gosto de suco de laranja!
Desisti, desembarquei para procurar outra opção de lugar para almoçar / lanchar e depois embarquei novamente, correndo, em cima da hora do voo.

Enviei e-mail para as duas empresas...

A 3 Corações me retornou por telefone perguntando se a reclamação era pela falta do produto em algum mercado específico. Expliquei novamente que era pelo fato de não entender porque em uma loja deles não estavam disponíveis todos os produtos e então fui informada que a loja não é deles, apenas vende o produto, mas mesmo assim usa a marca.

A Casa do Pão de Queijo me pediu informações sobre o local e o horário do 'ocorrido'. Até então não obtive retorno.

Sexta-feira, 21/06/13: 
Despertador: 05:25h
Chegada ao aeroporto de Porto Velho: 06:10h

Embarquei no horário, pousei em Cuiabá e enquanto esperava o voo de conexão fui tomar um cafézinho, já descrente de que teriam outras opções...
Quebrei a cara, ainda bem!! 

- Oi, vocês tem capuccino sem açúcar?
- "Sim".
(!)
Sem dar crédito ao atendente, complementei:
- Mas é o pózinho pronto ou vocês fazem aqui?
- "Fazemos aqui". 
- Mas e o chocolate, não tem açúcar?
- "Não tem não, senhora... a gente faz tudo sem açúcar porque tem gente que não pode".

Armei um baita sorriso e agradeci, feliz com esta mudança de consciência.
Que assim seja!!

17 junho, 2013

'Uni-duni-tê'...

A GNT estreou em Maio um reality show onde 8 mulheres buscam a melhorar a qualidade de vida, tentando encaixar melhores hábitos nas tarefas e compromissos diários (o programa - Minha Vida Meu Ritmo - passa aos domingos, às 18h).

Pelo site é possível assistir aos episódios anteriores e acompanhar a rotina e a evolução de cada caso. Mas  quem está do lado de cá da tela também pode fazer teste e avaliar a quantas anda seu próprio ritmo... 

As questão - dividas em saúde e alimentação; esportes e exercícios; e bem estar - são simples e conhecidas e o resultado não é diferente... sabemos o que deve ser feito.



No fundo, o teste funciona para nos fazer lembrar dos bons hábitos e de algumas pequenas ações que contribuem para uma vida equilibrada.

'Bora repensar as nossas escolhas! 


14 junho, 2013

Repaginado!

Tenho recebido elogios e críticas do blog e todos são igualmente bem vindos e me fazem pensar.
Na verdade, repensar no que me trouxe até aqui, no que me fez começar este blog.

Hoje mais do que nunca tenho vontade de ler, de buscar informação. Vejo uma foto que me dá uma ideia, faço alguma coisa que me traz um questionamento... e isso tudo vira assunto, que vira post. 
Anoto no celular, na notinha do mercado que ficou na bolsa, no caderno do trabalho...

Tem duas coisas principais que me motivam: uma é ver o quanto de coisa tem por aí e que DEVE ser divulgada, dividida, difundida. As pessoas tem que saber que a alternativa existe, que a pesquisa está andando, que o estudo está avançado, que a esperança aumenta e que já se ouve até falar em cura!; a outra é a certeza de que se é possível para ‘esta Juliana’, é possível para qualquer outra Juliana, ou para a Maria, ou para o João, ou para todos os outros que foram sorteados para lidar com esta condição.

Eu sigo em frente assim!

Pois bem... meu IP está de cara nova! 
(Enjoei do layout antigo, estava achando muito parado)

Queria deixar com um ar mais dinâmico, mais convidativo.

Agora, o post mais atual aparece em destaque como uma manchete e os anteriores em pequenos quadros logo embaixo.
Clicando no post de interesse, a janela abre com o texto na íntegra. 

Todos os espaços de informações adicionais - os links, os livros, a inscrição para o delivery de postagens - também continuam por aqui e estão nesta barrinha preta que aparece aí à direita:


Alguns ajustes ainda precisam ser feitos, mas já simpatizei com o resultado...

Sejam bem vindos novamente.
Entrem e fiquem à vontade!

13 junho, 2013

Preparar, apontar...

Para colocar o corpo em movimento sem risco e nem preocupação, vale seguir o esquema que a One Touch Diabetes Brasil divulgou hoje.

É bem didático e de fácil compreensão:



Vale imprimir e colar na porta do armário, prender na geladeira, colocar dentro do case do glicosímetro...

O importante é não esquecer de consultar para que o exercício não perca a função de fazer bem para se transformar num causador de problemas.

De olho na pontinha do dedo antes de qualquer ação!

12 junho, 2013

"Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião"...

Semana na metade e os números estão melhores! 
Ufa!!


Que sensação ruim essa de fazer tudo direitinho e ver que mesmo assim as glicemias estavam mais altas... 

A cada medida uma expectativa por um bom resultado que poderia ser totalmente frustrante.

Cansaço e preguiça injustificáveis, sensação de alguém me puxando para não levantar da cama... Cheguei a pensar que a insulina poderia não estar fazendo o efeito que deveria.
E aí, nas possíveis consequências disso (bate um - pequeno - pânico).

Mais uns dias por vir e ao que tudo indica, as coisas estão voltando ao normal. 
A filosofia agora é totalmente focada no "aguarde e confie"!

Vida que segue.... Sem sustos, por favor!


09 junho, 2013

Pra definir prioridades...

Desde que eu voltei da viagem minhas glicemias andam bem esquisitas.... Isso acabou me deixando um pouco preocupada, principalmente porque durante as férias estavam bem estáveis e por aqui os hábitos alimentares estão dentro do normal.

Conversei com a minha Super e acertamos que eu ia monitorar durante esta semana que passou.
Antes do prazo combinado, voltei a falar com ela, porque ainda não estava tudo dentro do aceitável. 
Ajustamos a dosagem da insulina de ação rápida. 
Houve uma melhora, as glicemias baixaram, mas ainda assim durante o dia algumas flutuações estranhas continuavam acontecendo.

E junto com isso, a dúvida 'martelando' na minha cabeça... tinha viagens de trabalho previstas para as próximas duas semanas (segunda a sexta em uma, terça a sexta na outra).
Faz parte do processo e das minhas funções no projeto. Sempre soube que o ritmo de viagens seria frequente, mas desta vez foi complicadinho equilibrar o racional e o passional.

Sou emoção sempre, mas quando o assunto é sério e a consequência pode ser mais séria ainda, minha razão assume sem deixar espaço!

Reuniões importantes vão acontecer, decisões vão ser tomadas... mas tive que tomar a minha por aqui e a escolha foi não viajar as duas semanas... fico por aqui na primeira, para que as glicemias se estabilizem.
Fácil não foi. Por pouco não fica uma brechinha para a sensação de culpa (complicado isso, viu!).

Mas não me arrependo... que seja clichê: minha saúde em primeiro lugar!

07 junho, 2013

"Transformar o tédio em melodia"!

(Mahatma Gandhi)

Em português, "seja a mudança que você gostaria de ver no mundo".

Ontem, num papo bem bacana com uma amiga, realizei o quanto isso faz sentido!

Está nas ações de todos dia (jogar o lixo no lixo, ser educado e receber o mesmo tratamento de volta...), nas leis de Newton ("para toda ação há uma reação oposta e de igual intensidade") e reflete principalmente no nosso comportamento. Ou melhor, no efeito que ele gera...


Quer que as coisas mudem? Quer que sejam diferente? Quer manter igual?
Seja o que for, mostre, dê o exemplo. 
Comece por você!

Isso funciona de verdade.

Como eu posso fazer alguém acreditar que é totalmente viável ter uma vida normal (con)vivendo com o diabetes?
Me cuidando. 
Porque se EU não me cuidar, de nada vai adiantar o apoio, a atenção e o carinho de todos os meus amigos e da minha família comigo e com a minha condição 'doce'.

Minha 'vitrine' são os resultados alcançados: o bom controle, o tratamento em dia e todas as possibilidades que isso me traz.
E são dessas possibilidades que eu não estou nem um pouquinho disposta a abrir mão!

A filosofia atual?
"Todo amor que houver nessa vida
E algum remédio que me dê alegria"!


06 junho, 2013

Números em xeque...

Eu estou condicionada e sempre fico atenta às quantidades de carboidratos, fibras e calorias.

Mesmo assim, as vezes o efeito de um alimento não é o que eu esperava! 

Esta semana aconteceu isso com um biscoito de fibras da Gullon. 




Ele é sem açúcar, não tem uma quantidade alta de carboidratos, valor energético razoável... mas interfere e muito na glicemia! 
Não imaginei!
Confesso que houve uma decepção, afinal é um biscoito com base de grãos, tem bastante fibra...




Esse episódio me chamou atenção novamente para a questão do índice glicêmico.

Já que é um importante fator para manter o bom controle glicêmico, por que não constar nas embalagens dos alimentos, junto com as demais informações na rotulagem nutricional?

Na Resolução da ANVISA RDC 360, de 23 de dezembro de 2003, que determina os critérios para rotulagem dos alimentos no Brasil, está definida a obrigatoriedade do que deve constar nas embalagens (carboidratos, proteínas, gorduras totais, gorduras saturadas, gorduras trans, fibra alimentar e sódio) e entre as justificativas deste procedimento, destaco duas que me parecem essenciais:

 1 - "considerando que a rotulagem nutricional facilita ao consumidor conhecer as propriedades nutricionais dos alimentos, contribuindo para um consumo adequado dos mesmos"

2 - "considerando que a informação que se declara na rotulagem nutricional complementa as estratégias e políticas de saúde dos países em benefício da saúde do consumidor".

E onde está escrito 'consumidor', neste segundo trecho, leia-se 'cidadão'.
Essa é uma política de bem estar para a população, antes de qualquer outra coisa...

Continuando, a Resolução diz que a "Declaração de propriedades nutricionais (informação nutricional complementar) é qualquer representação que afirme, sugira ou implique que um produto possui propriedades nutricionais particulares, especialmente, mas não
somente, em relação ao seu valor energético e conteúdo de proteínas, gorduras, carboidratos e fibra alimentar, assim como ao seu conteúdo de vitaminas e minerais."

Mais:
"A quantidade de qualquer outro nutriente que se considere importante para manter um bom estado
nutricional, segundo exijam os Regulamentos Técnicos específicos."

(grifos meus)

Pois bem... abusada como sou e baseada em tudo o que li (e reproduzi aqui) - principalmente nos pontos grifados - e no que aprendo a cada dia, não me segurei e mandei uma mensagem para a ANVISA sugerindo que o índice glicêmico faça parte do quadro de informações nutricionais nas embalagens dos alimentos.

De acordo com a confirmação do envio, a previsão é de um retorno em até 15 dias úteis.

Enquanto isso, importante lembrar dos valores diários de referência de cada um dos principais nutrientes, conforme estabelecido na Resolução 360:

Valor energético: 2000 kcal / 8400kJ
Carboidratos: 300 gramas
Proteínas: 75 gramas
Gorduras totais: 55 gramas
Gorduras saturadas: 22 gramas
Fibra alimentar: 25 gramas
Sódio: 2400 miligramas

05 junho, 2013

Super poderes! Super(ação)!!

Mesmos sintomas, mesmos cuidados necessários (controle, qualidade...), outros aspectos!

Segundo o endocrinologista Dr. Alfredo Halpern, o controle do diabetes é mais fácil para homens do que para mulheres. Isso se deve principalmente à flutuação hormonal que acontece com a mulher durante o mês. 
Com isso, é maior o risco de lesões nos rins, nos olhos e nos pés. 

E mais: durante a TPM, a tendência é que o organismo da mulher se torne mais resistente à insulina. Cá entre nós, já não é fácil controlar a vontade aguçada de comer neste período - e no meu caso, não é especificamente vontade de doces... fico gulosinha mesmo!

Mas, vamos em frente. Ioga pra quem é de ioga, bike pra quem prefere os pedais, corrida, um bom filme ou qualquer outra atividade que ajude a manter o equilíbrio, o foco, a paciência, a calma...

Se ainda assim não der, a alternativa é revelar a identidade de Mulher-Maravilha e redobrar os cuidados!!



04 junho, 2013

Para se conectar!

No embalo das redes sociais, uma específica para pessoas com diabetes.


Como diz o nome, a Diabetic Connect tem como propósito colocar em contato pessoas que tem esta mesma condição de saúde para que dividam suas experiências, seus acertos e seus erros, tirem dúvidas, compartilhem o avanço dos seus tratamentos.

Fiz o cadastro no domingo passado.

Tal como numa rede social 'padrão', é criado um perfil com as informações gerais (nome, idade, foto ...) e informações de interesse dentro do tema diabetes.


Logo recebi uma mensagem de boas vindas e ganhei 7 seguidores: os moderadores / coordenadores da rede.

Ontem tive a primeira solicitação de amizade.

Enfim, ainda estou um pouco quieta por lá, já que não conheço ninguém. Mas o mais interessante é que mesmo assim tenho à disposição o acesso a várias discussões sobre questões comuns de quem convive com o DM. 
Depois de criada a conta, você navega por diferentes assuntos, dos mais simples aos mais complexos.

Além disso, tem uma ferramenta que calcula a média (diária, semanal ou mensal) das glicemias e hemoglobina glicada medidas, conforme os dados lançados.

Para completar, eles tem uma planilha para gerenciamento das variações de glicemia e um livro de receitas de baixo carboidratos, ambos para download.

Outra coisa bem legal é que você não precisa ter diabetes para fazer parte da rede. Entre as opções de cadastro (ter diabetes / conhecer alguém que tenha / ser profissional da área) há uma interessante: apenas curioso.
Gostei disso! 
Não deixa de ser uma maneira de difundir a informação e trazer esclarecimento.


03 junho, 2013

Tecnologia a serviço da saúde...

Estou cadastrada em alguns sites de assuntos especializados em diabetes (listados bem aqui do ladinho na sessão 'Explore') e recebo frequentemente matérias diversas e indicação do que há de novo nesse mundo.

Percebi, de um tempo para cá, que vários aplicativos para celulares do tipo smartphone e/ou tablets tem sido criados visando facilitar a vida de pacientes que querem ter um melhor controle do seu DM.

Já baixei alguns (sistema Apple, mas tem para Android também) e cada um tem suas particularidades:

Diabetes App - gratuito, é todo em inglês; você consegue cadastrar os dados das glicemias indicando em que período do dia foram medidas (em jejum, antes ou depois das refeições principais ou lanches, durante atividades físicas, etc), registrar as dosagens e os períodos das aplicações de insulina, os exercícios feitos, seu peso corporal e a quantidade de carboidratos consumida. Mostra uma visão geral dos principais registros em um calendário, mas não emite relatórios específicos.

GlicoCare - Da mesma forma, é permitido registrar glicemias mas sem a relação com a refeição, tendo apenas a indicação do horário e se foi medida em jejum. Com esses dados pode ser gerado um gráfico, que é bom para se ter uma visão geral da variação entre as medições. O registro das refeições é manual e você é que descreve os alimentos e a quantidade total de carboidratos que somam. Sobre a atividade física também, você coloca o exercício feito e por quanto tempo. Os medicamentos utilizados podem ser colocados com a indicação do horário da aplicação. 
Como diferencial, tem uma ferramenta de anotações e outra de lembrete, para um alerta qualquer que você queira colocar. 
Também é gratuito.

GliControl - para baixar o aplicativo é de graça, mas os únicos módulos que funcionam nesta opção são os de registro das glicemias (valor medido e hora do registro, a refeição feita com a indicação da quantidade de carboidratos e a dosagem de insulina) e a descrição do plano alimentar. Os módulos de Análise, Calculadora de Carboidratos, Assistente de Medicamentos e envio de relatórios de dados por email são pagos.

O GlicOnline, que eu cheguei a usar e já tinha até falado sobre aqui no IP, esteve fora do ar por um período para manutenção e voltou com algumas atualizações, mas por enquanto só para o sistema Android (enviei um email perguntando sobre a disponibilização para o sistema Apple e por enquanto não há previsão).

Nesse meio tempo, descobri um sistema da Accu-Chek - Accu-Chek Smart Pix - que não é online, mas parece ser bem útil e funcional. 

Numa busca pela internet vi que o preço varia entre R$180,00 e R$250,00.

 
Não usei e portanto não posso falar com total propriedade, mas pelo que vi nas especificações do fabricante funciona de maneira bem simples: basta conectar a um computador pela entrada USB e posicionar o glicosímetro na frente do leitor de infra-vermelho. A partir daí, os dados registrados são transferidos e o gerenciamento é feito pelo sistema, com gráficos e comparativos.

Algumas boas opções, mas para o controle das glicemias e dos meus esquemas de insulina, pelo menos, vou continuar com a minha boa e velha planilha!

02 junho, 2013

Pra ser dos deuses.

Novidades na geladeira!

Eu já tinha ouvido falar que a Vigor ia lançar os iogurtes tipo grego na versão zero, mas até então não tinha conseguido achar para provar.

Valeu a espera!




Tanto o natural como o com polpa de morango são muito bons.

Já vem adoçados (o adoçante é a base de sucralose) na medida certa, sem excesso.




Para começar o dia ou até para a ceia, quando geralmente procuro uma opção prática e rápida pra ir de encontro com o sono que a essa altura já apareceu...