Crônicas do Isolamento -- Em transição...

Estou saindo do transe, entrando em um movimento de transição. 
Aqui no Rio foi liberada a circulação sem máscaras em locais abertos desde o dia 28 de outubro.

Claro, existem requisitos: 75% da população vacinável ou 65% da população geral já imunizada, nível de risco até o laranja (passou pelo vermelho a obrigatoriedade das máscaras em locais abertos volta).
Em locais fechados, permanece a obrigatoriedade.

Eu, particularmente, ainda não me sinto totalmente confortável com esta mudança.
Foi tão difícil conscientizar sobre as máscaras e quando chegamos a um ponto de ver a maioria se valendo dessa proteção, ela é suspensa. 

Sei que os dados vêm mostrando a queda do número de novos casos, mas sei também que ainda não acabou. Novas variantes, sintomas diferentes… A pandemia segue, infelizmente, e o que nos cabe é manter com os cuidados mínimos a que temos acesso. 

Não preciso nem comentar que vacina é base e é fundamental, certo?
A vacina é que nos permitiu avançar no movimento de voltar à sair, reencontrar e respirar do lado de lá da janela. 

Eu voltei a ensaiar. Eu fiz o meu primeiro show depois de quase dois anos! E foi especial. Foi incrível estar no palco e poder tocar meu tamborim de novo. Sentir a vibração da plateia, sentir toda a alegria da bateria e do meu bloco.

Não consegui tocar de máscara… sei que assim aumento meu risco, mas pós 3 doses da vacina no braço, testes negativos de toda a galera do show e cobrança de comprovante de vacinação para entrar no local do evento, me senti minimamente segura.

Tem feito bem estar de volta aos encontros, aos amigos, aos restaurantes.
Tem feito bem (re)viver a experiência de sair e resolver as coisa na rua, entrar numa loja, num mercado e não sentir mais tanto medo como vinha sendo durante esses dois últimos anos. 
E, principalmente, tem feito bem continue com os protocolos básicos de proteção (álcool, lavar as mãos, máscara, evitar lugares cheios e fechados).

Às vezes me sinto esquisita quando entro num shopping ou sento em um bar. Parece errado, sabe? 
O que percebo é que da mesma forma como foi preciso aprender a viver em uma pandemia, é preciso agora reaprender a viver ‘em público’.

A única coisa que se manteve constante por aqui foi o cuidado com a doçura. O monitoramento da glicemia é regra absoluta.
É assim que mantenho o melhor controle possível nesses tempos. 

Já teve fase de comer muito, já teve fase de comer pouco, teve fase de ficar totalmente prostrada e agora percebo um conforto de voltar a movimentar corpo e mente. 

O isolamento vai diminuindo com calma, com afeto, com abraços sim.
Mas sem deixar de lado os protocolos ainda tão necessários.

Reconquistando espaços aos poucos.
Um passo de cada vez.
Um dia de cada vez!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crônicas do Isolamento -- Para todo mal, a cura.

É preciso estar atento e forte!

Crônicas do Isolamento -- A vida de viés...