Crônicas do Isolamento -- Que me passe...

Uma conjunção de fatores: uma voltinha de carro para ver a movimentação por outro ângulo, uma visita à uma loja de móveis para comprar cadeira 'de escritório' para trabalhar em casa, uma paradinha no caminho para comer - dentro do carro mesmo! - e uma mudança no clima trazendo um frio que está longe de ser um novembro carioca. 
Foi o suficiente para a moleza no corpo e o nariz meio entupido deixarem no ar a dúvida sobre os sintomas. Gripe ou o tal do vírus? 

Depois de 8 meses em casa, com raras saídas, decidimos dar uma volta em um dia de feriado para aproveitar o tempo do lado de fora do apê. A ideia era só levar os descartes de agulhas e tirinhas para o local de coleta e depois passear um pouco para ver a cidade. Decidimos então passar pela loja de móveis e, como não estava cheia, entramos. 

Por aqui, recentemente a empresa já me informou que o home office vai se estender até março de 2021, pelo menos. Então, por mais que já tenha me organizado e arrumado a minha estação de trabalho em casa - depois de um vai e vem de mesas e estantes pela sala - a cadeira que eu uso já não estava adequada. E cadeira não se compra sem testar! Lá fomos nós, de máscara, álcool em punho e todos os cuidados de distanciamento possíveis.

De volta para casa, cadeira nova em quarentena, a chuva chegou. No dia seguinte, mal estar, um espirro daqui outro dali... Pronto: dúvida e uma enorme ansiedade sobre ser ou não ser a tal da covid-19.
A solução foi esperar e, enquanto isso, monitorar bem de pertinho tanto a glicemia quanto a temperatura.

O fato é que tínham se passado 10 dias e nada da gripe ceder. Temperatura alterada (não estava alta e nem em níveis procupantes, mas estava acima do normal) e muitos espirros ao longo do dia. Paladar e olfato seguiam ativos, mas a verdade é que por ser grupo de risco, a atenção e a ansiedade estavam redobradas por aqui. Eu realmente comecei a ter um receio de que poderia ser covid. 

Minha endócrino, que estava me acompanhando à distância, decidiu pedir o teste. 14/11, Dia Mundial do Diabetes, e lá fui eu ao laboratório! Máscara, álcool, distanciamento... exame feito. Alguns dias depois, o resultado: negativo! Mas, eu continuava com a garganta arranhando e o nariz bem congestionado. Mais uma decisão da minha médica: fazer o PCR. Exame agendado e atenção redobrada à glicemia. Nem tive e nem estava com o vírus ativo. Ufa!! É um alívio imenso. 

O desconhecido que ainda cerca esse coronavírus deixa uma apreensão enorme. Pelo que pode causar, pelo que deixa depois de curar... tudo ainda bem assustador. 

Sigamos!
Embora no Rio pareça que a pandemia já acabou ou que a vacina chegou (não consigo compreender a quantidade de gente em luais na praia, festas e todos os tipos de aglomeração), me mantenho quietinha em casa, isolada e com todos os cuidados possíveis na hora que preciso sair. 
Tô pirando de saudade de tudo e de todos? Sim!! Mas prefiro pecar pelo excesso à me expor. 
Mesmo com a vontade de estar andando livremente por aí, respirando sem barreira e abraçando sem pudor, minha opção é pelo cuidado e proteção dos meus.

Vai passar...
Um dia de cada vez.
Hoje falta menos que faltava ontem!

Quero vacina. Quero viajar. Quero carnaval. Quero férias. Não necessariamente nessa ordem...



 


 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crônicas do Isolamento -- O Bem do Mar

Crônicas do Isolamento -- Do lado de lá do portão...

Crônicas do Isolamento -- Um tanto de quarentena...