Aqui no IP estão expostos os meus medos, as minhas descobertas, as conquistas, os avanços nas buscas pela cura do diabetes pelo mundo, os passinhos para um melhor controle da glicemia.

O que começou como um espaço de aprendizado e de dividir a minha convivência com o DM1, se transformou em estímulo para um melhor controle da minha doçura e para seguir mostrando que se funciona para mim, pode funcionar também para tantas outras pessoas que tem o diabetes como companheiro.

12 dezembro, 2016

Nos passos da bailarina.

Um pedido inusitado: acompanhar uma pequena bailarina nos bastidores!
Assim foi o meu domingo.

Ontem, 11 de dezembro, foi a apresentação de final de ano de uma escola em que minha prima, a Ana Paula, dá aula. Uma das alunas dela - que é professora do baby class - é uma docinha tipo 1. 

Como eu sempre destaco aqui, o diabetes não limita em nada a nossa vida. Mas uma criança não tem a autonomia total para medir e avaliar a glicemia e seguir os horários para aplicação de insulina. Esse foi o meu papel com a Clara ontem.

Quando a Ana me fez o pedido para acompanhar a Clarinha, já comecei a pensar no que precisaria fazer e levar no dia. Mais tirinhas e agulhas; mais lanchinhos e sachês de mel na bolsa. Sabia que ela teria tudo também, mas não poderia fazer diferente. 

Algumas horas antes de sair de casa para a minha missão, fui pega por uma hipoglicemia! Erro de principiante: depois de um show com meu bloco no sábado à noite, não comi nada. A hipo foi somente o resultado desta 'falta de atenção'. Bom, tudo de volta ao nível normal, segui para o teatro. 

A pequena chegou e bati um papo com a Flávia (mãe dela), que foi super cuidadosa e já tinha escrito uma cartinha - vai que na correria a gente não conseguisse se encontrar... - para me dar o panorama do tratamento e os intervalos de glicemia para correção. 

Confesso que o meu maior receio seria a negativa da Clara na hora de furar o dedinho. Mas, que nada: era só chamar e ela vinha. Enquanto me estendia a mão, respondia às amiguinhas porque tinha que fazer aquilo ("preciso ver a minha glicose, porque se ela estiver muita baixa, eu tenho que comer muito"). Uma fofura e super disciplinada com a doçura!! 
Alguns furinhos antes dessa estrela se apresentar - sempre comunicando os resultados para a mãe, um lanchinho leve até voltar ao palco para o agradecimento final e tudo deu certo.


Para mamães, papais e responsáveis, deixo uma dica: Na bolsa e nos glicosímetros da Clara tem tags e adesivos com os contatos dos pais e da avó.

Achei super prático e sem dúvida pode facilitar se eventualmente ocorrer uma emergência.




À Ana e à família da Clara, obrigada pela confiança. Poder ajudar e ainda assistir a um espetáculo tão bonito foi ótimo!


2 comentários:

  1. Relato maravilhoso! Parabéns!! Bailarina disciplinada, linda e feliz! ❤️Amei!

    ResponderExcluir