Aqui no IP estão expostos os meus medos, as minhas descobertas, as conquistas, os avanços nas buscas pela cura do diabetes pelo mundo, os passinhos para um melhor controle da glicemia.

O que começou como um espaço de aprendizado e de dividir a minha convivência com o DM1, se transformou em estímulo para um melhor controle da minha doçura e para seguir mostrando que se funciona para mim, pode funcionar também para tantas outras pessoas que tem o diabetes como companheiro.

31 outubro, 2014

"Vivendo bem com Diabetes".

Este é o nome do Movimento realizado pela Associação Diabetes Brasil (ADJ) com apoio da BD, que preza pelo "bem estar, qualidade de vida e acima de tudo bem querer e amor para consigo próprio".
O movimento foi desenvolvido buscando disseminar conhecimento e informações sobre os tratamentos e as tecnologias disponíveis, para garantir que as pessoas que convivem com o diabetes no Brasil tenham uma vida melhor.

Eles trabalham com atividades específicas para os pacientes de DM, realizadas na ADJ, e com a divulgação de dicas e notícias pelo site.

Não tem inscrição nem cadastro, basta acessar e se informar.
O contato com o Movimento pode ser feito através dos telefones (11) 3675-3266 ou 0800-011-5097.

O convite a participar vem com uma proposta irrecusável: "o que todas as pessoas devem buscar preservar são seus valores pessoais, como auto estima, bem querer e perseverança, em busca dos seus sonhos".

Leia, se atualize, questione, se engaje.
É só começar!!

Garanto que uma vez iniciado este processo de tratamento 'extra-medicamentos', a vontade de seguir nesta linha só aumenta!







30 outubro, 2014

Glicose sem fio... e sem furinho!!

Muita gente me pergunta se os furinhos no dedo incomodam ou se eu sinto dor. 
A resposta é não... pode ser porque já me acostumei ou mesmo porque já faço com tanto prática que hoje não é mais tão incômodo.

O procedimento já faz parte da rotina. Três vezes ao dia, pelo menos, sigo o processo: lavar as mãos, furar o dedinho, esperar sair a gotinha de sangue e avaliar o tal do número!

Mas no mês passado a Abbott anunciou que isso tudo está bem perto de mudar.
Eles lançaram o 'FreeStyle Libre System', o medidor que funciona através de um sensor que tem o tamanho aproximado de uma moeda de R$1.
O sensor é colocado no braço (tem um filamento de 5mm que é inserido sob a pele) e um scaner portátil faz a leitura dos resultados das glicemias a hora que você quiser ou precisar. 
Ainda, ficam armazenados os dados dos últimos 90 dias, o que funciona para estimar a hemoglobina glicada!

O sensor, que é à prova d'água, deve ser trocado a cada 14 dias.

Por enquanto, está a venda somente na Europa. Mas a previsão é que no próximo ano chegue aqui em terras brasileiras!!



29 outubro, 2014

Pra começar as atividades!

O mês de chamar a atenção, de explicar e entender, de prevenir e combater o diabetes está quase começando e já vem com uma Palestra interessante e importante aqui no Rio, coordenada pela União das Associações de Diabéticos do Estado (UADERJ):
O Dr. Mark Barone é paciente e especialista... tem DM1 desde os 10 anos de idade e hoje é Doutor e pós-graduado em Educação e Tratamento em Diabetes.
Alem disso, é autor do livro 'Tenho Diabetes Tipo 1... E agora?'.

Para participar, basta confirmar presença através da página da UADERJ Facebook.

Vou lá e depois conto como foi!





28 outubro, 2014

Em outras palavras...

Cada um lida com as situações, sejam elas boas ou ruins, de uma maneira.
Não tem certo e errado, depende do momento, não tem regra tem manual. O que tem é a forma de encarar certas coisas...
Comigo também e assim. 

Sobre o diabetes, buscando respostas para questões que me ajudassem a seguir com o dia a dia sem muitas alterações ou interferências, acabei aprendendo mais.

E hoje li numa crônica de um livro do Rubem Alves (é o que está na cabeceira atualmente) um texto que me identifiquei de imediato:

"Vai um conselho: sem brincar de Poliana, trate sua doença como uma amiga. Mais precisamente: como uma mestra que pode torná-lo mais sábio. 
(...)
Assim, se você ficar amigo da sua doença, ela lhe dará lições gratuitas sobre como viver de maneira mais sábia."

(Aqui cabe uma observação - já comentada no IP outras vezes - sobre o termo 'doença': não curto, acho forte e acho que pode ser pesado. Achismo mesmo, nada mais... Mas prefiro tratar como 'condição'.)

Para mim, funcionou. 
Para mim, fez bem lidar com a doçura repentina assim.
Isso não significa se entregar.

Por fim:
"Então, não brigue com a sua doença. Ela veio para ficar. Trate de aprender o que ela quer lhe ensinar. Ela quer que voce fique sábio. Ela quer ressuscitar os seus sentidos adormecidos. (...)"

(Sobre o tempo e a eternidade - Rubem Alves
Crônica: Doença)





27 outubro, 2014

ADJ em Campanha!!


Além das atividades gerais para os pacientes (será divulgada em breve), em Novembro a Associação Diabetes Brasil tem uma agenda especial com foco no Dia Mundial do Diabetes:


Se programem, participem e divulguem para os amigos, a família, no elevador do prédio, no mural do trabalho...

O tema é serio e merece toda a atenção!



24 outubro, 2014

Pra ouvir o que o corpo 'diz'.


Esta questão de doença auto-imune ser altamente influenciável pelo estado de espírito - variações emocionais - não é balela não.

Estes últimos meses não foram muito cor de rosa e, mesmo mantendo tudo sob controle, o que coração sente o corpo responde no ato!
No meu caso, com variações esquisitas na glicemia.

Endócrino devidamente informada e acompanhando. 
Nada que seja alarmante, mas ainda assim chama a atenção e requer cuidado em dobro.

O fato é que colocados alguns pingos nos 'is', o coração já se acalma e parece que tudo volta a fluir como deve ser.

Que venha a leveza ainda maior... Amanhecerá!
"O 'post' é a voz que vos libertará
Descendentes tantos insurgirão 
A arma, o réu, o véu que cairá
Cravos e tulipas bombardeiam 
Um jardim novo se levantará
O jasmim urge de um solo sem medo

O sol reclama no oriente
Brada a lua que ilumina
Rebelando orações e mentes

Amanhecerá
De novo em nós
Amanhã, será?"



23 outubro, 2014

Concurso de gostosura!

Pensa num quitute bem gosto que você faz e que não tem açúcar no preparo?

Agora escreve a receita, o modo de fazer e faz a sua inscrição para participar do concurso promovido pela Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD)!
"Os interessados devem enviar suas receitas de culinária saudável, sem açúcar, com pouco carboidrato e muito carinho até o dia 02/11 para o email da entidade: secretaria@diabetes.org.br.
As receitas serão avaliadas pelo Departamento de Nutrição da SBD e o primeiro lugar será apresentado no Programa Dia a Dia, da Band (emissora de televisão), no dia 14 de novembro"

Algumas regrinhas para participar:
1. As receitas devem ser saudáveis, sem açúcar e devem apresentar o valor nutricional por porção calorias, fibras e quantidades de carboidratos).
2. Podem ser salgadas ou doces.
3. Deve ser enviada uma foto do participante e da receita pronta.
4. Os critérios para escolha do vencedor incluem apresentação do prato, o valor nutricional, a receita e o sabor.

Uma equipe de nutricionistas e endocrinologistas da SBD será a comissão julgadora.
A receita vencedora será divulgada no site do Dia Mundial do Diabetes e nas páginas das instituições que apóiam esta Campanha: SBD, Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, Sociedade Brasileira de Cardiologia, Associação Diabetes Brasil (ADJ) e Associação Nacional de Assistência ao Diabético (ANAD).

Mão à obra (e panelas no fogão!).

20 outubro, 2014

Pra ouvir o que o paciente tem a dizer...

Se perguntarem hoje o que eu acho que falta no cuidado com quem tem diabetes a resposta é uma só: dar voz aos pacientes. E aqui não me refiro a nos ouvir durante as consultas (isso é fundamental e parto do princípio que ninguém precisa lembrar sobre a importância que tem).
Minha crítica é por não haver um envolvimento dos pacientes no dia a dia, em questões que só quem convive diariamente com o diabetes pode falar.

Existe dificuldade em encontrar produtos sem açúcar ou integrais?
Os preços destes produtos estão razoáveis? 
Os insumos - tirinhas, agulhas... - estão disponíveis para venda?
Por que há tanta variação entre os preços trabalhados por diferentes farmácias para estes produtos?
Por que nós, pacientes, não podemos participar de Congressos e Seminários sobre o tema? 
Por que as discussões sobre tratamentos e avanços científicos não envolvem os pacientes, se nós somos os maiores interessados nestes resultados?

As perguntas são inúmeras e, pelo menos para mim, significam que quero buscar o que pode contribuir para que eu tenha a saúde sempre melhor. 

E cada vez que vejo algo que contribui para mudar este comportamento, ainda que não seja no Brasil, acho que o caminho certo é mesmo o das perguntas.

No dia 03 de novembro deste ano vai haver um evento que foca exatamente nisto: uma conversa online com o FDA (U.S. Food and Drug Administration, o órgão americano responsável pelo controle de medicamentos, alimentos, suplementos, etc) liderado pelo DiaTribe - um jornal online que tem o diabetes como tema!
O mais legal desta conversa é que os temas e assuntos a serem tratados foram sugeridos por pacientes de diabetes.

Alguns já em pauta:
- Hipoglicemia
- Riscos e benefícios de novos medicamentos
- Viabilidade de envolver os pacientes desde o início nas pesquisas sobre novos medicamentos e tratamentos 
- Analisar as diferentes visões sobre as necessidades dos pacientes
- Melhorar o acesso a medicamentos / insumos, principalmente para pacientes menores de 18 e maiores de 65 anos
- Avaliação sobre os índices da hemoglobina glicada
- Como as instituições diversas, incluindo o Governo, podem atuar juntas....

Como eu falei lá no começo, os temas são muitos.

E eles estão dando oportunidade para quem quiser falar... basta preencher uma pesquisa rápida e pronto: já estamos participando!

Apesar de ser em inglês, vale responder (para quem não fala o idioma, também vale pedir ajuda)... A nossa opinião vai direto para o FDA e irá compor a banca da reunião.

Agora é esperar o dia 03 e aguardar o resultado!!




16 outubro, 2014

Para monitorar a saúde...


Um exame postergado, uma consulta desmarcada por causa de uma reunião de trabalho...
Já fiz isso, mas hoje jamais abriria mão de uma hora do meu dia devidamente programada para me cuidar em função de qualquer que fosse o compromisso.

Que não se brinca com a saúde, todo mundo sabe... mas não é surpresa para ninguém que as vezes a gente tende a deixar os atropelos do dia a dia tomarem a frente.

Com a tecnologia e os celulares cada vez mais 'inteligentes' e funcionais, descobri dia desses um aplicativo que pode, pelo menos, servir como um alerta de que chegou a hora de dar atenção ao corpo e à mente.

O nome já diz a que veio: Calculadora de Saúde.
Com apenas 7 perguntas sobre você e seus hábitos, ele estabelece um "índice geral de saúde".

As questão são simples:
1. Dados pessoais: onde mora, data de nascimento, sexo, peso e altura (nesta etapa, ele faz o cálculo do IMC - Índice de Massa Corporal)
2. Frequência com que faz exercícios
3. Informação sobre tabagismo
4. Informação sobre consumo de bebidas alcoólicas
5. Pressão arterial
6. Colesterol total
7. Glicemia

O resultado (o meu foi 87 em 100) está relacionado ao risco de desenvolver doenças crônicas.
Claro que não substitui o acompanhamento médico periódico, mas além de funcionar como um lembrete para colocar os exames em dia, pode ser uma ferramenta para monitorar a evolução das condições de saúde e reavaliar as prioridades! 






15 outubro, 2014

Para fazer cumprir a Lei!


No domingo passado contei sobre a ONG Pró-Crianças e Jovens Diabéticos e sobre o trabalho de grande importância que eles fazem.

Mas ficou faltando uma parte: falar com mais detalhes sobre o site Direitos dos Diabéticos, lançado por eles e que presta um enorme serviço à população.

Trata-se do projeto 'O Bom Combate - Mapeamento Digital dos Direitos dos Portadores de Diabetes'.

O que eles fizeram foi juntar, num mesmo lugar, todas as Leis Federais, Estaduais e Municipais que tratem dos direitos dos docinhos.
E não são poucos!

A busca pode ser feita por temas (são inúmeros, indo de adoçantes, por exemplo, até odontologia e óculos gratuito, passando por educação nutricional e merenda na escola), por estado ou por município.

O que eles querem com isso é garantir que qualquer pessoa que conviva com o DM tenha acesso ao tratamento.
E a base para esta cobrança por saúde vem da Constituição Federal, como colocado por eles de forma bem clara:

"É certo que por si só a Constituição Federal em seus artigos 196 a 199 garantem ao cidadão brasileiro o direito integral a saúde, a saber:

Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação. 


Art. 197. São de relevância pública as ações e serviços de saúde, cabendo ao poder público dispor, nos termos da lei, sobre sua regulamentação, fiscalização e controle, devendo sua execução ser feita diretamente ou através de terceiros e, também, por pessoa física ou jurídica de direito privado


Art. 198. As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema único, organizado de acordo com as seguintes diretrizes: 
I - descentralização, com direção única em cada esfera de governo; 
II - atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais; 
III - participação da comunidade.
Sendo assim, no caso dos portadores de diabetes, a legislação vigente abrange o direito ao atendimento integral a saúde, assim como a medicação (inclusive de altos custos) a qual sabidamente não vem sendo dispensada atualmente nos Postos de Saúde (leia-se canetas de insulina, agulhas para a caneta de insulina, insulinas modernas (ultra rápida, ultra lenta), bomba de infusão de insulina, glucagen, etc.)."

Para que não restem dúvidas em como fazer cumprir estes direitos (entenda-se dar entrada em uma Ação Judicial), criaram ainda o Guia Prático de Defesa dos Direitos, que funciona como um manual no qual é apresentado o passo a passo para requerer tratamentos, medicamentos, insumos...

Uma iniciativa brilhante de fazer o bem e levar a solução a quem tem um problema.
Para aplaudir de pé!


14 outubro, 2014

30 dias e contando!!

Falta só 1 mês para o Dia Mundial do Diabetes!!
14 de novembro é a dia.
(já contei aqui no blog porque esta foi a data escolhida)

Mas o que vale sempre é lembrar porque este Dia foi criado.
Qual o propósito? Quais os objetivos?
Aí vai:
"O dia Mundial do Diabetes foi criado em 1991 pela International Diabetes Federation (a Federação Internacional de Diabetes) em conjunto com a Organização Mundial da Saúde, em resposta às preocupações sobre os crescentes números de diagnósticos no mundo."

"A data tornou-se oficial pela ONU a partir de 2007, com a aprovação da Resolução das Nações Unidas 61/225."

Meu IP já mostrou os principais motivos que regem a Campanha, mas a cada período de 2 anos, dentro da Campanha são definidos temas específicos.
O que se inicia este ano é 'Vida Saudável e Diabetes'.

A busca por alternativas de tratamentos que promovam ao mesmo tempo controle, segurança e qualidade de vida para os pacientes tem sido cada vez maior e se tornado mais frequente.
Com o tempo, os resultados que vem sendo observados acabam provando que o caminho não precisa ser de restrições, mas de equilíbrio.

E este equilíbrio tem numa ponta hábitos saudáveis em termos de alimentação, sem que isso signifique proibições em larga escala, exercícios dentro da rotina, com opções de atividades que podem juntar o prazer com o condicionamento físico, e na outra ponta a disciplina para que o tratamento seja seguido como estabelecido em parceria com o seu médico.

Com tudo isso, os pacientes tem sido beneficiados, ainda que indiretamente (continuo achando que a divulgação e as campanhas precisam estar mais à mostra).

Mas ainda tem um outro fator a se considerar: e quem não tem diabetes, sabe reconhecer os sintomas? Saberia identificar algum fator de risco? Se tem histórico familiar, sabe no que precisa estar atento?

É preciso ir além!

Ainda temos muito a percorrer, mas que venha "mais um dia azul". E outro. E depois outro.
Todo dia é um bom dia para prevenir, para educar ou para cuidar.
A informação tem que estar ao alcance!

13 outubro, 2014

Mais um passo - e dos grandes!

A semana começa com a divulgação de uma notícia que foi um dos assuntos mais falados nos últimos dias: pesquisadores de Harvard conseguiram descobrir como fabricar células beta - as tais responsáveis pela produção de insulina - em grandes quantidades.

Isto significa que os transplantes de células beta seriam viáveis, com a 'fabricação' em larga escala a partir de células tronco embrionárias (eles falam em milhões!).

Este feito está sendo comparado à descoberta do antibiótico, tamanha importância para a ciência - e para cada um dos pacientes que convive com o diabetes.

Com o procedimento, o organismo voltaria a produzir o hormônio normalmente, dando fim às injeções diárias e até então necessárias.
A pesquisa começou há 23 anos pelo Professor Doug Melton, logo após o filho dele ser diagnosticado com DM1 quando ainda era um bebê.
Pelos resultados obtidos até aqui, já se fala em cura!

O próximo passo são os testes clínicos.

Depois de mais de duas décadas se mantendo firme por acreditar que era possível, agora a contagem é regressiva...
(na espera!!)

Que tenhamos muitos médicos, especialistas, professores e pacientes com esta mesma crença e este mesmo empenho.



12 outubro, 2014

Pra cuidar e deixar ser criança!

Hoje é dia de falar sobre quem faz e acontece pelas crianças.

Desde 2005 funciona em Campinas a ONG Pro-Criancas e Jovens Diabeticos.
É uma instituição sem fins lucrativos que presta assistência gratuita a pacientes carentes com diabetes.
Eles não diagnosticam e não tem a intenção de fazer o papel de médicos. 
O papel desta ONG é ser a ponte entre o recurso e quem precisa dele.

O primeiro passo é uma visita a domicílio para conhecer o paciente e a situação na qual vive.
Nesta etapa é avaliada a disponibilidade de medicamentos e insumos (glicosímetro, tirinhas, lancetas, agulhas...), o tipo de alimentos que vem sendo consumidos, a condição de moradia e renda da família, qual o entendimento sobre o tratamento necessário ao paciente...

A partir daí, é elaborado um Plano de Ação, que é o pontapé inicial para captação de recursos - apoio financeiro para consultas, compra dos medicamentos e de alimentos adequados, etc - e para o acompanhamento individual da criança.

É um trabalho que visa unicamente garantir o bom tratamento e o cuidado integral.

Para manter as ações em andamento, além das captações de dinheiro eventuais, eles contam com doações e voluntariado também!

Trabalho lindo e que, sem dúvida, é responsável pela saúde de muitas crianças e jovens docinhos.

Mas não para por aí não... a ONG fez um trabalho que deveria ser considerado de utilidade pública.
Eles lançaram o site Direitos dos Diabeticos, que reúne toda a legislação pertinente sobre a questão.
O objetivo maior deste trabalho foi mostrar que existem direitos específicos garantidos para quem tem DM e que eles devem ser cobrados e cumpridos.
Ainda esta semana farei um post especifico sobre este assunto, devido a grande importância que ele tem!!







09 outubro, 2014

Pra dar o primeiro passo!

Uma coisa que me chamou bastante atenção nas palestras e workshops que eu assisti ano passado no Congresso Mundial de Diabetes foi a importância dada à relação médico-paciente.

Sendo mais objetiva, para a falta dela!

Muito foi falado sobre a burocracia que permeia as consultas. O tempo contado, o 'roteiro' das consultas, a análise direta dos exames e o 'ok' (ou não) sobre os resultados.

Mas e o sentimento do paciente sobre conviver diariamente com o diabetes? Sobre as dúvidas que surgem quando há poucas opções num restaurante? Ou, até mesmo, sobre a falta de recursos para ter em casa alimentos mais saudáveis, integrais e afins, que são mais caros?

Não estou aqui dizendo que o endocrinologista deve ser psicólogo. Nada disso, cada um tem o seu papel.
Mas desde o início fui mal acostumada - melhor, como diz um amigo, bem acostumada - a ter um tratamento no qual a primeira preocupação não era com o dado no papel, mas no processo como um todo.

O cuidado com o paciente deve ser a prioridade absoluta. 
A confiança ganha pelo paciente é que vai estar diretamente ligada à lcapacidade dele de ser o líder e o responsável pelo seu tratamento.

Da mesma forma, minha Super me abriu um canal de comunicação imediato. 
Eu tinha os telefones dos consultórios, o celular e o email, que ela fez questão de frisar que lia e respondia. 
Como sempre tive o pé atrás de achar que poderia estar incomodando, reluto até o fim para ligar porque ela pode estar com algum paciente, ou em casa curtindo a família, ou, ou, ou...
No final das contas, ela abriu a comunicação digital para falar sobre o resultado de algum exame recebido e dali me senti à vontade para tirar dúvidas, fazer mini consultas sobre alimentação e dosagens de insulina, pedir indicação de livros e artigos e até opinião!

Aonde eu quero chegar?
Isto dá ao paciente a certeza de que ele pode ir adiante com o tratamento sabendo que o médico está junto, muito além das salas dos consultórios. 
Não precisa ser todo dia, longe disso - nenhuma das partes ia gostar. Mas também não precisa ser somente em casos de urgência.

Afirmo com certeza que este processo de comunicação traz um efeito muito positivo no próprio gerenciamento da condição de docinho.

De volta ao Congresso, enquanto esperava uma determinada palestra começar, peguei o final de outra logo que entrei e o que ouvi me chamou a atenção:
"If your doctor only take 5 minutes to talk to you, don't go there anymore. Change your doctor!"
("Se o seu médico só dispõe de 5 minutos para falar com você, não volte mais lá. Mude de médico!)

É isso!

Tão importante quanto estabelecer a dosagem e os horários dos medicamentos é estabelecer uma relação de confiança. 

Novamente sobre a minha Super Endócrino, a maneira como ela deu o suporte pós diagnostico foi o 'gatilho' para que eu compreendesse sem medo a situação e quisesse, de cara, assumir meu tratamento.

Torço e espero por um tempo em que este seja o padrão de cuidado e tratamento!
A boa relação com o paciente e a individualização do tratamento (ja falei um pouco sobre este ponto aqui no IP, mas ainda tem mais a ser dito - e o farei em breve) são as duas principais vertentes a serem consideradas.


  


07 outubro, 2014

Dicas de bolso...

Lembro que a primeira consulta que tive com uma nutricionista depois do diagnóstico foi meio que na pressão.
Embora já tivesse uma alimentação boa e equilibrada, precisava entender e adequar algumas coisas em relação ao consumo de açúcar, diretamente, e tudo que se transforma neste tal vilão no organismo!

Não absorvi muito naquele dia, mas depois fui me informando e entendendo melhor como podia usar a alimentação de forma mais correta e de maneira que mantivesse a glicemia sob controle.

De vez em quando posto aqui no IP dicas de alimentos que ajudam neste controle. 
Mas hoje tem um resumão que vi num artigo na pagina do Diabetic Center, por uma nutricionista que é Mestre em Nutrição e atua na Secretaria de Saúde do DF.

Nele, várias dicas básicas e fáceis de seguir, para manter as refeições saudáveis no dia a dia:

Vale olhar com carinho e procurar ajustar o que, por acaso, estiver meio fora do prumo!

04 outubro, 2014

Fruta e só!!

Tento sempre optar por comer alimentos e frutas frescos em casa. 
A questão é que, morando sozinha, nem sempre isso e possível... se comprar muito, estraga! Se comprar pouco, acaba rápido.
E quando a porção já é pre-definida no mercado? Se comprar, passo uns três dias comendo seguidamente.

Não gosto destes sucos de caixinha porque acho o sabor artificial e, além disso, já vem adoçado, seja com açúcar ou com adoçante.

Esta semana, conversando com um amigo, ele comentou sobre a marca Greenday e resolvi pesquisar.
O que encontrei não poderia ter sido melhor: sucos integrais, 100% fruta! 
Não tem conservantes, não tem água adicionada e não tem qualquer tipo de açúcar ou adoçante!!

Um ponto importante: 1 copo (aproximadamente 200ml) tem, variando a cada sabor, entre 26g e 33g de carboidratos.
Para quem convive com o diabetes, o consumo de sucos deve ser moderado, como já foi falado antes no IP. Mas com o suco natural vale muito para o lanche do meio da manhã ou da tarde, para antes ou após os exercícios...

Pronto, para ter em casa é uma excelente opção.
Já estão na lista das próximas compras!



03 outubro, 2014

Lojinha de células em construção!


E o que era proposta está mais perto da realidade...

Quase 2 meses atrás falei por aqui sobra a pesquisa em andamento acerca do implante de células beta em quem convive com o DM tipo 1.
A boa nova é que os estudos avançaram e foi aprovada a fase seguinte: o teste em pacientes.

Isto foi possível porque a ViaCyte, uma empresa norte-americana líder em medicina regenerativa, foi a fundo nos estudos e desenvolveu um protótipo do 'pacotinho de células' - o VC-01.

Em paralelo, a JDRF não para!
Além de pesquisar sobre os melhores materiais para o encapsulamento das células, como informado quando anunciaram a pesquisa, estão avaliando outras variações e conceitos para tornar estes transplantes de células produtoras de insulina viável.

 Torcendo pelos melhores resultados!! 



02 outubro, 2014

Agenda da ADJ de Outubro no ar!

Para se programar e divulgar: a agenda das atividades da Associação Diabetes Brasil  está disponível!

GRUPO DE CRIANÇAS E PAIS
04/10
3 a 6 anos – 09h
7 a 11 anos – 10:30h


GRUPO DE ADOLESCENTES E PAIS (maiores de 16 anos)
Tema: Sexo e Diabetes
11/10 - 10h


GRUPO DE ADULTOS
15/10 - 14h

PALESTRA MENSAL
DIABETES: Conheça as novidades que o permitirão Viver Melhor
18/10 – 10h

DIA-A-DIA COM DIABETES TIPO 1 e 2
Todas as terças e quintas.
Grupos: 6 a 11 anos / 12 a 17 anos e adultos.


Lembrando que a inscrição deve se feita pelo telefone da ADJ (11 3675-3266, ramal 11).