Aqui no IP estão expostos os meus medos, as minhas descobertas, as conquistas, os avanços nas buscas pela cura do diabetes pelo mundo, os passinhos para um melhor controle da glicemia.

O que começou como um espaço de aprendizado e de dividir a minha convivência com o DM1, se transformou em estímulo para um melhor controle da minha doçura e para seguir mostrando que se funciona para mim, pode funcionar também para tantas outras pessoas que tem o diabetes como companheiro.

03 novembro, 2015

Pelo diabetes e pela democracia!

No meio de tantas coisas que ainda buscamos nesse mundo doce, o acesso à informação, à educação em diabetes e a tratamentos e medicamentos que trazem mais saúde com qualidade para os pacientes são os mais urgentes.

Nenhuma dúvida que o glicosímetro é fundamental para o controle diário das glicemias e, consequentemente, nos ajustes das doses de insulina. E também não há dúvida que o entendimento da condição e o auto-cuidado geram emponderamento no paciente e isso se reflete de maneira positiva e direta no controle do docinho.

Falta de insulinas, de tirinhas e de conhecimento prejudicam o dia a dia de quem convive com a doçura e precisa desses insumos para viver.
Sim, dentre os insumos, faço questão de incluir o conhecimento.

Mas com tantos tipos de insulina disponíveis hoje em dia, não dá para deixar de lado o fato de que os análogos ainda não foram incluídos nos Protocolos de Saúde.

Pois tem uma turma brigando por isso com afinco!




Com base nos artigos 1º e 196 da Constituição Federal Brasileira, que prezam que "nosso país é uma República Federativa, e que seu poder emana do povo, a quem a saúde deve ser garantida como um direito universal, enquanto dever do Estado Democrático de Direitos", a advogada Debora Aligieri criou a página Diabetes e Democracia, através da qual se unem pessoas diversas com o objetivo comum de lutar por melhores condições de saúde e, principalmente, garantir que sejam fornecidos e subsidiados pelo governo.






Não só os análogos de insulina (aliás, já assinou a petição? se não, é só entrar aqui; para maiores informações sobre o objeto da petição, o vídeo da Dra. Karla Melo é bem esclarecedor), mas tantos outros assuntos importantes e que precisam de soluções imediatas.

Recomendo conhecer e ajudar.
Mas como contribuir??
Com o seu depoimento, nos assuntos relacionados e pertinentes ao seu dia a dia.

O meu já foi dado e reproduzo aqui na íntegra:
É simples assim. 

Nossa vivência será transformada em material para a comprovação da necessidade em disponibilizar melhores tratamentos para tantas pessoas que ainda não tem acesso.

Participe, leia, divulgue. Quanto maior for o alcance, maiores também vão ser as chances de atingirmos cada um dos objetivos que estão sendo buscados!





2 comentários:

  1. Fui diagnosticada com Diabetes tipo 01 em março de 2006. Desde de então venho tentando o controle, comecei com a insulina NPH + REGULAR ja em doses bem elevadas, hoje em dia continuo com a insulina NPH 3 vezes ao dia + a LISPRO para correção (que sempre está em falta nos hospitais). Bom é isso...acho que devemos nos unir para melhorar as nossas condições de tratamento, pois ainda somos pessoas esquecidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo depoimento, Esthefany! Sem dúvida precisamos nos unir e assim juntar forças para lutar pelo que ainda precisa ser feito para melhorar o acesso a tratamento, conhecimento e qualidade de vida das pessoas com diabetes.
      Muita saúde pra você. :)

      Excluir