Aqui no IP estão expostos os meus medos, as minhas descobertas, as conquistas, os avanços nas buscas pela cura do diabetes pelo mundo, os passinhos para um melhor controle da glicemia.

O que começou como um espaço de aprendizado e de dividir a minha convivência com o DM1, se transformou em estímulo para um melhor controle da minha doçura e para seguir mostrando que se funciona para mim, pode funcionar também para tantas outras pessoas que tem o diabetes como companheiro.

15 abril, 2015

Pra aprender de novo!




Aprendizado nunca tem fim e na rotina com a doçura não poderia ser diferente.

Com as oficinas do Curso de Educação em DM, descobri que algumas coisas que fazia estavam erradas ou poderiam ser feitas de maneiras mais fáceis.





Sobre lavar as mãos com água e sabão antes de medir a glicemia capilar (a da pontinha do dedo) eu já sabia e faço sempre. Mas usava qualquer um dos dedos das mãos, furando nas laterais. Até aí, nada errado... mas não é recomendado utilizar o polegar e o indicador, por serem dedos mais utilizados nas tarefas corriqueiras. Da mesma forma, não devemos chupar aquela gotinha de sangue que fica na ponta dos dedos depois do furinho! Fazia isso sempre, confesso... O fato é que a boca da gente tem bactérias que podem vir a causar infecção nos dedos. O ideal é limpar com algodão embebido em álcool ou usar esse sachês de álcool que já vem preparados:
Esse da BD custa cerca de R$ 25,00 a caixa com 100 unidades. Existem outras marcas também...

Uma outra adaptação vai ser com o descarte das agulhas, tirinhas e lancetas usadas. Como já tinha falado aqui no IP, esse material não pode ser jogado fora junto com o lixo comum. Eu costumava utilizar garrafas pet (de mate, água mineral, refrigerante), mas o ideal é que sejam descartados em garrafas de amaciante, como estas:
A justificativa é que elas são de um plástico mais resistente que as do tipo pet e tem a boca mais aberta, o que diminui o risco no manuseio.
Mas antes de usar as garrafas, elas precisam ser lavadas para retirar todo o resíduo do produto!

Outra novidade para mim foi sobre a aplicação de insulina. Apesar de saber que podia, não aplicava no braço, tinha medo de fazer errado. Agora aprendi e, além da barriga e das coxas, meus bracinhos também entram no revezamento! Uma outra possibilidade é aplicar nas nádegas, mas exige um pouco mais de técnica - jeito! - e prefiro não fazer.
Em termos de velocidade de absorção, da mais rápida para a mais devagar são: barriga, braço, perna e nádegas. A orientação é que a insulina de ação rápida seja aplicada na barriga e a basal nos demais locais, mas isso não impede que a basal seja aplicada na barriga, por exemplo.

Bom, dá para perceber só com esses três temas como é importante buscar e dividir o conhecimento. Toda hora é hora!



2 comentários:

  1. Oi Ju! (visitando toda semana, já me sinto intima, rs)
    Acabei de ver seu depoimento no projeto da tattoo. Sua tatuagem ficou beeem legal.
    Será q esse ano terá de novo?
    Bju

    ResponderExcluir
  2. Oi Dany! Fico feliz que você esteja sempre por aqui! :)
    Não sei se terá outra edição do projeto da tattoo... seria ótimo mesmo. Mas acompanha pela página da ADJ que, certamente, será anunciado por lá se tiver.
    Beijo,
    Ju.

    ResponderExcluir