Pra recomeçar!


Dois mil e catarse.
Isso... catorze. ou quatorze. mas catarse!

Que ano!! 

Foi esquisito. Muita coisa inesperada. Muita coisa que eu nem queria.
Sou dessas que acreditam que nada acontece por acaso. Mas também sou das que acreditam que tudo serve como aprendizado.

Sentimentos que eu preferia não ter experimentado, situações pelas quais eu preferia não ter passado. 
Agora com o ano terminando, ficam como lição, crescimento.
E acima de tudo, deixam o entendimento de que os momentos - muitos! - de sorriso, de rir até fazer a barriga doer, de cumplicidade, dos olhares de quem a gente ama e tem por perto, dos abraços, dos azuis, das conversas, tem que ser vividos sem qualquer limite!

São destas situações (sensações) que não quero abrir mão.
Estas são as minhas certezas. 

Destas certezas vem a maior de todas: a de continuar me cuidando. 
De seguir buscando o melhor para a minha doçura. 

Por mim, por cada uma das minhas pessoas, que são os responsáveis por tudo que eu falei aí em cima e me ajudam a transformar o complexo em possível, e por todos os docinhos que ainda precisam entender e, acima de tudo, acreditar que (con)viver com o diabetes não significa que uma parte da vida deve ser deixada para trás. 

Feliz Ano Novo.
Feliz Resolução Nova.
Feliz Esperança Renovada.
Feliz Decisão.
Feliz Mudança. Mas se não quiser mudar, que se mantenha feliz também!
Feliz Caminho.
Feliz Dois Mil e Quinze. (Sem catarse)
Feliz Novos 365 Dias.
Que sejam de 'saúde para dar e vender'!






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Febre amarela: a gente - doce - pode se vacinar?

De um dia azul...

Uma dose de insulina, outra de confiança...