A Rima da Insulina

A editora conseguiu negociar com a gráfica, a impressão ficou prontinha logo no início de outubro e, quando os livros foram entregues eu já estava em Berlim. Viajei com a adrenalina lá em cima, tanto pelo Patients Advocates Engagement Journey, o evento da Novo Nordisk do projeto Changing Diabetes, quanto pelo lançamento do meu 'A Rima da Insulina', que ia acontecer poucos dias depois.

A previsão inicial era que o livro fosse oficialmente lançado em novembro, já como uma ação para chamar atenção para o Dia Mundial do Diabetes. Quando foi proposta a nova data - antecipando em praticamente um mês - eu só hesitei por conta da minha data de retorno de Berlim: o lançamento seria dia 06 de outubro, a partir do horário do almoço; eu chegaria ao Brasil no mesmo dia, às 05h!! 
E assim foi...

Uma volta tranquila, mas cheia de ansiedade. 
Alguns amigos que estavam em Berlim tiveram os voos cancelados ou atrasados e eu já fiquei tensa por tabela. Mas meu voo saiu no horário e a conexão também. 

Cheguei no Rio cedinho. Consegui tirar um cochilo de uma horinha em casa e depois o foco já era todo no evento de lançamento do livro.
Até aqui, eu já tinha visto as fotos do livro pronto, só não tinha experimentado a sensação de ter o 'A Rima da Insulina' em mãos. 

Pegar o livro prontinho, passar cada página... me apaixonei! Tudo que eu tinha pensado junto com as meninas parceiras que fizeram esse projeto acontecer - a Pati Castro, ilustradora, a Pat Capela e a a Tati Kely, da Quase Oito - estava ali, de verdade. 
Cada pedacinho do texto, cada ilustração! O pedido de uma 'mãe pâncreas' para ajudar sua pequena docinha estava ali, impresso, colorido, cheio de amor e em forma de um livro que me encantou do começo ao fim. 

Conheci a Helena há uns 3 anos. Sabendo do susto que ela tinha levado com o diagnóstico da filha (a Sofia), a Carol, uma amiga em comum, marcou um café da manhã para que a gente se conhecesse e conversasse. Quem sabe assim, eu ajudaria a Helena a acalmar o coração. Da mesma forma que eu entrei em pânico pela falta de informação sobre a condição, a Helena também estava meio sem chão. 
Diabetes é assim... chega sem avisar, assusta sem nem pedir desculpa. Até que, com conhecimento, educação e muita paciência, a gente entende que ele não é uma sentença e que podemos viver bem com ele. 

Entre a compreensão daquela nova vida, depois do atropelo do diagnóstico, dos furos nos dedos e das injeções de insulina, a Helena me pediu um 'socorro': pouco tempo depois do nosso encontro, a Sofia começou a perguntar por quê ela precisava tomar injeções todos os dias. Como dizer isso para uma pequenina de maneira que ela entenda? 
- "Ju, escreve um texto, me ajuda a explicar isso para a Sofia!"

Uau! Que missão!
Eu sabia que o texto não ia nascer assim, na pressão, e nem da noite para o dia. Mas eu também sabia que eu não ia esquecer aquele pedido e só ia sossegar até que entregar essa encomenda cheia de amor... 

Pois bem... Este ano o texto surgiu. 
Cabeça e coração a postos, dedinhos nervosos escrevendo a história da Nina e do Pedro. A história do açúcar que não chega no ponto final. A história da Nina que rima com insulina e do Pedro que rima com furo no dedo. A história de cada docinho que tem uma força que vai além do tamanho deles. Que brincam, comem feijão, andam de patinete e que têm diabetes. 
Mandei para a Helena e ficamos, as duas, emocionadas com a minha Nina, a Sofia transformada em prosa e verso. 

Junto com a Nina, nasceu a história do meu Pedro. A inspiração veio do Rafael, um menino cheio de alegria e energia lá de Brasília. 

Carol e Rafa eu não conheço pessoalmente; Helena e Sofia não moram mais no Rio. Mas seguimos 'juntos' na doçura do diabetes, no aprendizado compartilhado, na saúde, nas glicemias que vem e vão, na luta pela causa. 

A Carol, mãe dele, deixa a gente participar do dia a dia do Rafa da mesma forma como a Helena divide os dias da Sofia e tal como eu abro meus dias doces para quem quiser participar: através das redes sociais. Quanta potência nesse caminho, não é?

Agora, o meu desejo é que 'A Rima da Insulina' seja, através da brincadeira, uma ferramenta para as crianças, para os nem tão crianças, para os que já cresceram e não perderam a magia do olhar infantil. Para familiares, amigos, cuidadores. Para médicos, especialistas, professores... 

Eu desejo que o sorriso e a doçura desses pequenos, tanto Nina e Pedro quanto Sofia e Rafa, e a fortaleza dessas mães seja inspiração para muitos! 


O dia 06 de outubro aconteceu e foi lindo! 


Foi lindo ter a minha família, os meus amigos, minha Super Endócrino, pessoas que acompanham o blog, outras que estão estudando sobre a importância da educação e da informação, a família da Sofia (quanta emoção!!)... Que energia boa! Tantos abraços, tantos beijos, tantos sorrisos trocados. Tanta felicidade!! 
Sofia e Helena, Carol e Rafa presentes, com certeza. A eles eu agradeço imensamente por confiar em mim e por me ensinarem sempre. 

A cada um que segue do meu lado nessa vida cheia de insulina, muito, muito, muito obrigada por eu nunca ter estado sozinha.

Amo vocês. 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Febre amarela: a gente - doce - pode se vacinar?

Do tipo que se importa...

Pesquisa e Educação em Diabetes...