Aqui no IP estão expostos os meus medos, as minhas descobertas, as conquistas, os avanços nas buscas pela cura do diabetes pelo mundo, os passinhos para um melhor controle da glicemia.

O que começou como um espaço de aprendizado e de dividir a minha convivência com o DM1, se transformou em estímulo para um melhor controle da minha doçura e para seguir mostrando que se funciona para mim, pode funcionar também para tantas outras pessoas que tem o diabetes como companheiro.

26 janeiro, 2018

Ih... esqueci!!!!

Início do ano é sempre movimentado por aqui. Além da energia normal de (re)começo que chega com o novo ano, de organizar e planejar as atividades e o trabalho, tem o carnaval!! Sim, não é novidade que eu curto e me jogo na folia. E aí tem os ensaios dos meus blocos, ensaios dos blocos dos amigos, tem as fantasias, os figurinos... purpurina guiando os dias!

Não deixo de prestar atenção na glicemia e na minha condição de gente doce. Mas ninguém é de ferro e no meio da correria eu acabei esquecendo meu kit de sobrevivência em casa ontem. Saí com tamborim e baqueta: se ia ensaiar, não podia esquecer o instrumento em casa...

Lá pelo meio do ensaio, decidi dar uma paradinha para checar a glicemia. Só aí é que eu percebi que estava tudo em casa. Não tinha glicosímetro, não tinha mel para corrigir uma hipo, não tinha insulina, não tinha agulhas! Cinco segundos sem respirar e quando passou aquele impacto momentâneo, acabei relaxando.

Eu estava me sentindo bem e tinha conferido a doçura antes de sair de casa (e mesmo assim esqueci de guardar o estojo com o glicosímetro na bolsa!!).
Tinha lanchado também, então estava garantida uma carguinha de carboidratos que segurasse as duas horas de batucada. Além disso, os amigos do bloco sabem da minha condição e sabem como ajudar, caso eu precise.
Com tudo isso, fiquei tranquila.

Teve cervejinha durante o ensaio, teve pastel depois do ensaio e, como estava com fome, comi mesmo sem poder fazer a correção com a insulina.

Quando voltei para casa, a primeira providência foi furar meu dedinho e ver como estavam as coisas: 233mg/dL. Decidi não corrigir. Sabia que ainda tinha resquícios de cerveja no organismo, o corpo ainda estava sentindo a agitação do batuque e eu preferi deixar assim.
Tomei minha dose de glucerna (conforme definido e estabelecido pela minha endócrino, faço uma suplementação antes do carnaval, porque acabo perdendo peso nessa época) e dormi.

Hoje de manhã, a doçura já estava assim:
Claro que não é o ideal sair sem o glico e os insumos e menos ainda comer às cegas, sem medir e nem corrigir, mas eu sabia que não estava em risco, que logo voltaria para casa e jamais seria irresponsável a ponto de ficar lá me sentindo mal, sem poder verificar a quantas andava a minha glicemia.

Tenho a consciência de que conhecer e me educar sobre o diabetes é o que me dá segurança para saber o que fazer quando esses esquecimentos acontecem.

Agora, foco e atenção redobrados, meu kit coladinho comigo e vamos em frente na folia!!





Nenhum comentário:

Postar um comentário