Cola, descola, puxa, prende...

Desde o meu primeiro sensor, a realidade de que todo cuidado é pouco para manter esse botãozinho no lugar chegou também!
Com 5 dias de instalação do meu primeiro Libre, arranquei numa batida que dei na porta da cozinha, em casa. 

Depois desse, outros já se foram por atos meus, completamente estabanada que sou. 

Fico atenta, calculo os espaços... mas me sinto tão à vontade com ele no braço que realmente esqueço por alguns momentos e é aí que os incidentes acontecem. 

Acabei partindo para tentativas de reforço. 
A primeira foi com a kynesiotape. A kynesio é uma tira adesiva de uso em fisioterapia. Funcionou, só que descolou bem rápido e acabei decidindo testar outra alternativa. Dessa vez, o Tegaderm. Gostei! É mais fino e mais suave que a kynesio. O único problema é que tive uma alergia enorme!! Desisti... 
Mais uma opção de adesivo: Leukomed. É um adesivo cirúrgico, de uso em bebês, então o risco de alergia era menor. Ele é ainda mais fininho e por isso mais chatinho de colocar. Só que não teve jeito: alergia de novo! 
Em relação à duração do adesivo na pele, o Tegaderm e o Leukomed não fizeram diferença, comigo começaram a descolar no terceiro dia... 
E agora??
Agora é ter toda a atenção do mundo para manter o sensor preso no lugar!

Nesse meio tempo, ganhei a braçadeira do Libre que a Marina Collaço (da página Diabética Tipo Ruim) desenvolveu.

Um, dois, três... testando! 
Fácil de colocar, fecha com velcro e encaixa direitinho no sensor.
A única questão é que ficou um pouquinho grande no meu braço... quase que o velcro passa do limite de fechar. 

Você pode colocar e remover quantas vezes quiser, achei bem funcional e prático para fazer exercícios. No pilates não tive qualquer contratempo! O próximo passo é testar em um ensaio da minha batucada!!

No corre-corre do dia a dia, cada solução ajuda por um tempo e protege à sua maneira. Vou alternar cada uma delas, conforme a necessidade e a ocasião. 




Comentários

  1. Olá te acompanho no Facebook, comprei esse dispositivo pra testar. Vc o utiliza para dormir? Vi outro dia que vc tinha perdido um sensor pelo calor, foi dia de ensaio e o mesmo descolou do seu braço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Melody. Eu uso e gosto bastante. Só estou preferindo suspender nessa época porque toco em blocos de carnaval e acabo perdendo o sensor esbarrando em alguém ou por conta do suor excessivo nos ensaios e em dias de desfile dos blocos.
      O sensor fica no braço por até 14 dias, se você tirar não é possível recolocar. Então é de uso contínuo mesmo... pode tomar banho, dormir. Dia normal. ;)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Febre amarela: a gente - doce - pode se vacinar?

Pesquisa e Educação em Diabetes...

OneTouch Reveal: 1, 2, 3... testando!