Recomendações de Políticas Para Melhorar o Acesso aos Cuidados com Diabetes

A Federação Internacional de Diabetes (IDF) em conjunto com as instituições brasileiras ADJ Diabetes Brasil, Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), Associação Nacional de Atenção ao Diabetes (ANAD) e Federação Nacional das Associações e Entidades de Diabetes (FENAD) desenvolveram um conjunto de recomendações para melhoria das políticas públicas relacionadas ao acesso e ao cuidado do diabetes no Brasil.
O objetivo que se quer alcançar com a publicação dessas políticas públicas é bem grande e importante: conter o avanço epidêmico do diabetes no Brasil.
O número de novos casos - seja DM1 ou DM2 - só aumenta a cada ano. Não se fala sobre a condição e isso acaba colaborando para que as pessoas não reconheçam os sintomas da doença e, assim, acabam não buscando ajuda ou compreendendo de antemão o diagnóstico.

Outro ponto focal destas recomendações é em relação às complicações... A falta de entendimento sobre os cuidados com o diabetes no dia a dia leva a problemas sérios e talvez até irreversíveis.

Em detalhes, as propostas apresentadas foram uma solicitação para que o Governo brasileiro melhore o Plano Nacional de Diabetes(**) no Brasil, no que se refere aos seguintes itens

 --> Aumentar o orçamento dedicado a todos os aspectos do cuidado com diabetes, melhorando a acessibilidade e disponibilidade dos medicamentos e insumos essenciais, assim como medicações e tecnologias inovadoras. 
    - Garantir a aplicação da Lei Federal 11.347/06, que garante a distribuição de medicamentos e insumos essenciais de forma gratuita. 

    - Melhorar a disponibilidade de insulinas análogas e iniciar o fornecimento do glucagon pelo Governo. 
    - Aumentar o fornecimento pelo Governo de medicações e tecnologias inovadoras que possam melhorar os resultados de saúde das pessoas com diabetes. 
    - Prevenir a falta e garantir o acesso a medidores de glicemia e fitas de teste.

--> Implementar um programa de rastreio nacional, junto com um programa educacional para pessoas em alto risco de diabetes e para profissionais de saúde, para garantir que todos no Brasil tenham acesso a cuidados de alta qualidade, incluindo:
    - O estabelecimento da equipe de saúde multi-disciplinar nos principais hospitais do país para garantir que todos os pacientes tenham acesso ao tratamento adequado
    - A implementação de mais centros dedicados a educação de jovens diagnosticados com diabetes tipo 1 e tipo 2 pelo país, pois esse segmento da população não está recebendo assistência de boa qualidade na grande maioria dos estados brasileiros.

(** O Plano Nacional de Diabetes, na verdade, é o Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT)

Toda ação buscando melhorar o acesso a medicamentos, insumos, qualidade de vida e educação em diabetes é válido. 

Não critico esta proposta mas, honestamente, também não vejo como suficiente. 
Os análogos por exemplo, já foram aprovados. Mas não foram incluídos no Protocolo de Saúde no prazo devido. A disponibilização de tratamentos mais modernos, com tecnologias mais avançadas, é essencial sim... Só que atualmente as unidades básicas de saúde, no geral, não estão fornecendo nem a quantidade de tiras teste suficiente para uma pessoa com diabetes medir a glicemia em um dia.  

A mudança precisa acontecer logo!
Que estas instituições brasileiras sigam com força na busca pelo que as pessoas com diabetes precisam para viver. 
J á passou do limite... 
Já passou da hora.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Febre amarela: a gente - doce - pode se vacinar?

De um dia azul...

Uma dose de insulina, outra de confiança...