Aqui no IP estão expostos os meus medos, as minhas descobertas, as conquistas, os avanços nas buscas pela cura do diabetes pelo mundo, os passinhos para um melhor controle da glicemia.

O que começou como um espaço de aprendizado e de dividir a minha convivência com o DM1, se transformou em estímulo para um melhor controle da minha doçura e para seguir mostrando que se funciona para mim, pode funcionar também para tantas outras pessoas que tem o diabetes como companheiro.

08 julho, 2017

A comprovação da Tresiba...

Uso a Tresiba desde julho de 2016. Simpatizei com ela de cara, pelo fato de ser uma dose única a cada 24 horas. Afinal, não é porque eu digo que as injeções não me incomodam que eu vou querer aplicar a todo momento, certo?

Como toda mudança de tratamento, fiquei desconfiada no início. 2 anos usando a NPH (Novolin), que eu aplicava três vezes ao dia, depois outros 5 usando a Levemir, com uma dose a cada 12 horas. Então, eu sabia que levaria um tempo até acreditar mesmo que a Tresiba duraria pelas 24 horas seguintes...
Na verdade, essa era uma dúvida que eu tinha desde que ouvi falar da tal insulina de longa ação pela primeira vez. Já em 2014, quando anuncie a grande novidade da época, questionava se a ação prolongada seria um problema: "se porventura antes das 42 horas a glicemia sofrer alteração e for necessária alguma correção, como a Tresiba ainda estará no organismo, poderia haver um 'acúmulo' de insulinas e, consequentemente, causar uma hipoglicemia?".

Pois bem, desde que comecei com essa insulina percebi que meu controle glicêmico deu uma melhorada. Esse resultado também foi refletido na minha hemoglobina glicada (a velha batalha pessoal... já falei bastante sobre isso por aqui) e tive bem menos casos de hipo.

O EU-TREAT (European Tresiba Audit) apresentou recentemente alguns dados de um estudo chamado 'Vida Real', mostrando que "as pessoas com diabetes tipo 1 e tipo 2 experimentaram uma redução significativa nas taxa de hemoglobina glicada 6 meses após passarem para um tratamento com a Tresiba". No que se refere à hipoglicemia, a melhoria também apareceu: "em pessoas com diabetes tipo 1, a taxa de hipoglicemia grave foi reduzida em 85%, índice que subiu para 92% em pessoas com diabetes tipo 2".

A boa nova é que recentemente foi divulgado pela Novo Nordisk (a fabricante) o resultado de outro estudo - o DEVOTE - realizado para avaliar o efeito da Tresiba, desta vez mais focado em pacientes de diabetes tipo 2.
{Um à parte: geralmente pacientes de DM 2 são tratados com medicamentos orais; mas, em alguns casos, a terapia com insulina é incluída no tratamento.}

Voltando... No DEVOTE, 7.637 pessoas já diagnosticadas com diabetes tipo 2 e alto risco de desenvolver doença cardiovascular (entre eles, 10 brasileiros) foram envolvidas; 3.818 utilizaram a Tresiba (uma insulina degludeca) e os outros 3.819 utilizaram uma insulina de longa ação similar, com princípio ativo diferente (insulina glargina). Eles foram monitorados por dois anos e o que se buscava era avaliar o tempo até a ocorrência de um problema cardiovascular e como seria o reflexo do tratamento em relação às hipoglicemias graves, às noturnas, aos efeitos na glicemia de jejum e na hemoglobina glicada.

Na declaração do Dr. Bernard Zinman, que é membro do Comitê Diretor do DEVOTE, ficam claros os benefícios e resultados alcançados:
- "No estudo DEVOTE, a insulina degludeca mostrou reduções significativas nas taxas de hipoglicemia grave (40%) e noturna (53%), além de não demonstrar aumento no risco de eventos cardiovasculares maiores, em comparação com a insulina glargina. O risco de hipoglicemia grave e doença cardiovascular são preocupações importantes para pessoas com diabetes tipo 2 (...)."

A evolução nos tratamentos - e aqui cabe tanto o tipo de insulina utilizada quanto a maneira como se faz as aplicações - sem dúvida é um ganho para nós, docinhos, que precisamos estar atentos todos os dias, a todo momento. O diabetes é uma doença crônica, mas que pode ser controlada. Com informação e entendimento e com a parceria do seu médico - nunca altere seu tratamento sem orientação médica!! - é possível manter a saúde em ordem.





Além dos benefícios já comprovados, na minha opinião a Tresiba tem mais uma vantagem: você define o melhor horário para aplicar! Só é preciso respeitar isso a cada dia.

A minha dose eu tomo por volta de 08h da manhã.
Prefiro assim, tenho a sensação de cumprir a missão logo cedo e depois deixar o dia correr tranquilo, mas o horário deve ser aquele que melhor se encaixe na rotina de cada um.

Ou seja, maior controle e menor interferência nas nossas atividades do dia a dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário