Aqui no IP estão expostos os meus medos, as minhas descobertas, as conquistas, os avanços nas buscas pela cura do diabetes pelo mundo, os passinhos para um melhor controle da glicemia.

O que começou como um espaço de aprendizado e de dividir a minha convivência com o DM1, se transformou em estímulo para um melhor controle da minha doçura e para seguir mostrando que se funciona para mim, pode funcionar também para tantas outras pessoas que tem o diabetes como companheiro.

29 abril, 2017

Uns dias na bela - doce - e Santa Catarina!

Uma viagem recheada de guloseimas: foi assim a temporada em Santa Catarina!
A comemoração de 50 anos de casados de dois queridos que o coração escolhe como família, os dias de calmaria em Florianópolis...

Tio Pedro e Tia Zu reuniram os amigos e os familiares para comemorar as Bodas de Ouro. Entre esses, eu tive a honra de ser convidada. Que alegria!!
Conheci esses tios queridos há alguns - muitos - anos, mas a história começou em 1994, lá pelos cantos de Iowa, nos Estados Unidos.

Quando viajei para passar 6 meses fazendo high school, conheci 3 brasileiros por lá num encontro de intercambistas. Com a Ana mantive contato depois e seguimos assim até hoje, minha sister catarinense.
Eu do Rio, eles do Sul. Mas uma afinidade e uma amizade que cresceram, sem deixar a distância interferir.

Os tios do coração são os pais da Ana.


Estive com eles rapidamente numa visita pela cidade maravilhosa recentemente e agora passei 3 dias bem gostosos curtindo a festa e o aconchego lá no interior de Santa Catarina, em São Bento do Sul.

A mesa era farta: alegria, muita diversão e muitos quitutes irresistíveis!!

Cucas de todos os sabores, carneiro recheado, pinhão, docinhos e sobremesas de enlouquecer até quem não é assim tão ligado nos doces.

- Ah, mas não precisa comer isso tudo todo dia.
De fato, não precisa. Mas quem me acompanha por aqui, sabe que eu sou super comedida e não faço mesmo questão de mergulhar de cabeça em doces e afins.

Só que desta vez, a atmosfera de festa e as reuniões em torno da mesa fizeram com que eu me rendesse à todas as delícias do Sul. Não me fiz de rogada: media meu docinho e aplicava a insulina de ação rápida, aquela de correção.



'Caneta' e agulhas a postos e não deixei passar os camafeus que foram, com certeza, os melhores que eu já comi. As correções não foram certeiras sempre... Algumas a menos, outras a mais, mas tudo fica como aprendizado. A monitorização aconteceu com mais frequência para não deixar que nada atrapalhasse o final de semana de comemoração (e, cá entre nós, o Libre facilitou essa missão).
Nada de culpa, quando a gente faz as coisas com planejamento e consciência.

Acolhida grande e cheia de afeto pela família!

Beatriz cheia de conversa, canto e encanto...

Depois, mais uns dias de sossego, papo e riso em Floripa.
Frio de leve, sopinhas, vinho.
Livro, planejamentos, filme.
Lagoa da Conceição, que nunca me cansa...

Agora, de volta à capital carioca, hora de colocar o trabalho em dia!

Mais uma vez a prova de que o diabetes não me limita. Uma viagem sem sobressaltos nem sustos, com alguns furinhos a mais na pança e doçura sob controle.
Que venha a próxima!!





Nenhum comentário:

Postar um comentário