Aqui no IP estão expostos os meus medos, as minhas descobertas, as conquistas, os avanços nas buscas pela cura do diabetes pelo mundo, os passinhos para um melhor controle da glicemia.

O que começou como um espaço de aprendizado e de dividir a minha convivência com o DM1, se transformou em estímulo para um melhor controle da minha doçura e para seguir mostrando que se funciona para mim, pode funcionar também para tantas outras pessoas que tem o diabetes como companheiro.

05 fevereiro, 2017

O papel de um jornal...

Não é de hoje que algumas manchetes de jornal vêm chamado atenção pela forma com que são apresentadas. Títulos confusos e mal escritos, seja qual for o tema.
Imagina só quando o assunto tratado é um que ainda precisa de muito esclarecimento por aí...

O diabetes por si só é uma doença crônica que ainda atrai o pensamento diretamente para 'morte' e para muitos 'não pode'. Eu não entendia muito sobre isso e de fato só fui aprender - do básico ao dia a dia de um tratamento - depois de diagnosticada.

Mas para divulgar uma matéria em jornal é preciso, no mínimo, coerência e pesquisa.

No início deste ano uma notícia trazia a informação sobre uma cirurgia feita pelo Romário para "reduzir diabetes".
Oi??!

Cautela e cuidado no que é dito, minha gente. Por favor!
Diabetes não é reversível, não tem cura e nem se 'reduz'. Diabetes se controla. E se convive bem com ele, obrigada!

A matéria da globo.com anunciava que o 'Peixe' havia perdido 10 kg após realizar o procedimento e que agora ele vinha fazendo o que os médicos recomendavam, depois que o "diabetes chegou a 400".

Quanta coisa desencontrada!
Primeiro, diabetes é a condição, doença crônica; o que chega a 400 (mg/dL.) é a glicose - taxa de açúcar no sangue. Segundo, o que os médicos recomendam é uma alimentação regrada, equilibrada, saudável, atrelada a uma rotina de atividades físicas. Ou seja, recomendação universal para qualquer pessoa.

Me preocupa este tipo de notícia veiculada pela internet sem maiores detalhamentos, mais ainda quando se refere a uma pessoa 'famosa' que atrai os olhares de tanta gente.
Enquanto por aí faltam informações básicas sobre o diabetes (quais os tipos mais comuns, os tratamentos disponíveis, quais as consequências da falta de controle...), uma notícia dessas pode levar outras pessoas a buscar alternativas que não necessariamente se aplicam a elas.

Não se pode esquecer que o tratamento para o diabetes é individualizado, sempre!
Em caso de dúvida, busque seu médico ou um profissional de saúde especializado.

Deixo aqui, na íntegra, a declaração publicada pela equipe da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia - SBEM acerca da questão:

"Diabetes, Cirurgia e Cuidados com a Saúde

No começo do mês, reportagens mostraram um físico diferente do senador Romário, que perdeu 10 quilos em 45 dias. Em entrevista, o Dr. Márcio Mancini, membro da diretoria da SBEM Nacional e do Departamento de Obesidade da entidade, alertou para as indicações da cirurgia bariátrica/metabólica para pacientes com IMC maior ou igual a 35.
É importante deixar claro à população que o procedimento pelo qual Romário passou, que foi a cirurgia de interposição ileal, ainda está em fase experimental no Brasil e não deve ser indicada fora de um protocolo de estudo aprovado pelo Conselho Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP). [grifo meu] 
O Dr. Fábio Trujilho, presidente da SBEM Nacional, alerta não só para os riscos cirúrgicos propriamente ditos, mas também para as complicações tardias como deficiências nutricionais. “Entre elas, anemias por deficiência de ferro, de vitamina B12 e/ou ácido fólico, deficiência de vitamina D e cálcio, e em alguns casos, até mesmo a desnutrição”, explica o endocrinologista.
Segundo o presidente, o tratamento do diabetes tipo 2 é feito com sucesso com a combinação de alimentação adequada, atividade física e medicamentos. “A cirurgia bariátrica∕metabólica pode ser considerada como opção de tratamento para os adultos com Diabetes Mellitus Tipo 2 e Índice de Massa Corporal (IMC) maior que 35 Kg/m2.
De acordo com o Dr. Márcio Mancini, recentemente medicamentos modernos foram lançados para tratamento do diabetes tipo 2, entre eles alguns que mostraram redução de mortalidade cardiovascular. "Em 2016 um estudo (CROSSROADS) comparou o melhor tratamento clínico com medicamentos para diabetes e o tratamento cirúrgico com bypass gástrico. Ao final de um ano não houve diferença na hemoglobina glicada entre o grupo de tratamento clínico e o de tratamento cirúrgico".
Esse tipo de cirurgia, como explicaram os especialistas da SBEM, pode levar ao controle do diabetes, quando bem indicada, mas é necessário acompanhamento médico contínuo. [grifo meu]
“A recomendação da SBEM é que o paciente converse com seu endocrinologista para avaliar a indicação do procedimento mais adequado para o seu caso”."
Saúde é coisa séria.
Muita atenção à qualquer notícia sobre procedimentos e tratamentos!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário