Aqui no IP estão expostos os meus medos, as minhas descobertas, as conquistas, os avanços nas buscas pela cura do diabetes pelo mundo, os passinhos para um melhor controle da glicemia.

O que começou como um espaço de aprendizado e de dividir a minha convivência com o DM1, se transformou em estímulo para um melhor controle da minha doçura e para seguir mostrando que se funciona para mim, pode funcionar também para tantas outras pessoas que tem o diabetes como companheiro.

01 junho, 2016

A difícil arte da resposta certa!

Ontem saí da consulta com a minha Otorrino e passando em frente ao Rei do Mate, decidi parar. Sei que eles têm um capuccino sem açúcar, daqueles de pózinho pronto, mas eu estava com vontade desse mesmo! Cremosinho, saboroso...

Pedi: 'Um capuccino light pequeno, por favor'.
- Senhora, ele já vem adoçado. Quer mais açúcar?
Peraí, mas o light não é sem açúcar? 
- Ele já vem adoçado.
Repeti: 'Não é sem açúcar?'
- Ele já vem adoçado.

Pedi para ler os ingredientes (eles vendem um potinho do tal capucccino) e, pelo olhar que ela me deu, achei que fosse chamar a polícia. 

Adoçado pode ser com adoçante e, como eu já esperava, era exatamente isso! Neste caso específico, o doce vinha do aspartame. 

Mostrei a ela e finalmente consegui o que havia pedido, mas me senti como uma pessoa que tinha acabado de ofender outra. Qual é a complicação para escolher a resposta entre um sim ou um não?

E olha, alguns lugares já oferecem opções sem qualquer tipo de açúcar ou adoçante - vamos lembrar que as pessoas, com diabetes ou não, podem não querer açúcar. Ou eu, docinha que sou, posso sim querer até com açúcar! Mas a maioria dos restaurantes e lanchonetes olham torto quando faço a ressalva... 
A grande questão é que eu e sei exatamente o que tenho que fazer quando a minha opção for pelo 'sim'. Só que para isso, preciso perguntar e preciso ter certeza, o que significa uma resposta clara e precisa. 

Difícil, viu!!


Nenhum comentário:

Postar um comentário