Aqui no IP estão expostos os meus medos, as minhas descobertas, as conquistas, os avanços nas buscas pela cura do diabetes pelo mundo, os passinhos para um melhor controle da glicemia.

O que começou como um espaço de aprendizado e de dividir a minha convivência com o DM1, se transformou em estímulo para um melhor controle da minha doçura e para seguir mostrando que se funciona para mim, pode funcionar também para tantas outras pessoas que tem o diabetes como companheiro.

29 junho, 2015

Pra levar a doçura pra passear...

E hoje é dia de colocar o pé na estrada de novo. Mas dessa vez, a viagem pede um pouquinho mais de organização já que envolve caminhadas e trilhas para cenários incríveis.





Durante os próximos dias as glicemias capilares serão medidas com mais frequências, para reduzir qualquer ricos: antes e depois das caminhadas pelas trilhas, com trechos variando entre 3km e 12 km...
Como são atividades diferentes das comuns do dia a dia, é preciso ficar atenta e manter um controle mais preciso do docinho.








Para aproveitar tudo que a Chapada dos Veadeiros tem de melhor, o planejamento envolve desde agulhas, lancetas, tirinhas e insulinas em quantidades maiores do que as usualmente necessárias para uma semana - depois do sustinho em Floripa, não esqueci de colocar uma caneta extra! - até sachês de mel para um caso de ocorrência de hipoglicemias e meias mais confortáveis para que não haja qualquer problema depois de um dia inteiro de boot.

Case térmico para as insulinas também a postos, hora de começar a aventura!



23 junho, 2015

A engenharia do bem estar

Mais uma vez a parceria entre tecnologia e saúde está rendendo bons resultados!

A invenção que está ocupando as manchetes hoje é um adesivo que substituiria as injeções de insulina, atualmente os recursos mais eficazes para nós, docinhos, repormos o hormônio que não produzimos.


Os pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte, responsáveis pelo feito, chamam de "dispositivo inteligente de insulina". 

Este adesivo tem agulhas bem pequenas - comparadas ao tamanho de de um cílio, que mesmo minúsculas assim tem um sensor com uma enzima capaz de medir os níveis de glicose no sangue. Além disso, carregam "unidades microscópicas de insulina", que vão sendo liberadas de acordo com a variação glicêmica.

Sem dúvida um avanço enorme!

Os estudos estão em andamento, mas ainda é preciso passar pela etapa dos testes em pacientes, para então se considerar o uso de fato.

O importante é ver que o diabetes está cada vez mais chamando a atenção no mundo todo. 
Se antes era porque tinha o peso de uma doença fatal e irreversível, hoje a posição ocupada é de uma condição ainda séria, mas absolutamente controlável. 

E essa busca cada vez mais frequente por alternativas de tratamentos mais eficazes e que tragam resultados melhores, com menor "sofrimento", só reforça esta tese!





19 junho, 2015

Pra ajudar a planejar as férias...

Férias chegando e a possibilidade de uma viagem também?!
Dá para programar todas as aventuras com os amigos, sem deixar de lado os cuidados com a glicemia.

Eu já dei algumas dicas boas aqui no IP: tirinhas, agulhas e insulina em quantidades suficientes, lanchinhos - com e sem açúcar, atestados médicos...

Mas no próximo encontro de Jovens Maiores de 16 anos na ADJ, o tema será exatamente este: 'Como controlar as Glicemias em Viagens'.





Vale conferir: 20/06, às 14h.

Depois, é só arrumar a mala e sair para a diversão!

17 junho, 2015

O controle que vem do prato

Uma das coisas que sabemos que funciona para manter um bom controle do diabetes é a boa alimentação.

Equilíbrio e alimentos com baixo índice glicêmico, a escolha pelos integrais sobre os de farinha branca.

Sempre surgem novas dietas que são recomendadas para isso ou aquilo, que fazem bem para o coração, para pele até!

Mas o que devemos levar em consideração? Enfim, com tanta coisa aparecendo a cada dia, acho que o mais importante é nunca deixar de lado o tratamento. E junto a isso, eventualmente testar alternativas nas refeições pode ser uma boa.




Médicos e Nutricionistas do Physicians Committee for Responsible Medicine realizaram uma pesquisa com 17 pacientes de diabetes tipo 2, já com sobrepeso, visando a prevenção contra o desenvolvimento ou progressão de neuropatias diabéticas.

Durante o teste, esses pacientes foram submetidos a uma dieta exclusivamente vegana por 20 semanas.

O resultado, que foi publicado no final de maio na revista Nutrition & Diabetes, foi super positivo: os pacientes não só conseguiram maior controle das glicemias, como também emagreceram.

Todo cuidado é pouco e, em caso de decidir seguir uma dieta semelhante, a recomendação é que a gente recorra aos médicos respectivos antes de dar o primeiro passo.
Cada organismo funciona de um jeito e pode ser preciso, inclusive, ajustar as  dosagens de medicamentos e insulina.

No mais, verduras e legumes todos os dias serão sempre boas escolhas!




16 junho, 2015

Bate-papo de adultos...



Mais evento da ADJ chegando.
Dessa vez, é a reunião do Grupo de Adultos.

Quando? Amanhã, dia 17/06.
Que horas? Às 14h.





Para quem puder e/ou quiser dividir um pouco do seu dia a dia convivendo com o diabetes, tirar suas dúvidas e, claro, aprender também!



15 junho, 2015

Pra variar no café da manhã...

Eu não sou muito de inventar moda no café da manhã, mas há algum tempo venho querendo fazer aquelas panquecas tão comuns e habituais para os americanos. Tinha uma única coisa me fazia nunca colocar o plano em prática: a quantidade de massa. Sempre ficava com medo de sobrar e aí acabar estragando...

Agora achei uma receitinha boa, bem fácil, na quantidade exata e que fica pronta em 5 minutos!
O melhor de tudo: não tem necessidade de açúcar ou adoçante no preparo.

Os ingredientes: 1 banana prata, 1 ovo, 1/4 de xícara de aveia. Só! 
Modo de fazer: bater tudo num processador. Só!

O relutado é esse:
Eu adorei!

A massa fica assim:
Basta despejar uma concha numa frigideira pré-aquecida, sem nada (não precisa de manteiga, óleo, nadinha...).

Esta receita serve duas panquecas, o suficiente - no meu caso - para uma pessoa. 
Para deixar ainda mais gostosa, comi as minhas com geléia de cereja.

Recomendo muito! É uma alternativa leve, bem saborosa e, além de tudo, saudável!




13 junho, 2015

Sem furinhos e sem limites!

O mundo das tecnologias não para de surpreender! (E, cá entre nós, isso é ótimo!!)

Está em desenvolvimento um novo monitor de glicemia não invasivo, o GlucoWise.
Nada de tirinhas, furinhos nos dedos e aquele 'espreme-espreme' para tirar uma gotinha de sangue.

Neste monitor, a glicemia será medida através de ondas de rádio em baixa frequência. O aparelho tem um sensor que, quando pressionado entre o dedão e indicador ou no lóbulo da orelha, faz a leitura através da pele.

O resultado é apresentado em 10 segundos e, no momento da leitura, os dados já são transferidos via wifi para o aplicativo do monitor em um smartphone ou tablet.

O produto só será aprovado após a conclusão dos testes com pacientes... Por enquanto, a previsão é que esteja disponível para comercialização no final de 2016.

Pense na economia e na praticidade?!
Que venham bons resultados desta fase de testes e que o monitor - uma vez aprovado - não demore a chegar por aqui.



12 junho, 2015

Agenda ADJ - atividade chegando!

Neste sábado tem reunião de Crianças e Pais na ADJ: às 09h com os pequenos de 3 a 6 anos e às 10h, de 7 a 11 anos.

Às 10h acontece também a reunião de Pais e Adolescentes. 

E além disso, tem Festa Junina.
É só levar um pratinho de salgado ou de doce diet e aproveitar!!

Informação com diversão... Não podia ser melhor!


10 junho, 2015

Portas fechadas...

Hoje a notícia que vem não é boa...

Há alguns meses falei aqui sobre a ONG Pró-Crianças e Jovens Diabéticos, um trabalho incrível que consistia em identificar e acompanhar estes pacientes levando até eles acompanhamento médico, educação em diabetes e uma melhor condição de saúde e de vida.



Criada em 2005, a ONG está fechando as portas. Por razões diversas, as responsáveis não puderam permanecer na coordenação do trabalho e não houve quem pudesse assumir.





Uma pena ver um projeto tão importante e que trazia tantos benefícios ser descontinuado. Na torcida para que esses crianças e jovens tenham conseguido absorver o máximo no tempo em que foram atendidas pela ONG e que, agora, continuem seguindo em frente com seus tratamentos. 





09 junho, 2015

Ingredientes: conhecimento e moderação!

Logo na época do meu diagnostico, fui a uma consulta com Nutricionista e como comentei algumas vezes, absorvi bem pouco. Na minha cabeça ficaram duas coisas: não poderia comer açúcar de qualquer maneira; não poderia comer uvas, caqui, melancia, melão e fruta do conde.

Depois, por minha conta, restringi também a água de coco.

Um dia, comentando com a minha Super sobre essa última, ela me perguntou por quê. E eu respondi: porque eu acho que não pode.
- Quem falou?!
- Não sei!!

Mas pirei mesmo e levei as restrições - todas! - a sério.

O fato é que consumir açúcar refinado, industrializado, não é necessário. Mas um produto, um prato legal num restaurante ou uma sobremesa que tenham açúcar, pode sim.

A questão é saber equilibrar e apostar em uma refeição balanceada, que tenha carboidratos, fibras, proteínas e até gorduras - daquelas que fazem bem (peixes, nozes, castanhas, sementes de girassol, algumas frutas, como o abacate...).

Sobre os carboidratos, que são os que mais interferem na nossa glicemia, é importante também entender a diferença e saber identificar quais são os simples - que atingem a corrente sanguínea em até 15 minutos após a ingestão - e os complexos, que levam entre 15 minutos e 2 horas para chegar na corrente sanguínea.

Eles são facilmente identificáveis no dia a dia... Alguns exemplos:
Simples - massas e pães preparados com farinha branca, doces, leite, iogurte, biscoitos;
Complexos - massas e pães preparados com farinha integral, legumes, leite e iogurte desnatados, aveia, grãos em geral...

O mito sobre as frutas que haviam sido restringidas caiu por terra. Não é que não possa comer, basta consumir nas porções corretas (duas ou três unidades uma determinada fruta pode ter impacto na glicemia).
Até a água de coco já voltei a beber, mas também com moderação, como tudo deve ser.

Minha endócrino, sabendo que sou uma apaixonada por brigadeiro, quando vê bons resultados nos meus exames me dá até uma colher de chá: "pode comer um brigadeiro, não tem problema".
Mas a resposta é sempre a mesma: - não tem necessidade.

E isso não é hipocrisia, é verdade. Mas olha, não me faço de rogada, viu... quando realmente a vontade aparece, como meu brigadeiro feliz!

E você? O que sente vontade de comer?
Vá em frente, sem exageros.
Com conhecimento, tudo fica mais fácil!









08 junho, 2015

Doçura feita em casa!

Dizem por aí que segunda-feira é o dia internacional de começar a dieta.
Será?!

Bom, para ficar num meio termo, vou falar de gordice -  mas de uma gordice diet!

Apesar de não ser aficcionada por doces, de cheesecake eu gosto bastante. Só que até hoje não consegui encontrar uma que seja sem açúcar e gostosa.
O problema é o mesmo: todas elas levam gelatina sem sabor no preparo e isso acaba deixando a torta dura. E a graça, além do sabor, é justamente a cremosidade (pelo menos, na minha opinião).

Aproveitando que tinha um queijo delícia na geladeira que veio lá das Minas Gerais e derrete na boca, resolvi fazer a minha própria cheesecake! Quer dizer, mini-cheesecake.

A receita veio do Google e optei pela mais simples: queijo, creme de leite light e umas 4 gotinhas de adoçante. Misturei com o fuê, sem batedeira, e fui provando até chegar no ponto que queria (confesso que não tenho as quantidades exatas).
Para a massa, nada de forno: quebrei uns cookies diet de castanha.

Forrei o fundo de um pratinho com a farofa de biscoito, coloquei a massa em cima e deixei na geladeira por mais ou menos 1 hora e meia.
Aqueci (15 segundos no microondas) 3 colheres de sopa de geleia de morango (uso a St. Dalfour, que é sem açúcar e sem adoçante) e joguei por cima.

Olha aí o resultado:
Não sou a maior mestre-cuca do planeta, mas ficou bem boa!!

04 junho, 2015

Pra acompanhar os maiores especialistas...

Do dia 05 ao dia 09 de junho vai acontecer, em Boston, ADA Meeting 2015.
Trata-se de um dos eventos mundiais mais importantes sobre diabetes.

É um Congresso organizado pela Associação Americana de Diabetes, no qual serão discutidos diversos temas relacionados aos tratamentos, avanços em medicamentos e qualidade de vida de quem convive com esta condição.
124 países inscritos, uma estimativa de 18.000 participantes e a possibilidade de participarmos também, graças à iniciativa da Sociedade Brasileira de Diabetes.

Como explicado pelo Dr. Rodrigo Moreira, que é endocrinologista e o coordenador científico desta cobertura, durante os dias do Congresso especialistas brasileiros associados à SBD estarão acompanhando as palestras e farão vídeos contando um pouco do que viram e ouviram.
No final de cada dia, todos esses vídeos estarão disponíveis pela pagina da SBD.

Excelente iniciativa!
Já estou por aqui, ligada e aguardando.



02 junho, 2015

Consumo - as vezes - inconsciente!

Ontem o programa Bem Estar trouxe novamente para discussão o consumo do açúcar, principalmente aquele que está oculto em certos tipos de alimento.




O recomendado pela Organização Mundial de Saúde é o uso de, no máximo, 6 colheres de chá por dia de açúcar. Mas o que a gente não pode esquecer - convivendo com o diabetes ou não - é que nesta conta devem entrar, além daquela colherinha adicionada no chá ou no café, todo o açúcar presente em outros produtos do dia a dia: a lista vai além dos sucos de caixinha, achocolatados, biscoitos recheados... entram nesta conta o arroz, as massas, os pães e por aí vai!





Na matéria foram destacados também os diferentes tipos de açúcar que aparecem nos rótulos e que, por terem nomes diferentes, podem passar despercebidos:
- sacarose (o mais comum)
- maltodextrina
- açúcar invertido
- xarope de milho
- xarope de glicose
- xarope de amido
- lactose

Como já foi abordado em outros estudos anteriormente, o açúcar é uma substância viciante. E sabe por que?
Por que ele é absorvido rapidamente pelo organismo e gera um pico de glicemia. Esse pico leva à uma sensação de prazer, que faz com que a gente queira sempre repetir a dose!

Para assistir na íntegra, é só clicar aqui.

Fica a dica: se consumido com moderação, nenhum tipo de açúcar - demerara, refinado, mascavo... - será absolutamente prejudicial.