Da doce poesia...


Porque mesmo quando acontece um dia estranho de glicemias variando sem muito sentido, o que vale é lembrar que com cuidado e esforço esse tal diabetes é controlável e não é impedimento para nada!

E então ela pega a agulha. Tira o lacre, encaixa cuidadosamente na ponta da caneta e aponta: dessa vez, a barriga é de uma bola de gás colorida e recheada de purpurina, pra fazer brilhar o dia de comemorar mais uma primavera das três amigas. 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Febre amarela: a gente - doce - pode se vacinar?

De um dia azul...

Do tipo que se importa...