Aqui no IP estão expostos os meus medos, as minhas descobertas, as conquistas, os avanços nas buscas pela cura do diabetes pelo mundo, os passinhos para um melhor controle da glicemia.

O que começou como um espaço de aprendizado e de dividir a minha convivência com o DM1, se transformou em estímulo para um melhor controle da minha doçura e para seguir mostrando que se funciona para mim, pode funcionar também para tantas outras pessoas que tem o diabetes como companheiro.

31 dezembro, 2014

Pra recomeçar!


Dois mil e catarse.
Isso... catorze. ou quatorze. mas catarse!

Que ano!! 

Foi esquisito. Muita coisa inesperada. Muita coisa que eu nem queria.
Sou dessas que acreditam que nada acontece por acaso. Mas também sou das que acreditam que tudo serve como aprendizado.

Sentimentos que eu preferia não ter experimentado, situações pelas quais eu preferia não ter passado. 
Agora com o ano terminando, ficam como lição, crescimento.
E acima de tudo, deixam o entendimento de que os momentos - muitos! - de sorriso, de rir até fazer a barriga doer, de cumplicidade, dos olhares de quem a gente ama e tem por perto, dos abraços, dos azuis, das conversas, tem que ser vividos sem qualquer limite!

São destas situações (sensações) que não quero abrir mão.
Estas são as minhas certezas. 

Destas certezas vem a maior de todas: a de continuar me cuidando. 
De seguir buscando o melhor para a minha doçura. 

Por mim, por cada uma das minhas pessoas, que são os responsáveis por tudo que eu falei aí em cima e me ajudam a transformar o complexo em possível, e por todos os docinhos que ainda precisam entender e, acima de tudo, acreditar que (con)viver com o diabetes não significa que uma parte da vida deve ser deixada para trás. 

Feliz Ano Novo.
Feliz Resolução Nova.
Feliz Esperança Renovada.
Feliz Decisão.
Feliz Mudança. Mas se não quiser mudar, que se mantenha feliz também!
Feliz Caminho.
Feliz Dois Mil e Quinze. (Sem catarse)
Feliz Novos 365 Dias.
Que sejam de 'saúde para dar e vender'!






26 dezembro, 2014

De todas as Sextas!


A última sexta de um ano que foi de azuis de mil tons... de claros e escuros, de marinho a céu!
Fazendo um apanhado em todas as sextas de cada um dos meses, foram mais de 500 registros!!

Mãe, tias, afilhados, amigos (muitos!) participando.
Mas mais do que isso, pessoas que se propuseram a vestir o azul para contribuir e fazer parte de uma campanha que, de passo em passo, vai crescendo e aparecendo.
E que aparecendo, me deixando fotografar e dividir com tanta gente os azuis que tem um significado, vão contribuindo comigo no sentido de explicar que o diabetes pode ser cuidado, pode ser gerenciável e pode fazer parte dos dias sem ter que ser um problema.

Que este propósito seja mais compreendido. 

Que mais e mais dispostos se juntem e venham de azul.

Vamos em frente!
Ainda há muito o que fazer, mas a gente já deu passos largos neste caminho. 

Meu obrigada sincero e com muito carinho a cada um que está junto e me ajuda a fazer as sextas-feiras mais incríveis!

21 dezembro, 2014

"...se muito vale o já feito, mais vale o que será!"

Quando fez o espetáculo Tambores de Minas, Milton Nascimento voltava de um 'recesso' forçado, de um tempo em que ficou fora dos palcos para cuidar da saúde.

O início do show emociona com a história que ele conta, quase uma resposta a todas as especulações que foram feitas à época. 

No meio deste discurso certeiro, um trecho que me chama atenção e faz com que, sem qualquer pretensão, eu me identifique: 
"Este show é um inventario, baseado no meu imaginário pessoal, que transforma minha obra numa declarada reconciliação com a vida."

Pois bem... Minha obra é o meu aprendizado. Meu show, o aprendizado compartilhado em palavras.
A cada post, a cada pesquisa, a cada dúvida ou pergunta da família e dos amigos, percebo como é importante dividir o dia a dia. Como é importante informar!

Hoje, com meu IP completando 4 anos, eu completo mais um ano de entendimento, de busca pelo que pode ser melhor. Mais um ano por novos caminhos...
Mais um ano tentando mostrar que a convivência com o diabetes deve ser encarada com respeito e cuidado, mas não precisa ser dura, não precisa ser pesada e nem de restrições absolutas.

4 anos de Blog!!
4 anos da minha reconciliação.

Que venham mais e que eu possa (agora, com pretensão!) alcançar muito mais pessoas.
E a cada um que acredita, que acompanha, que lê, que divulga, que torce junto... obrigada!!!!
Vocês fazem o IP acontecer junto comigo!




19 dezembro, 2014

Quitutes de Noel...

Vai chegando o dia do bom Velhinho e no caminho, as delícias que vem junto também aparecem! 

O bom é que já tem cada vez mais opções sem açúcar.
E hoje com o carrinho lindo, cheio de frutas fresquinhas (ah, a temporada das cerejas!!), dei de cara com essa gordice:
Como eu me comportei bem o ano todo, não resisti e me dei de presente! 

Na hora do lanche, para o café da manha, de sobremesa depois de uma saladinha...
Só não vale abusar. Com equilíbrio, tudo pode!

Delicinha!!




17 dezembro, 2014

Pra compor minha identidade!


O reencontro com o Luiz, da ADJ, que eu tive o prazer de conhecer no Congresso Mundial ano passado, conhecer o Nando, que foi diagnosticado com diabetes tipo 1 aos 4 anos numa época em que não tinha nem glicosímetro e hoje é maratonista, a equipe querida da New Style, ao Led's Studio e ao Rafa, gente finíssima, que me tatuou...

O dia ontem foi assim! 
Dia de rabisco da Campanha Diabetes IndentiArte.

Muita conversa, muitos planos e uma força comum que move cada um de nós: a vontade de mostrar que o diabetes não deve ter o papel de parar a vida de ninguém!
A vontade de apresentar o positivo para combater o negativo que aparece quando se fala em DM.
Vontade de explicar que quando o tratamento é seguido e há controle, tudo flui normalmente.
Acima de tudo, vontade de mostrar que ser paciente de DM não significa estar doente.

A tatuagem ficou mais bonita do que eu esperava. E sim, fazer tatuagem pode!
O requisito? Docinho sob controle.

Aqui, vale uma observação... Como eu não sabia se a tatuagem no braço doía ou não, se ficaria ansiosa ou não, comi dois biscoitos doce - com açúcar mesmo, nada diet - para evitar uma hipoglicemia enquanto estava sendo rabiscada.
(Nem preciso dizer que a glicemia foi monitorada por muito mais vezes do que o usual...)

Mas o melhor desse dia foi participar contando a minha história.
Apesar da vergonha na hora de gravar o depoimento, fico bem feliz falando sobre a minha experiência e sobre o dia a dia convivendo com a doçura.
Quero que seja útil, que sirva de exemplos (até pelo que não da certo de vez em quando) e que haja mais oportunidades de seguir nesse caminho de informação, esclarecimento e desmitificação do diabetes.

O resultado do Projeto vai ser apresentado em breve pela ADJ e sem dúvida eu vou dividir com todo mundo aqui no IP.

Sigo mais segura e enfeitada.
E peço licença ao mestre Bituca para fazer uso das palavras que ele canta: é a marca na pele de quem tem a estranha mania de ter fé na vida!




15 dezembro, 2014

Inovação em análise...

Este ano, uma das grandes novidades no tratamento do diabetes foi o lançamento da insulina de longuíssima duração, a Tresiba.

Na última consulta com a minha Super, ela comentou comigo sobre o início recente do uso. Disse que se eu quisesse, poderíamos testar, mas que não recomendava expressamente porque eu estou me dando bem com a Levemir.

Outro ponto que ela levantou e que acho importante é que, por ter pouco tempo no mercado, ainda não se sabe exatamente os efeitos da utilização.

Esta insulina age por 24 a 42 horas. Então, pelo menos no começo, o ideal é uma monitorização frequente para verificar como a glicemia se comporta ao longo do dia (ou dos dias) após a aplicação.

A vantagem da Tresiba é justamente este longo tempo de ação. Sem dúvida é mais confortável não ter que tomar muitas injeções num dia. Mas uma coisa que tenho receio, por exemplo, é se porventura antes das 42h a glicemia sofrer alteração e for necessária alguma correção, como a Tresiba ainda estará no organismo, poderia haver um 'acúmulo' de insulinas e, consequentemente, causar a uma hipoglicemia?

A pergunta é grande!! 
Enfim, questionamentos por não conhecer ainda os benefícios e a forma como ela age. 
Além disso, uma mistura de curiosidade e ansiedade por um resultado que seja absolutamente positivo!

Enquanto isso, uma pesquisa rápida nas farmácias e já vi que o preco passa longe de ser doce: enquanto a Levemir (caixa com 5 refis para caneta) custa em média R$ 300,00 (não é barata!) a Tresiba chegou custando R$ 500,00 (também a caixa com 5 refis)!

Taí uma coisa que precisa mudar!
Que os investimentos nos medicamentos permitam que eles cheguem aos pacientes com preços muito mais acessíveis.
O direito a um medicamento que traz maior qualidade de vida aos docinhos deveria ser, na verdade, transformado em dever por parte das autoridades responsáveis.



10 dezembro, 2014

Prova final do ano...

Dia de colocar as cartas na mesa: consulta com a minha Super, depois do check up e da bateria de exames do final do ano.

Tirando a glicemia, que sempre fica esquisita nos exames de sangue (explico: sempre acho que não vou conseguir manter as 12 horas de jejum... na minha cabeça, é certo que vou ter uma hipo só porque tenho que fazer meus exames... o que acaba acontecendo é que dou uma 'caprichada' no jantar e na ceia da véspera e aí geralmente o resultado é uma glicose entre 115 e 125 mg/dL!), está tudo indo bem!

Como eu já tinha comentado por aqui, a glicada baixou!! E não foi magica não... auto-controle de todas as formas. Alimentar, de rotina, de monitoramento, de cuidado.
E foco que segue, porque tem espaço para ficar ainda melhor.

No meio da consulta, o pedido de um atestado com propósito bem especifico: meu rabisco!!
Pois bem... Emitido, assinado e com direito à elogio por bom comportamento:
Além da revisão geral, o bom papo de sempre com a Monique - que ultrapassa a endocrinologia e segue por assuntos diversos, desde projetos com meu IP até as coisas do coração.

Parceria é o mínimo... apoio, compreensão e, sobretudo, confiança: a recomendação de uma paciente interessada em se aprofundar cada vez mais no mundo da educação em diabetes para um dos maiores  laboratórios especializados!

Resumindo: fecho o ano com a saúde absolutamente em ordem, pronta para o meu Carnaval e para fazer acontecer o que anda dominando meus doces pensamentos.

Dedinhos cruzados, fé e pensamento positivo para conseguir tirar tudo do papel e trazer para a mais plena realidade!!

05 dezembro, 2014

Pra ser moldura!!


Recentemente contei, aqui no IP, sobre a parceria feita entre a ADJ e a agência New Style, junto com o estúdio de tatuagem Led's...

O objetivo era contar a nossa doce história, para mais uma vez mostrar que o diabetes pode ser muito bem gerenciado se bem cuidado. Para mostrar que o diabetes não é um bicho de sete cabeças. Para mostrar que esta doçura de cada dia não tem que se transformar num caminho tortuoso.

Me inscrevi e esqueci - mesmo - do assunto.
Até ontem, quando vi este e-mail aí embaixo:
Feliz!!
Por contribuir com uma campanha que preza pelo fim do mito, do susto e do medo.
Por ter aprendido, graças a pessoas muito queridas e que me ajudam a seguir uma vida 'normal' com o diabetes.
Feliz com o rabisco novo, que já está em desenvolvimento!

"Não é fácil, mas é possível".
Foi assim que eu comecei o meu tratamento e é assim que eu sigo. 
É assim também que eu penso que as pessoas precisam enxergar o DM...

Por isso, quanto mais explicado e entendido, melhor!
E no que depender de mim, informação não vai faltar.
Pelos quatro cantos, a qualquer momento!!




04 dezembro, 2014

Programação da ADJ pra esperar o Bom Velhinho!

O ano ainda não acabou, dezembro ainda não chegou... mas está quase quase aí!! 

Enquanto Papai Noel se prepara, segue a programação da ADJ para o último mês deste ano - com um pouquinho de atraso, mas ainda em tempo de participar da maioria das atividades:



GRUPO DE ADULTOS
03/12 - 14h

GRUPO DE CRIANÇAS E PAIS
06/12
3 a 6 anos – 09h
7 a 11 anos – 10:30h

GRUPO DE ADOLESCENTES E PAIS
13/12 – 10h
Tema: “Comida Divertida”
(Um jeito diferente de se alimentar com mais equilíbrio e sabor.)

DIA-A-DIA COM DIABETES TIPO 1 e 2
6 a 11 anos / 12 a 17 anos e adultos
Às terças e quintas