Aqui no IP estão expostos os meus medos, as minhas descobertas, as conquistas, os avanços nas buscas pela cura do diabetes pelo mundo, os passinhos para um melhor controle da glicemia.

O que começou como um espaço de aprendizado e de dividir a minha convivência com o DM1, se transformou em estímulo para um melhor controle da minha doçura e para seguir mostrando que se funciona para mim, pode funcionar também para tantas outras pessoas que tem o diabetes como companheiro.

28 fevereiro, 2014

Para acompanhar e voltar para o eixo...


Dezembro tumultuado, corrido e nada bom para o docinho... Mesmo assim a consulta depois dessas estranhezas foi ótima.

Peso bom, resultado do check up excelente.

Memso assim, Janeiro e Fevereiro foram de colocar a meta em primeiro lugar e manter o foco.

Com um mínimo ajuste no comportamento e na atenção - intervalo de 3 horas entre refeições super respeitado, balanceamento na alimentação, a yacon todo dia no cardápio - já pude ver uma boa melhoria nas glicemias... 

Hoje foi dia de fazer o teste... Exame de sangue realizado (com um 'chá de cadeira' no Laboratório Sergio Franco de mais de 1 hora!!) e agora a ansiedade pelo resultado da tal da glicada!!

Ai ai... Uma semaninha pela frente.

Enquanto isso, fico aqui torcendo e esperando muito por uma redução! 



27 fevereiro, 2014

Assunto em destaque!!


Na revista Isto É que chegou as bancas hoje, o assunto principal e o diabetes.

A capa - "Uma vida melhor para os diabéticos" - já indica a que se refere a matéria: pesquisas, novidades, medicamentos que garantem uma melhor estabilidade o tao desejado controle da glicemia.

Partindo da diferença entre os dois tipos de DM, passando pelos tratamentos tradicionais e ate entao usuais, a revista aborda os avanços mais significativos que já estão ao nosso alcance.

Atualizações sobre o tratamento com celulas tronco, informação sobre uma nova insulina que atua no organismo por 40 horas, caracterizando que as doses diárias nao seriam mais necessárias, uma vacina que pode prevenir contra o diabetes tipo 1... 
(sobre esses dois últimos assuntos, vou fazer posts específicos depois!)    

A matéria na íntegra também está disponível na página da SBD e pode ser acessada aqui.
 
Muita coisa nova, muitos avanços, muita esperança!!






18 fevereiro, 2014

Sobre a doação de sangue por pessoas que convivem com o DM: novas informações!

Nunca tive problemas para fazer exames de sangue (ainda bem!) e por isso sempre que foi preciso doei sangue na maior tranquilidade.
Não desmaiava, não passava mal...

Com o diagnóstico do diabetes e de acordo com a determinação da ANVISA (pesquisei na época), não podia mais doar...
A informação era que pacientes com diabetes tipo 1 com uso regular de insulina injetável não podiam; paciente de DM tipo 2 podem, desde que a glicemia esteja sob controle.
(já falei sobre isso aqui no blog, inclusive)
 
O fato é que com novas conversas sobre o assunto e a ideia do projeto de um amigo para uma campanha de doação de sangue, resolvi buscar mais informações...
E além de pesquisar mais, também fui consultar a minha Super Endócrino.
 
Pois as notícias não poderiam ser melhores!!
Descobri numa determinação da Cruz Vermelha (onde são definidos os critérios para doação de sangue) que eu posso sim continuar doando, mesmo que tome insulina diariamente. A única condição é estar com a glicemia absolutamente controlada.
 
De posse desta informação, conversei com a minha Super, que confirmou e me orientou com os cuidados que devo tomar no dia da doação de fato: a preparação é tão somente reduzir a dose da insulina de jejum conforme estabelecido por ela (e isto é muito importante... já que cada paciente tem um tratamento único, a redução deve ser determinada pelo seu próprio médico, não pode ser estabelecida de forma geral).
Imediatamente após a doação, medir a glicemia e, se for o caso, corrigir com a insulina de ação rápida, conforme esquema usual.
 
(Os outros requisitos para doação - pesar pelo menos 50kg, ter entre 16 - com a autorização dos pais - e 68 anos, etc. - estão descritos na página do Hemorio)
 
Pronto!!
Dúvidas sanadas e questão resolvida!


17 fevereiro, 2014

Pra ser de "faz de conta"?

 Por que não se cuidar quando a opção pelo tratamento existe?
Por que não se cuidar quando a falta de controle de uma condição de saúde pode trazer graves consequências?
Por que pensar que "se a vida é uma só" ela pode ser vivida de qualquer maneira?
 
Como contei por aqui recentemente, depois de um período de glicemias ruins, tenho estado bem mais atenta às minhas ações - alimentação, exercícios, horários, intervalos entre as refeições, etc. - e comemoro a cada pontinho que a glicemia baixa!
 
Adoro ver os bons resultados e eles acabam tendo um efeito motivador.
 
Talvez por isso eu ainda me surpreenda e me chateie bastante quando vejo alguém 'desperdiçando' a possibilidade de se tratar corretamente.
 
Mais ainda quando são pessoas que tem condição para manter o tratamento, comprar os medicamentos e se consultar regularmente, para se alimentar como devia...
E mais ainda quando são pessoas próximas.
 
Hoje, numa rápida conversa com um colega de trabalho que conheço desde que entrei na empresa (e aí já se vão quase 13 anos) perguntei como anda o diabetes dele (para contextualizar, ele tem DM há muitos anos, tem pressão alta, fuma... dois anos atrás teve um 'piripaque' bem sério por conta da falta de atenção a tudo isso).
A resposta me assustou: "esta semana a glicemia estava 450 (mg/dl)... na semana passada o glicosímetro não foi capaz de fazer o registro".
 
Depois do meu choque com os resultados, a justificativa dele para a falta de atenção e de preocupação em manter o devido cuidado foi a tal "a vida é uma só".
 
Entramos numa discussão onde um tentava convencer o outro de que justamente por isso devia ser
bem vivida: para mim significa, principalmente, manter a saúde em ordem para poder seguir com todas as coisas boas que ela oferece, mesmo quando exija um certo esforço...
Para ele, significa levar tudo ao extremo e seguir até onde der.
 
E este é um caso onde o paciente tem total acesso a informação, esclarecimentos e remédios.
 
Me despedi triste, preocupada, me sentindo de mãos atadas.
Sendo muito honesta, com raiva também!
Quanta gente não consegue seguir um tratamento por falta recursos, por falta de orientação médica?
 
As pessoas não são iguais, cada um tem um jeito de encarar e lidar com os seus obstáculos... mas fingir que eles não estão ali não devia ser a melhor solução. 
 
 

14 fevereiro, 2014

Pra fazer social...


Cada um leva a vida de uma maneira, coordena suas tarefas de uma forma diferente, dorme, acorda, come e planeja seus afazeres de acordo com os horários que mais convém... mas não tem jeito, uma coisa vai ser sempre igual pra quem (con)vive com o diabetes: medir o dedinho para checar a glicemia - cada um na devida freqüência, conforme orientação e determinação do médico.

E quando o resultado está estranho? Quando a taxa medida não condiz com a refeição feita? O que pode ter acontecido? O que pode ser feito? O que? Por que? ???
As perguntas não acabam nunca... isso é uma coisa que eu ja aprendi bem.

Uma maneira de ajudar a ter as respostas é dividir as interrogações.
E olha que bacana: tem uma rede social especialmente criada para todos nós docinhos que estamos aí espalhados pelo país!
Alias, a primeira do Brasil com este propósito.

Se chama 'Ja mediu?'.
Tem artigos, noticias e atualizações sobre o mundo do diabetes alem de bate-papos e comunidades sobre temas específicos: criancas com DM, DM tipo 1, receitas, etc.

Como eu ja curto essa coisa de dividir a minha experiencia, logo fiz o meu cadastro.
Pelo que pude ver, a interação é bem interessante: troca de conhecimento, apresentação de dúvidas, esclarecimentos, soluções, descobertas.

Pra quem tem ou tenha alguém próximo - amigo, filho, tio, prima, namorado... - com esta condição doce e queira se informar aprender mais... 
Basta fazer o cadastro e aguardar a autorização do moderador.
Aí é so começar a interagir!



 

13 fevereiro, 2014

Do Ministério da Saúde...

Mais uma fonte de informações bem acessível: a página Autocuidado Diabetes, do Portal da Saúde / Ministério da Saúde.
 
São dicas, testes sobre o conhecimento do diabetes, depoimentos e histórias compartilhadas por quem também vive o dia a dia do DM, além de orientações sobre como armazenar e manusear a insulina e sobre os riscos que vem da falta de controle da glicemia.
 
Uma parte que eu achei bem interessante é a página sobre Mitos e Verdades.
São questões simples, mas que certamente todos já fizemos uma vez:
- Diabetes tipo 1 é mais grave que o Diabetes tipo 2?
- Se eu não comer qualquer tipo de carboidrato não preciso usar insulina?
- Quem come muito açúcar terá diabetes?
 
São questionamentos que podem parecer bobos, mas que no fundo geram dúvidas.
 
Provavelmente já disse isso por aqui, mas é o tipo de coisa que não tem problema ser repetida: todo conhecimento agregado sobre a condição docinha se reverte em um melhor tratamento e um melhor controle, que certamente vão garantir uma melhor qualidade de vida!
 
Acesse, consulte, leia, se informe.
E compartilhe!
 

12 fevereiro, 2014

O novo light...


A partir de Janeiro deste ano, todo e qualquer produto industrializado precisa ser colocado nas prateleiras respeitando as mudanças feitas pela ANVISA na rotulagem.

Apesar de já existir a obrigação de indicar os prazos de validade, datas de fabricação e a composição nutricional, algumas alterações foram impostas visando a padronização dos rótulos e deixar as informações mais claras para os consumidores.
 
As alterações, conforme destacado pela SBD, foram nas definições e na classificação das escalas de valor energético, gorduras (saturadas, trans e totais), ácidos graxos, colesterol, sódio, sal, proteínas, vitaminas e minerais, fibra alimentar e açúcares.
 
Para o melhor entendimento, no caso dos açúcares, por exemplo, deve haver uma redução de pelo menos 25% das calorias para que o alimento seja considerado light.
Esta classificação não vale mais para o caso de redução apenas do nutriente naturalmente constante no produto.
"A característica que o define como light é possuir um benefício adicional em relação ao produto original."
 
Com esta mudança fica quase nulo o risco de um produto ser vendido sem ter de fato os benefícios que diz agregar.
 
As alterações foram apresentadas em 2012 e as empresas tiveram todo esse tempo para se adequar.
 
O lance é prestar a máxima atenção nos rótulos e qualquer coisa diferente do determinado pela ANVISA deve ser questionado e até denunciado.
Quando se trata de saúde, não tem espaço para ficar só na propaganda!
 
 

11 fevereiro, 2014

Direto no ponto!


A cada dia que passa vejo mais e mais especialistas e/ou instituições chamando a atenção para os males que o açúcar pode causar à saúde das pessoas.
 
Hoje descobri a ONG 'Action on Sugar', ou Ação sobre o Açúcar.
Eles são uma organização não governamental formada por médicos e consultores que vem agindo através da intervenção com a indústria alimentícia e o Governo (estão locados na Inglaterra) de modo a chegar a um consenso visando a redução da quantidade de açúcar presente nas dietas mundo afora, principalmente nos alimentos processados e industrializados.
 
Preocupados com os efeitos que esta ingestão de açúcar em excesso pode causar, destacam alguns produtos que podem enganar os consumidores, conforme divulgado hoje no Programa Bem Estar:
 
1 - Alimentos com 0% de gordura:
 
Estes alimentos não possuem, necessariamente, 0% de açúcar. Um exemplo que eles trazem é o iogurte, no qual o açúcar normalmente é adicionado para dar sabor e cremosidade ao produto quando a gordura é removida.
 Um iogurte de 150g com 0% de gordura pode ter, por exemplo, até 20g de açúcar, que equivale a 5 colheres de chá.
 
2 - Polpa de tomate:
 
O ingrediente é normalmente adicionado para que a polpa fique menos ácida. Um terço de uma lata de 150g pode ter até 13g de açúcar, valor equivalente a 3 colheres de chá.
 
3 - Maionese:
 
Uma colher pode conter até 4g do ingrediente.
 
4 - "Águas vitaminadas":
 
Um copo de 500ml pode conter até 15g de açúcar, o equivalente a cerca de 4 colheres de chá.
 
5 - Pão:
 
Segundo eles, este é um dos alimentos que mais 'escondem' açúcar... 
Em uma fatia de pão processado pode ter até 3g.
 
E por fim, uma observação geral bem importante, mas que muitas vezes é esquecida: "não é porque o alimento é salgado que ele tem baixo teor de açúcar".
 
Com estes alertas é possível rever o que tem sido colocado no prato e na despensa e, se preciso, ajustar!
 
 

06 fevereiro, 2014

Ordem da vez: dedicação!!!

Há um tempinho atrás comprei a batata yacon pela primeira vez, para provar e testar os benefícios no controle glicêmico, que são tão falados...
 
Acabei não dando continuidade na época, estava numa correria só (pré-férias, fase mais puxada de trabalho)...
 
Semana passada comprei novamente e agora estou comendo uma por dia, no jantar (mais ou menos do tamanho de uma mão - pequena - fechada).
 
Isso faz parte de um processo iniciado depois de medir novamente a glicada (no Congresso, a Novo-Nordisk estava fazendo as medições, com resultados saindo no mesmo dia) e ter um resultado ainda não satisfatório:
Depois de voltar ao trabalho e à rotina, decidi que vou focar ainda mais para baixar este número e alcançar a minha meta!
 
Nada de soluções mirabolantes, só o básico: exercícios com regularidade (qualquer um, em casa, na rua, da bike ao batuque!), alimentação equilibrada sem exageros de carboidratos e muita atenção nos intervalos entre uma refeição e outra, para não deixar passar de 3h.
 
Além da yacon, voltei com a 'fórmula' de aveia + glucerna + canela (e aí pode acrescentar leite, frutas...) na ceia.
 
A verdade é que os resultados já começaram a aparecer!
Como disse aqui recentemente, venho monitorando a glicemia 6 vezes por dia e tem sido de grande ajuda.
A mais alta registrada em jejum nos últimos 10 dias foi 89 mg/dl!!
 
Bons resultados assim só dão mais vontade de seguir focada!
Mais um mês pela frente até o próximo exame...
 
 
 
 
 
 
 



05 fevereiro, 2014

Lancetas para doar!!

Nessa de buscar o melhor preço, fiz uma compra pela internet e entre os itens comprados estava uma caixa de lancetas.
 
Pois bem, quando chegou vi que havia feito a compra errada... como as embalagens são muito parecidas acabei escolhendo a Softclix e não a Multiclix, que é a que eu uso.
 
A loja faz a troca, mas dá um certo trabalhinho e eu desisti.
 
Sendo assim, tenho uma caixa da Lanceta Accu-Chek Softclix com 200 lancetas para doar:
Da mesma forma que fiz com o glicosímetro, a preferência é para quem tenha menos condições de comprar ou venha tendo dificuldades de receber pelo SUS.
 
Quem conhecer alguém que precise, é só me avisar!!
 
Pode ser aqui pelo blog mesmo, através de comentários neste post, pelo e-mail do Insulina Portátil ou pela página do IP no Facebook.
 
Obrigada e fico esperando a(s) indicação(ões)!
 


04 fevereiro, 2014

Com recheio de gentileza...

 
Na última sexta-feira teve bolo para os aniversariantes de Janeiro lá na empresa... Como sou a única 'doce, doce, doce' - do mês e do escritório - me deram o direito de escolher uma torta diet!!
 
A eleita foi a Diet Mousse Pinacolada, da lanchonete Suco Mania: mousse de coco com base de pão de ló e abacaxi...
E olhem só que legal: ontem um representante da loja ligou para saber a minha impressão sobre a torta.
 
Minha resposta, que compartilho aqui, foi a mais honesta: a mousse estava ótima, mas a base um pouco sem sabor.
 
Ele agradeceu pelo feedback e eu pela atenção e gentileza!
 
Achei excelente a atitude! Palmas para eles...
Esse é o caminho, sem açúcar mas com qualidade!!
 
 

03 fevereiro, 2014

Para pais e filhos.

 
Diabetes em adultos já não é tão simples de gerenciar... imagina em crianças!
 
Sempre me questiono como deve ser difícil... por mais que seja viável liberar um brigadeiro ou outro numa festinha, tem o dia a dia na escola, na casa dos amiguinhos... o fato é que os pais não vão estar 100% do tempo juntos com os filhos. E até que eles tenham idade suficiente para entender e aprender sobre a condição e a importância do tratamento e de manter uma alimentação regrada, o cuidado deve ser redobrado.
 
Com este foco, amanhã a ADJ fará uma palestra para os pais das crianças docinhas:
O horário talvez não ajude tanto, mas para quem estiver em Sampa e puder ir, vale a presença.
 
A informação e a experiência compartilhada podem ser de grande ajuda!