Aqui no IP estão expostos os meus medos, as minhas descobertas, as conquistas, os avanços nas buscas pela cura do diabetes pelo mundo, os passinhos para um melhor controle da glicemia.

O que começou como um espaço de aprendizado e de dividir a minha convivência com o DM1, se transformou em estímulo para um melhor controle da minha doçura e para seguir mostrando que se funciona para mim, pode funcionar também para tantas outras pessoas que tem o diabetes como companheiro.

15 dezembro, 2013

De volta na cidade!


Sempre que eu viajo, não importa se dentro ou fora do país, fico preocupada com o tipo de comida que vou encontrar... Se terão ou não opções mais leves e sem açúcar, essas coisas.

Me adapto e dou meu jeito sempre, nem que use como ultimo recurso um ajustezinho na dosagem da insulina.

A Austrália tem muita opção glúten free, mas raras sem açúcar e tudo muito calórico. 

Em Melbourne acabou sendo mais fácil. Como fiquei uma semana fiz umas comprinhas e tomava café no meu apartamento no hotel. Com o almoço não cheguei a ter problemas; as opções do Congresso eram boas - 4 diferentes por dia, tendo sempre uma vegetariana.

Nos dois últimos dias do Congresso, com o frio não esperado e o cansaço acumulado, optei por comprar aquelas refeições semi prontas e jantar quentinha no hotel... Mas não funciona! O gosto da comida é o mesmo, muito tempero e pouco sabor. Não curto!

Além disso, a verdade é que como boa carioca que sou, o arroz com feijão de (quase) todo dia faz falta!

Agora estou de volta, "minha alma canta" e já matei a vontade do feijão (e feito pela mamy!!). 

O dia ontem foi só de desarrumar as malas, curtir a família em casa e compensar a saudade dos dias longe.

Está na hora de (re)colocar a glicemia nos eixos, porque essa terra de canguru não ajudou, e começar a dividir o conhecimento adquirido.

E uma grande certeza que eu tinha e que só se confirmou com toda essa experiência é que (con)viver com o diabetes sempre foi viável e possível para mim, sem ser um bicho de sete cabeças, porque desde o primeiro dia eu nunca estive sozinha. Ouvi de médicos e pacientes que apoio e suporte são tão importantes quanto o tratamento em si...

Pois então, vou abusar da pieguice: "you may say I'm a dreamer, but I'm not the only one".

Para cada um, família e amigos - as minhas pessoas - do fundo do meu coração, obrigada!! 

With love, from me to you!

Um comentário:

  1. Seja bem-vinda querida!
    bjs
    Tânia Cuba

    ResponderExcluir