Aqui no IP estão expostos os meus medos, as minhas descobertas, as conquistas, os avanços nas buscas pela cura do diabetes pelo mundo, os passinhos para um melhor controle da glicemia.

O que começou como um espaço de aprendizado e de dividir a minha convivência com o DM1, se transformou em estímulo para um melhor controle da minha doçura e para seguir mostrando que se funciona para mim, pode funcionar também para tantas outras pessoas que tem o diabetes como companheiro.

30 abril, 2013

Refresco de Outono.


Noite de segunda-feira com amiga no shopping = jantar, vinho e café (além das comprinhas!). 

Fomos ao Dois em Cena, no shopping Rio Sul, e eles não tem nenhuma opção diet para sobremesa - já tentei achar o site para enviar um e-mail (olha a campanha!) e nada. Pelo que o garçom que nos atendeu falou, este restaurante tem uma cozinha pequena, com espaço limitado, e por isso não fazem nada muito fora do cardápio padrão da casa.


Saí dali e fui à Gelateria 4D (fica no quarto piso) e achei até bom não ter comido a sobremesa no restaurante: provei o melhor sorvete diet! 

Tinha de coco (adoro) e de avelã... decidi ir no segundo e não me arrependi.


É super cremoso e muito gostoso! 

E se quiser, dá até para levar para casa (tem embalagem de meio e um litro).

Recomendadíssimo!!

29 abril, 2013

(Re)começo.

10 minutos de preguiça na cama entre a decisão de levantar ou ficar mais um pouquinho. 
Começar hoje ou amanhã...

Primeiro passo vencido - hoje foi o dia!

Tênis no pé, um copo de água de coco e rua.

40 minutos de caminhada cedinho, antes da rotina para o trabalho.

E um visual de levantar qualquer ânimo no caminho de volta para a casa...


Bom dia de sol, céu azul e a lua que ainda estava ali fazendo companhia!




24 abril, 2013

Pra ser de múltipla escolha.


"Vocês tem alguma sobremesa diet?"

Essa é sempre a pergunta.

Mas cá entre nós, na minha opinião o correto deveria ser: "quais são as opções de sobremesa diet que vocês tem"?

O assunto é recorrente e pode até estar ficando chatinho, mas como ainda é raro isso acontecer, lanço a 'Campanha pela pergunta certa'!

Não sou tão exigente, um brigadeiro já faz vista. As vezes é só o que precisa para acompanhar um cafezinho.

Além do brigadeiro, que é molezinha (já até dei a dica de como fazer para uma 'brigaderia' em Niterói...), existem diversas outras fáceis e práticas - sorvete, mousse de chocolate ou maracujá, bolo, docinho de coco. Para as mais elaboradas tortas, waffle, bolo, cookies, brownies.

Criatividade no ar, um comprometimento de levinho com pessoas doces por natureza e mãos à obra.
Não é tão complicado assim.

Como fazer para participar da campanha??

Sugerindo!
Uma conversa com o gerente do lugar que você curte, um e-mail ou uma mensagem pelo site do restaurante  que você adora.
Sem reclamação, sem briga.

O objetivo é deixar claro que algumas pessoas têm restrições, mas que estas podem ser facilmente resolvidas.

Comecei hoje mesmo!

23 abril, 2013

Pra matar a pulga!

E lá vem o fantasma da hemoglobina glicada atrás de mim!
Este mês fiz novos exames e o resultado não foi nada bom: 7,9%.

Mandei e-mail para minha Super com o resultado e, por enquanto, o que ela sinalizou é que o esquema da insulina NovoRapid talvez seja alterado, para corrigir a partir de uma quantidade menor de carboidratos do que a atual.

Como viajo de férias daqui a pouco mais de duas semanas (contando os dias!!) vou marcar consulta antes de ir e ver o que pode ser feito pra baixar de vez esse percentual que não me deixa em paz.

Já voltei a fazer pilates e tenho me policiado para caminhar por 20 ou 30 minutos nem que sejam duas vezes por semana. 

O engraçado é que eu sempre fui super correta com o tratamento e disciplinada com a alimentação e os horários das minhas refeições, mas (já até comentei sobre isso aqui) quando o assunto é exercício, não dou mesmo a devida atenção.

E minha prima (que é irmã, parceira, amiga, suporte, tudo mais... e que me conhece como poucos) foi quem fez este alerta, num papo corriqueiro... O comentário dela - "engraçado que você faz tudo direitinho, segue tudo à risca, mas não consegue pegar o embalo do exercício"  - me deixou 'com a pulga atrás da orelha'.

Depois de ver que a hemoglobina glicada aumentou de novo e somando com a 'pulga', decidi de uma vez por todas me empenhar mais para mudar isso!

Foco no exercício. Em casa, no pilates, no calçadão na beira da praia. 
Foco absoluto.


Foi dada a largada!

17 abril, 2013

Nas pequenas coisas...

Cansei!! Apesar de bem prático o case do glicosímetro é feio, não há como negar.

Chega daquele estojinho preto sem graça e que vai ficando desbotado...
Agora carrego meu kit de sobrevivência com charme!

Olha a diferença:


Ele é super prático e cabe tudo o que eu preciso.

Como tem três divisões internas, em uma ficam o lancetador, as tirinhas e o monitor, em outra a receita médica e o mini-manual do glicosímetro e na menor, as agulhas. 

 

Já que este é um item obrigatório na minha bolsa todos os dias, resolvi inovar e deixar mais com a minha cara.

Uma mudança pequenininha assim e aparentemente boba, pode fazer uma diferença...

Por que não curtir - também - as pequenas coisas?!


16 abril, 2013

Já é amanhã?


Alguém viu meu foco e minha atenção por aí? 
Pra onde eles foram?

Que dia esquisito! E que começou por conta de um erro de ontem...

Na última consulta que tive com a minha endócrino, ela me pediu alguns exames de sangue complementares aos que eu já tinha levado.
Resolvi fazer hoje e como desta vez eram preciso apenas 8h de jejum, fiquei mais tranquila. Me liguei no horário da ceia ontem e pronto. Era só acordar cedo hoje e ir ao Laboratório.

Feito! 
Levantei na hora, pedido de exame ok, carteirinha do plano de saúde também. 
Cheguei e enquanto esperava ser chamada medi a glicemia. 
210. 
Hein?? Isso mesmo, todo esse número aí... fiquei sem ar! 

Num estalo descobri o porque: faltou um único detalhe em toda a preparação para o exame hoje: ontem, antes da ceia, não tomei a dose da insulina!! Esqueci por completo!

Enfim... passado o susto e exame feito, rumo ao trabalho.

No meio da manhã, fui comer minha fruta e deixei cair no casaco.

Saí atrasada pro pilates, voltei a tempo de uma reunião que eu não lembrava que estava marcada... 

Ainda nem são 16h e o dia já foi tumultuado assim.

Dá pra suspender a programação temporariamente?




14 abril, 2013

Pra dizer 'sim'.

Esta semana uma grande amiga que é pediatra me contou arrasada sobre uma criança de 2 anos que foi internada com diabetes. Estava há uma semana lá e sem previsão de sair... e o maior motivo pra isso era a falta de conhecimento dos pais. Só que esta falta de conhecimento se mostrou mais grave com os sinais que os pais estavam dando de negar a nova condição do bebê: por mais que tivessem a orientação dos médicos e enfermeiros sobre o medicamento, a forma de medir a glicemia e aplicar a insulina, os pais se negam a aceitar... Dão comida que não pode, em horários aleatórios... E aí a criança não consegue apresentar uma boa melhora e uma estabilidade. 

Desde então isso está martelando na minha cabeça!
O que fazer pra ajudar?
E aí hoje, com uma figura que uma amiga da minha mãe (e que hoje é minha amiga também!) postou no facebook entendi que não adianta eu, médicos, amigos, parentes ou seja quem for falar, falar e falar. Se não houver a aceitação acima de qualquer outra coisa, de nada vão adiantar tratamentos e remédios.

E peço licença a ela para reproduzir aqui a imagem e o comentário dela:

"A questão não é o problema que apessoa tem. A questão é ela ser mal resolvida com o problema que tem."


E pra estar bem resolvida tem que aceitar.

Não significa que vai ser fácil. 
Para cada um o tempo de aceitação e compreensão é diferente e deve ser respeitado.
Mas a busca pela aceitação deve ser primordial. 

Peça ajuda, leia, se informe.
Estudo de casos tem seus benefícios: busque casos semelhantes, procure saber dos bons e maus resultados, o que pode ter se agravado por conta de negação...

Mas em vez de negar, aceite a nova condição. E aprenda a viver com ela.
O efeito vai ser 100% positivo!

12 abril, 2013

"Rio você foi feito pra mim!"


De volta ao meu Rio! Fora por 4 dias e parece que foi um mês!!
Exagero justificado pelo cansaço, já estou voltando ao ritmo normal e as glicemias também.
Incrível como mesmo por pouco tempo uma mudança na alimentação e ficar sem fazer exercícios - voltei para o Pilates, finalmente! - interfere.

Mas hoje é sexta.
E o azul vem do céu...


...porque o Rio, apesar dos pesares, continua lindo!

(Rua do Ouvidor, Centro.)





09 abril, 2013

Pra ser simpático!

Quando lancei o blog não fazia muita ideia de como funcionava. 
Não sou uma especialista, nunca estudei a respeito dessa grande ferramenta, mas meti a cara e fui.
E vou!

Então, na minha cabeça, bastava escolher um layout legal e escrever.
Sobre a parte do 'escrever' eu tinha absoluta certeza que teria que pesquisar, aprender e até, de certa forma, estudar.
Sobre o layout, nem me preocupei e quase pirei quando me deparei com a infinidade de padrões e imagens e cores e formas de apresentação! Testei vários até chegar neste, que permanece até hoje (gosto dele!).

Mas nas últimas semanas decidi começar a entender um pouco mais sobre os recursos que eu tenho e que não uso.
E assim, depois de um pouco de ajuste aqui e ali, o blog está uma carinha um pouco mais amigável. 

Meu Insulina Portátil agora mostra logo na página principal, abaixo do histórico de posts à direita, links para os sites que eu acho interessantes e de grande valia sobre o DM...


...uma lista com a indicação de alguns livros (só inclui os que eu já li e porventura tenha comentado sobre no blog)...



...a opção de inscrever seu e-mail para receber os posts fresquinhos, assim que forem publicados...



...e uma ferramenta para tradução das publicações.



A intenção é melhorar ainda mais!
Mas um passo de cada vez...

"Quem lê tanta notícia
Eu vou...
Por entre fotos e nomes
Os olhos cheios de cores
O peito cheio de amores vãos

Eu vou
Por que não, por que não..."


07 abril, 2013

Quem tem saúde tem tudo?!


Muito se fala pelos quatro cantos do mundo sobre a saúde: Come isso que faz bem, mas aquilo não porque faz mal. Isso engorda. Isso ajuda a ter uma boa memória. Esse chá é ótimo para o equilíbrio do organismo. Correr deixa o coração mais forte. Pegar sol é importante. E por aí vai... 

O fato é que pra onde se olhe há algum alerta ou alguma informação destacando benefícios e malefícios de determinadas ações para a nossa saúde. E na maioria das vezes, a gente só se dá conta de que tudo tem uma razão quando a gente "perde" alguma parte dessa liberdade.

Não precisa ser nenhum expert pra saber que sem saúde a gente não vai à lugar nenhum.

A definição da Organização Mundial de Saúde (OMS) para este "bem" é motivo de controvérsia até hoje: "um estado completo de bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doenças" (fonte: Wikipedia).

O que gera a discussão é justamente a inclusão do 'mental' e do 'social': "definir a saúde como um estado de completo bem-estar faz com que a saúde seja algo ideal, inatingível (...)".

Discordo do inatingível.
Honestamente, uma boa condição social com o mínimo que cada cidadão deve ter - boas condições sanitárias, água tratada, esgoto tratado e não à céu aberto, acesso à alimentos 'não-industrializados' ... - influencia diretamente no mental e no físico!  




Que esse 'inatingível' seja desconsiderado. 

Que se busque cada vez mais atingir os 3 pontos que garantem a completa condição de boa saúde.





E para que, como eu, tem uma condição que precisa de atenção diariamente, que se tenha a consciência de que isso não significa não ter saúde. 
Significa só ter que ser mais atento à ela.

Faça por onde...


...o retorno é garantido!!

05 abril, 2013

Da cor do mar!

Hoje é sexta. 
E depois que passou o Dia Mundial do Diabetes, fiquei absolutamente relapsa com as sextas azuis!
Mas pensando nisso e no que tanto levanto bandeira, não é porque não tem dia importante chegando que o combate ao DM deva ser deixado de lado.

Pois vamos então: todas as sextas serão azuis!!
Assumo o compromisso.
Quem quiser, vem também!

E pra hoje, o azul vem em forma de mar. 
Adoro. Sempre gostei. Dá energia!
Só de estar à beira do mar me sinto bem.


Pra combinar com o mar, música...

(Mariene de Castro)

"Andei procurando minha alegria
Passarinho contou, sabia
Onde dói meu coração

Me disse: menina, olha a vida e sorria!
O vento assobia,
Não se assuste com o trovão

Às vezes parece que a coisa empena
E o perfume de açucena vira cinza de carvão
Mas sou feito mato na beira do rio
Não me esconda desafio
E não me entrego nunca não

Sou filha do mar
E na maré mansa
Basta um riso, uma esperança
Pra meu peito consertar

Sou filha do mar
E na maré cheia
Tiro o barco da areia
Vou-me embora navegar."

Cá entre nós, tem uma certa semelhança com os desafios que vem junto com o 'pacote' do diabetes...

03 abril, 2013

Dois pesos, duas medidas.


"Olha que bebê fofo, tão gordinho! Tão bonitinha de bochechão."

Isso é super comum.
A maioria das pessoas acha graça numa criança 'fofinha'.
Mas o fato é que cada vez mais cedo crianças tem se tornado obesas e com isso desencadeado diabetes e alguns outros problemas sérios: 




"Pela primeira vez na história da raça humana, crianças apresentam sintomas de doenças de adultos. Problemas de coração, respiração, depressão e diabetes tipo 2."

Assim é apresentado o documentário Muito Além do Peso.





A situação é mais séria do que se pensa: crianças que não conseguem identificar uma batata! 
Se ainda fosse um legume ou uma fruta menos usual... mas batata!?

Choca!!

O download do filme na íntegra pode ser feito diretamente para o computador gratuitamente, da página do documentário.

E o trailer está disponível para assistir online.

Vale assistir também as entrevistas e depoimentos dos especialistas que participaram do documentário.
As estórias são alarmantes! 

Passado o susto, fica a necessidade urgente da mudança, seja na dedicação dos governantes do país, no sentido de prover acesso à educação, saúde e condições mínimas de higiene, até de quem orienta diretamente a criança, que é bombardeada com imagens e informações sobre alimentos calóricos, com excesso de sal, de açúcar, de gordura, mas que passam uma imagem de alegria. Além dos brindes, que são chamarizes para refeições nada saudáveis.

Escolas, creches, pais e responsáveis, adolescentes... todo mundo deve assistir.
E tudo deve ser repensado!


01 abril, 2013

DM por aí...


Vou viajar de férias daqui a pouco mais de um mês (contando!!) e já comecei a fuxicar para ver o que tem de interessante sobre diabetes.

Além de encontrar várias coisas legais (meias relaxadoras, medidores mais compactos, livros de receitas e sobre 'Viver com Diabetes'...), uma coisa leva a outra e acabei me perdendo por sites e blogs sobre o assunto.

O fato é que apesar de termos melhorado em termos de variedade de produtos e até divulgação de informações para prevenção, aqui pouco (ou nada!) se fala sobre 'Viver com Diabetes' (por isso o destaque em maiúsculas para o termo), mas fala-se muito sobre o medicamento utilizado e consequências da falta de cuidado. 
É a condição, e não o paciente.

 Considerando que ainda temos muito o que fazer na disponibilização dos tratamentos, principalmente para pacientes que não tem condição de pagar seu próprio glicosímetro ou sua insulina, até dá para relevar... mas quem sabe se a pessoa fosse mais valorizada que a condição (não gosto da expressão "doença", acho até que já disse isso por aqui) este cenário também mudaria.

No embalo das campanhas que a cada ano se tornam mais acessíveis, por que não divulgar o que é o dia a dia de alguém com DM?
Porque como eu, muita gente leva isso numa boa. Mas também como eu, muitos tem os dias chatos que de vez em quando acontecem.
Honestamente, acho que faria muita diferença. 

De verdade, um exemplo - bom ou ruim - é super eficaz!



O diabetes por si só, é sério e merece bastante atenção.
Mas QUEM aprende aprende todo dia a 'Viver com Diabetes' merece o dobro!