Com doçura.

Pra quem ainda não assistiu ao documentário sobre o Raul Seixas (Raul - O início, o fim e o meio), recomendo muito!

Numa das declarações da sua quarta mulher, ela conta que Raul era diabético e que considera esse o motivo para o beijo dele ser doce.
Ah, o amor! rs...

Me lembrei disso hoje quando vi um colar fofo numa loja e acabei me dando o mimo de presente.


Além de ter adorado o colar - é um cordãozinho de seda com um pingente que é uma bala - doce assim! - ele ainda vinha em uma embalagem super charmosa, preso num cartão que trazia um textinho da Clarice Lispector:

"E a doçura é tanta que faz insuportável cócega na alma.
Viver é mágico e inteiramente inexplicável."


Me encantei... acabei escolhedo esse (tinham outras opções de pingente) porque acho que representa um pouquinho do que é ter que encaixar nos meus dias o cuidado e atenção com o tal diabetes...
Pode até ser chatinho e de vez em quando cansar ter que lembrar disso a todo momento, mas nada, nada mesmo, supera o prazer de viver bem.

VIVER! Não só respirar e seguir em frente. Viver!
Curtir, aproveitar, me divertir, rir, chorar, dançar, batucar, trabalhar, aproveitar!
Viver!

Comentários

  1. Oi Juliana,
    Achei seu blog por acaso e gostei muito. Não sou diabética, mas suas orientações, suas dicas e principalmente suas mensagens tão otimistas, como as deste post, são válidas e emocionam qualquer ser humano.
    Parabéns e obrigada por compartilhar tantas informações.
    Sucesso pra vc!
    Thais.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Thais!
    Seja bem vinda, sempre que quiser.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Febre amarela: a gente - doce - pode se vacinar?

De um dia azul...

Do tipo que se importa...