Opção: saudável.


No começo do meu tratamento me deparei com um problema que, de início, não tinha solução.
Trabalho na implantação de uma usina hidrelétrica (Usina Hidrelétrica Jirau - http://www.energiasustentaveldobrasil.com.br/) e viajo pra lá (Porto Velho / RO!) com frequência.
Na verdade, estamos a mais ou menos 120 km da capital e como passamos o dia na obra, almoçamos no refeitório lá mesmo.
Até março deste ano tínhamos em torno de 22.000 trabalhadores alojados na obra e já haviam sido servidas 10 milhões de refeições, entre café da manhã, almoço e jantar, no refeitório.

A comida é boa e diariamente tem-se arroz, feijão, salada, dois tipos de carne, uma massa... A questão é que não tinham opções mais leves. E quando eu ficava por lá, acabava sofrendo uma alteração na glicemia.

Mas, pra minha sorte e de todo mundo que trabalha lá, isso mudou.
Hoje, além do cardápio usual, foi inserido o cardápio light, que consiste em alimentos preparados com menos gordura e menos sal. 



E entre as alternativas, arroz e massa integrais, além de carnes mais leves e feitas sem fritura.

O melhor disso tudo é perceber a quantidade de pessoas que estão se conscientizando e optando por este menu!

Comentários

  1. Excelente notícia! Reeducação alimentar é a chave para melhorar a saúde da população, mas infelizmente é difícil implantá-la.
    Quando você puder assista esse vídeo no Youtube que é excelente: "Sugar: the bitter truth".

    bjs

    Elaine

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pela dica, vou assitir o video.

    Ele foi citado inclusive na matéria que saiu na revista Época desta semana, sobre os males causados pelo açucar!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Febre amarela: a gente - doce - pode se vacinar?

Pesquisa e Educação em Diabetes...

OneTouch Reveal: 1, 2, 3... testando!