Aqui no IP estão expostos os meus medos, as minhas descobertas, as conquistas, os avanços nas buscas pela cura do diabetes pelo mundo, os passinhos para um melhor controle da glicemia.

O que começou como um espaço de aprendizado e de dividir a minha convivência com o DM1, se transformou em estímulo para um melhor controle da minha doçura e para seguir mostrando que se funciona para mim, pode funcionar também para tantas outras pessoas que tem o diabetes como companheiro.

31 maio, 2011

ANAD

O Governo, através do Sistema Único de Saúde (SUS) deveria fornecer medicamentos e atendimento médico especializado para pacientes com diabetes. Mas infelizmente não é fácil.  Há casos de falta de insulinas, medidores glicêmicos, sem contar a dificuldade em marcar consultas para acompanhamento periódico.
Por outro lado, existem instituições que tentam suprir essa deficiência. Uma delas é a ANAD - Associação Nacionalde Assistência ao Diabético.
A ANAD é uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, dedicada a atender, orientar, acompanhar, tratar e educar pessoas com diabetes.
É oferecido acompanhamento com endocrinologistas, cardiologistas, dentistas, nutricionistas, psicólogos, fisioterapeutas, instrução e acompanhamento de atividades físicas, cursos de culinária, dança de salão, promovem jogos, passeios e palestras. 
O atendimento é feito de segunda a sexta-feira, das 08h às 17h, e aos sábados, de 08h às 12h.
Mandei um email pra eles solicitando informações sobre atendimento para pacientes de outros estados que não SP, mas ainda não tive um retorno. Atualizo sobre isso assim que receber a resposta!
No site são encontradas informações básicas sobre o que é a doença, os cuidados e tratamentos, as possíveis complicações, receitas, noticias...
A ANAD tem também um programa na TV, com duração de uma hora, veiculado no estado de São Paulo e em Nova Friburgo (RJ - TV Focus, canal 20), e um programa de rádio (este só em SãoPaulo, frequência AM 740).
Outra coisa bem bacana da ANAD é o selo de Qualidade e Confiança. Todos os produtos que recebem o selo da ANAD passam por um processo de avaliação que junto às resoluções da ANVISA verificam se o produto possui regularidade e se a matéria prima de que é feito não é contra indicada para diabetes.
No caso dos alimentos, há aqueles em que o fabricante não adicionou açúcar, mas que em sua composição há o açúcar que é natural da matéria prima.

O objetivo do selo não é fazer propaganda de qualquer produto, mas sim oeferecer segurança aos pacientes. Vale dar uma olhadinha na lista de marcas e produtos que já estão certificados.

 

27 maio, 2011

Resultado parcial...

Boas notícias! Semana passada saiu o resultado dos meus exames e está tudo bem!

Foi afastada a possibilidade de insuficiência adrenal (quando as glândulas adrenais, localizadas acima dos rins, não produzem cortisol em quantidade suficiente).

Não foi detectada perda de albumina (proteína do plasma sanguíneo), o que, segundo a minha super endócrino, é excelente!

Minha hemoglobina glicada está em 7,3% (deveria ficar entre 4% e 6%). Subiu um pouco em relação a anterior (6,8%), mas nada alarmante. Uma explicação é que se também ocorrem muitas hipoglicemias e tenta-se corrigi-las aumentando muito a glicose, após a  ingestão de alimentos, essa variação repercurte na glicada.
Minha meta é chegar dentro do limite!

Uma coisa curiosa é que antes de fazer o exame de sangue, medi a glicemia de jejum em casa e estava em 89 mg/dL. No exame do laboratório, deu 106 mg/dL. Perguntei pra minha médica se isso é normal e ela me disse que a variação entre a glicemia plasmática e a do medidor pode ocorrer sim (da ordem de 10% a 15%), mas que geralmente essa diferença é maior no medidor. O que pode ter ocorrido foi a liberação dos hormônios contra-reguladores de insulina (glucagon, cortisol e GH), que são liberados no início da manhã (por volta das 7h) e causam aumento da glicose.

Bom, consulta marcada para o próximo dia 07, para uma avaliação mais detalhada, e depois trabalho junto à nutricionista, para resolver o meu dilema!


23 maio, 2011

Doce final de semana!


De volta de um final de semana agitado!

Fui a São Paulo - bate e volta - este sábado, para um show. Na verdade, foi um evento bem bacana, o Festival Natura Nós.


Shows dos mais variados estilos de música, que começou a tarde e foi até a noite. Uma delícia! G. Love, que eu não conhecia e virei fã, Roberta Sá, Maria Gadu... Jamie Cullum que foi fenomal (e quem de fato me atraiu para o evento) e de quebra Jack Johnson pra fechar!

O mote do evento era a interação entre a música e a cultura brasileiras e as do mundo, além de promover a sustentabilidade. Bem legal!  

Meu voo foi super cedo, então nem tomei café da manhã antes de ir. Encontrei com minha parceirinha de aventuras Lary Dalgo, que já estava por SP, e fomos tomar café da manhã numa padaria próxima ao hotel. Bonitinha, grande... e sem noção! Para comer tinham boas opções além do usual, mas para beber... Perguntei se eles tinham capuccino diet e não me surpreendi quando disseram que não (é raro achar). Chocolate quente também não tinha, mas o susto veio na hora do café. O café, feito na hora, quentinho... já vinha adoçado!! Na hora falei: e eu que sou diabética faço o que?? Pensei alto, nem deveria ter perguntado assim de forma tão direta, mas o susto foi grande.

Enfim, consegui um expresso, que era a opção sem açúcar que a casa oferecia, e segui com o café da manhã.

Passeamos, almoçamos e na hora da sobremesa, mais novidades... sorvetes e diversas tortas diet (recomendo a de abacaxi com côco!) na Amor aos Pedaços e nenhum único sabor de sorvete diet na Haagen Daz. Juro que esse eu já até esperava que não tivesse, mas a Lary ficou brava!

Como ia passar o dia fora, fui preparada com meu kit de sobrevivencia, mas sabia que lá no show teriam opções de restaurantes / lanchonetes. E aí veio a boa supresa.
Além das opções previsíveis (pizza, sanduíches, pão de queijo...) tinha um restaurante só de comida orgânica, com saladas, massas e lanchinhos lights, e um outro só com saladas de frutas.
Achei muito bacana.

Voltei pro Rio bem cedinho no domingo porque a programação continuava por aqui... show do Sir Paul McCartney!


Emocionante e de novo, inesquecível!

Na hora de comer, uma boa alternativa. Entre salgadinhos, batata frita e cachorro quente, descolei um lanchinho mais leve! Sanduíche natural de peito de peru com salada de cenoura (tinha de frango e atum também).

Poder escolher faz diferença!

19 maio, 2011

Receitinha de última hora...

Comprei um iogurte natural desnatado da Molico esses dias, mas não gostei.
Ele é sem açúcar, mas já vem com adoçante... MUITO adoçante! Acabei não conseguindo tomar.

Pra não jogar fora o outro que estava na geladeira, resolvi inventar moda...

Meio copo do iogurte + 1/4 de abacate + 1 colher de sopa de aveia = creme de abacate! Light!
Uma alternativa menos calórica e mais saudável do que bater com creme de leite ou sorvete, por exemplo.

18 maio, 2011

Simpósios de Diabetes




Serão 4 eventos com temas distintos, organizados pela Sociedade Brasileira de Diabetes:

- Simpósio de Diabetes Transtornos Alimentares - Rio de Janeiro -  21/05/2011

Clicando nos links acima é possível ver os programas e as informações sobre o local onde serão realizados os eventos.

É cobrada uma taxa de inscrição para participar de cada um dos Simpósios (Médicos: R$ 30,00; Residentes, estudantes e outros profissionais: R$ 20,00; associados à SBD: isentos).

Dos 4, vou tentar ir ao Simpósio de DM1. Entre os temas abordados, estão o uso de células troncos, o transplante de pâncreas e até as novidades em termos de insulina e tipos de agulhas.

Bom ver que as pesquisas estão acontecendo e os tratamentos se tornando mais eficentes!

15 maio, 2011

Lua de Mel


Não, ainda não casei... mas já tive sim uma Lua de Mel!
Foi no ano passado, quando fiquei 59 dias sem precisar tomar as minhas doses de insulina.

Esse período de remissão do diabetes, quando o paciente reduz a dose necessária da insulina ou até suspende a aplicação (o meu caso), é chamado de Lua de Mel por ser uma fase boa, sem problemas.

Em uma matéria do Portal Diabates sobre o assunto, a explicação é que nessa fase pode ocorrer a "cura" de um processo inflamatório no pâncreas.

Quando aconteceu comigo fiquei feliz ao extremo! Me lembro que estava no aeroporto de Congonhas esperando para pegar um voo de volta ao Rio quando a endócrino me deu a noticia por telefone.
Tinha ligado pra reclamar de uma hipoglicemia constante antes do almoço durante toda aquela semana, mesmo já tendo reduzido a dosagem da insulina...

Acho que foi o voo mais longo da minha vida! Queria chegar logo e contar pra toda a família (só tinha conseguido falar com a minha mãe antes de embarcar) e pros meus amigos.

Ficar sem insulina não significou que eu poderia comer de tudo, sem controle. Pelo contrário, meu controle foi maior e quando necessário, eu tinha que corrigir uma glicemia um pouco alterada com a insulina de ação rápida.

Depois de quase 2 meses, foi preciso voltar ao tratamento com as injeções de insulina. Mas isso não significa que abusei dos carboidratos e doces. Significa que o pâncreas tinha voltado a trabalhar pouco.

Apesar de lá no fundo eu acreditar que estava no caminho para levar a vida sem diabetes, sabia que essa fase de remissão podia passar.
Passou, mas a esperança não.
Quem sabe um dia...

11 maio, 2011

Diabetes dia-a-dia

Ano passado uma amiga da minha mãe me indicou o livro Diabetes dia-a-dia.


Não comprei de imediato porque tinha receio que fosse super teórico, um desses livros que tentam fazer as vezes de um "manual". Mas guardei o nome...

Quando finalmente resolvi comprar, não me arrependi! Foi escrito de forma clara e objetiva, fácil de entender. A sensação enquanto eu leio é que estou tendo uma conversa direta com o autor.
Recomendo a leitura até para amigos e familiares de diabéticos. Pode ajudar na compreensão da doença e do tratamento e na fase de adaptação do paciente.

Entre os principais assuntos, explica o que é a doença, como tratar, quais as consequencias de não seguir o tratamento à risca, traz receitas, depoimentos de pacientes, exercícios mais indicados...

O autor, Rogério F. Oliveira, é um médico (endocrinologista) que vive com diabetes, segundo ele, pela maior parte da vida. 

Peço licença ao Dr. Rogério para reproduzir aqui no blog um dos trechos que mais gostei:

"Desde a descoberta da insulina (...),  o desenvolvimento tem levado a melhoria da qualidade de vida (...), principalmente no que tange ao grau de purificação desse hormônio vital para os diabéticos, erroneamente denominados insulinodependentes, pois todos os mamíferos são dependentes da insulina para o processo metabólico do açúcar no sangue." (Capítulo 7 - Tratamento: Insulinas)

Faz sentido! 



08 maio, 2011

Bolo de Laranja


Hoje resolvi testar uma outra receita de bolo que achei no site Receitas.com.

Estava com vontade de comer um bolo de laranja e como não achei nenhum diet já pronto, decidi fazer. Mas adaptei um pouco a receita para usar ingredientes que eu tinha em casa e substituí o açúcar pelo adoçante culinário.

Ingredientes:
  • 2 laranjas bahia 
  • 4 ovos
  • 1 1/2 xícara de açúcar (usei a mesma quantidade de Tal e Qual)
  • 200 g de amêndoa moída (usei 150 g de castanha moída... já tinha castanha picada em casa e passei no processador para que ficasse como uma farinha)
  • 1 xícara de farinha de trigo
  • 1 colher (sopa) de fermento em pó
  • 2/3 de xícara de azeite de oliva extravirgem
Modo de preparo:

Aqueça as 2 laranjas inteiras (com casca) por 10 minutos em uma panela com água até cobrí-las. Depois, passe na água fria até esfriar.
Corte as laranjas em cubo e bata no liquidificador com os ovos e o azeite.

Na batedeira, jogue esta pasta de laranja e acrescente a farinha de trigo, a castanha, o fermento e o adoçante. 

Coloque em uma assadeira untada e leve ao forno por 45 minutos.

Tirei do forno e com o bolo ainda quente joguei sobre ele uma caldinha feita com o suco de uma laranja e uma colher de sopa de Tal e Qual (misture os dois ingredientes em uma panela e deixe até começar a ferver).

Vai??



07 maio, 2011

Droga legal??


A matéria de capa da revista Época da semana passada foi sobre açúcar (http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI229657-15257,00-ESTE+PO+BRANCO+TAMBEM+MATA.html).
Mais que isso... sobre o mal que o açúcar faz!

Um endocrinologista americano pesquisou sobre o açúcar e afirma que ele é perigoso como o cigarro e o álcool.

O texto é longo, mas eu recomendo a leitura.
Além de mostrar a base da pesquisa, apresenta informações sobre como o nosso organismo processa o açúcar e porque o excesso pode ser perigoso para a saúde.

A matéria traz também um outro link que já havia sido recomendado aqui por uma leitora do blog. Trata-se do vídeo Sugar: The Bitter Truth (Açúcar: A Verdade Amarga): http://www.youtube.com/watch?v=dBnniua6-oM.

Ainda não há conclusão sobre os estudos, mas o alerta está feito!

03 maio, 2011

Dilema...


Hoje tive uma das minhas consultas periódicas com a endocrinologista (minha super endócrino!). Está tudo bem (graças a Deus!!)... glicemias em ordem e controladas, pressão ok, sem dores, sem dormências.

Excelente.
A não ser por um detalhe: estou abaixo do peso que deveria.
Rá! É aí que entra o dilema... minha alimentação é boa, voltei a fazer pilates... pois então, como engordar sem comer açúcar, carboidratos?

É o que eu vou descobrir.

Depois dos exames que terei que fazer (de rotina), volto na super endócrino e de lá, para a nutricionista.
Elas vão avaliar minha alimentação e se for o caso reinserir alguns carboidratos. Junto com isso, ajustar a dosagem da insulina.

Agora é esperar e correr atrás de uns quilinhos enquanto isso!

01 maio, 2011

Opção: saudável.


No começo do meu tratamento me deparei com um problema que, de início, não tinha solução.
Trabalho na implantação de uma usina hidrelétrica (Usina Hidrelétrica Jirau - http://www.energiasustentaveldobrasil.com.br/) e viajo pra lá (Porto Velho / RO!) com frequência.
Na verdade, estamos a mais ou menos 120 km da capital e como passamos o dia na obra, almoçamos no refeitório lá mesmo.
Até março deste ano tínhamos em torno de 22.000 trabalhadores alojados na obra e já haviam sido servidas 10 milhões de refeições, entre café da manhã, almoço e jantar, no refeitório.

A comida é boa e diariamente tem-se arroz, feijão, salada, dois tipos de carne, uma massa... A questão é que não tinham opções mais leves. E quando eu ficava por lá, acabava sofrendo uma alteração na glicemia.

Mas, pra minha sorte e de todo mundo que trabalha lá, isso mudou.
Hoje, além do cardápio usual, foi inserido o cardápio light, que consiste em alimentos preparados com menos gordura e menos sal. 



E entre as alternativas, arroz e massa integrais, além de carnes mais leves e feitas sem fritura.

O melhor disso tudo é perceber a quantidade de pessoas que estão se conscientizando e optando por este menu!